Mas afinal, para o que servem os Jovens Sarados – Parte I

Mas afinal, para o que servem os Jovens Sarados – Parte I

188
0
SHARE

É muito comum alguém ir a um Maranathá, um acampamento, Kairós ou mesmo no encontro semanal e sair de lá encantado com a acolhida que recebeu, com os louvores que lhe tocaram o coração, aaaah e a pregação? ” Era tudo o que eu precisava ouvir”! Quantas vezes já não ouvimos isso? Dezenas… Daí a galera chama pra lanchar e o lanche sarado vocês sabem como é, revigorante. A pessoa se vê num ambiente diferente, com amigos novos, amizades desinteressadas e zaaas. Não tem mais jeito a pessoa está apaixonada pelos Jovens Sarados. No outro sábado ela está lá de novo, e no outro e quando vê está entrando conosco no santuário e sai do de lá com um pequeno tau em seu peito. Nesse momento os Sarados pensam “Nossa valeu a pena”! Não é verdade?

Quanto você mudou desde que conheceu o JS? Olha quanta coisa ruim você deixou de lado, quanto do seu passado já ficou pra trás? Quanto álcool, cigarro, drogas, sexualidade desregrada você deixou pra trás… Mudamos muito. Maaaaas, aí é que mora o perigo para a nossa alma. Exatamente no momento em que olhamos para trás e vemos o quanto mudamos. Ah, quantos sarados perdem a salvação nesse ponto. Quantos se contentam de ter saído de uma vida cheia de pecados que todos viam e julgavam. Como é comum nesse ponto o jovem se perder achando como diz S.Agostinho: “pensam estar na Igreja mas na verdade estão fora dela”. Porque é exatamente nesse ponto onde satanás te envolve novamente na sua teia e como uma aranha, paralisa você do jeito que você está, injeta algo dentro de você que te destrói interiormente e suga de lá a sua essência, aquilo que você é. Pra quem olha de fora o “inseto” picado pela aranha tá ali na teia “lutando pela vida”; mas na realidade não sabe que aquilo é só o exoesqueleto do animal que já foi devorado pela aranha.

Muitos sarados que olhamos estão aparentemente muito bem, vão aos encontros, são servos, pregam bem, são do “fogo”; mas não percebemos que por dentro satanás entrou, fez a festa e ninguém, nem mesmo a pessoa percebeu. Então fica a pergunta: Mas então, para o que servem os jovens sarados? Nossa missão é dupla e muita gente não percebe isso. Nossa missão é para os de fora e os de dentro, os não conhecem e os que já conhecem e são missões diferentes porém complementares.

Em nossa cartilha lemos que nossa missão é resgatar almas jovens tirando-as da vida do pecado e levando-as a uma experiência do batismo no Espírito Santo. Essa é a nossa missão para com os de fora; Pe. Edmilson sempre diz que “se perdermos essa loucura por salvar almas já não mais existiremos”! Mas e com os de dentro? Ah com esses a nossa missão é gerar a santidade. Gerar santidade vai muito além de tirar da vida de pecado; ser santo não é “não pecar”; ser santo é ter atos e virtudes heróicas de santidade. É lutar contra o pecado num level master. Não pecar te livra do inferno, mas o que te leva para ao céu é a santidade. Como assim? Se a pessoa não pecar ela não vai para o céu? Ahaaaa, Pe. Paulo Ricardo ensinou nesse PHN 2017 que: Não, ela vai pro purgatório, para ir pro céu tem que ser santo.

Mas o que é ser santo? Nos próximos posts vamos aprofundar esse assunto, mas para ser santo precisamos romper com os laços do inimigo de verdade, romper com o mal evitando o pecado e vivendo diante Deus com atitude de servo e não de alguém que vai no JS porque é legal ou para se divertir. Não, se você é JS já tá na hora de amadurecer; de parar de mentir pra si mesmo e para os outros, de parar de falar mal dos que te cobram por uma vida de santidade e junto deles buscar a santidade que passa necessariamente pelo serviço. São Thiago (2,18) diz que a fé sem as obras é morta em si mesma. Então se você é Jovem Sarado e “tem vida de vida de oração”, é muito estudado da palavra e não faz nada pela salvação de almas com a missão, tem algo errado e que precisa mudar. É hora de despertar, é hora de levantar-se dos mortos para que Cristo brilhe Sua luz dentro de você queime seu coração com um forte desejo de santidade.