Eleições 2016 – Católicos devem se meter em política?

1864
0

Todos os cidadão brasileiros pagam dízimos à Igreja Católica ou alguma igreja evangélica? Não! Então é obvio que nem o Estado e nem essas pessoas devem meter o bedelho ou opinar seja sobre o que for nestas instituições, do mesmo modo que estas não devem fazer entre si, cada uma com suas regras e todos somos livres para aderir ou não. De modo ainda que nem todo cristão ainda que fervoroso é dizimista, só para constar, pois não é obrigado a isso a não ser por preceito religioso ou seja, moral.
 
Todos os membros da Igreja Católica individualmente, ou de alguma igreja evangélica individualmente como pessoa física pagam impostos ao Estado? Sim, paga e é isso que lhe confere o direito de opinar como e quando e o quanto quiser sobre qualquer decisão de cunho social. Todo cristão faz parte da sociedade, mas nem todos da sociedade fazem parte do grupo de cristãos. Deve por isso ser assegurado a todo fiel católico a liberdade de lutar para que o a sociedade caminhe segundo aquilo que nós como Igreja acreditamos para o bem comum (CF. Cân 227 CIC). O princípio da laicidade do Estado não impede aos seus cidadão o direito de comportar-se de acordo com seus princípios morais, éticos e religiosos. O Estado é sim laico, mas as pessoas não são o Estado, são indivíduos que pagam seus impostos e tem não só o direito mas a obrigação moral de zelar para que seus impostos sejam aplicados de acordo com suas convicções.
 
Ninguém pode imputar a um cristão, que seja apenas um pagador de impostos mudo e isento de opinião política. “A política é a mais alta forma da caridade, pois ela luta pelo bem comum” (Papa. Francisco). A Igreja nos ensina em sua doutrina social que devemos zelar pelo bem comum de todos os homens por meio de nossa participação ativa na política. Isso não se faz apenas no sentido partidário, mas principalmente fomentando em nossas consciências os valores morais defendidos pela Igreja, pelos princípios evangélicos. De modo que não é apenas um direito, mas para nós católicos é uma OBRIGAÇÃO (Cf. Decreto Apostolicam actuositatem 14).
 
Por isso ao votar nessas eleições municipais, cuide para que o seu voto seja capaz de impregnar na esfera política de sua cidade os valores da doutrina católica e de da vida cristã (Cf. Catecismo da Igreja Católica – 899). E gere ao seu redor aquele estado onde aquilo que vivemos, buscamos e acreditamos seja não somente respeitado por todos, mas também que chegue como verdade libertadora àqueles que por razões anti-católicas são levados a acreditar que nós católicos não devemos nos meter em política!