Caminho de namoro – E se ela (e) não gostar de mim?

6225
0

Fala galera sarada, estas são perguntas que fazem muitos corações ficarem abalados, com medo, com receio: “E se ela(e) não gostar de mim”? “E se eu não for correspondido”? “Será que vai estragar a amizade”? “Como iremos frequentar a mesma missão, a mesma paróquia, os mesmos lugares, depois de “Levar um toco”; como dizem no basquete? Pois é, a vida é assim, nem tudo sai como planejamos, nem tudo é como queremos, graças a Deus. A palavra de Deus diz que não recebemos o que pedimos porque pedimos mal, assim Deus querendo o nosso bem e nos amando não nos permite determinadas coisas, pois não são planos de Deus em nossas vidas (Cf Tg 4, 2-3)!

Bem, primeiramente, antes de responder a essas perguntinhas, que tal uma reflexão interior: ” Tenho vivido minha afetividade de maneira correta”? Um exemplo disso, esta é nossa quarta postagem sobre o assunto, você já fez um exame em sua vida como proposto nos artigos anteriores? Ainda não? Não leu? Como assim? Mas não tem problema, essa é a hora de fazer uma revisão, gastar um pouco de tempo com você mesmo, lendo e relendo os artigos e vendo onde você precisa trabalhar primeiro em você antes de viver um relacionamento a dois.

Uma vez que nossa forma de viver a nossa afetividade é sarada, pode ter certeza que o caminho de namoro é algo lindo de ser vivido, mas ele nasce de uma amizade e não de um desejo da carne. O caminho de namoro nasce pelos ouvidos e não pela visão! É aquilo que você conhece da pessoa que te encanta e não aquilo que ela aparenta, é um encantamento da beleza interior, do conversar, do partilhar, um encantamento por aquela pessoa que você consegue enxergar uma busca pela presença do Senhor na vida dela como você busca na sua. Se nascer de desejo pela beleza, pelo prestígio da pessoa, por sua popularidade, por algum interesse qualquer que seja, já nasceu errado e a chance de dar certo é quase nenhuma; ao menos dentro do estilo de vida dos Jovens Sarados.

Agora, se este encantamento que você sente pela pessoa é fruto de uma amizade verdadeira, pura, sincera, aberta e não apenas reflexo de carências pessoais, a chance de dar certo é muito grande, muito maior do que em qualquer outra situação. A melhor coisa nesse momento é você ir partilhar com o seu formador, colocar pra ele o que seu coração sente e avaliar se é o seu momento de iniciar um caminho de namoro, se sim, vá em frente! Você não tem nada a perder, ainda que não seja correspondido, pois se você vive a sua afetividade com maturidade vai saber se sair bem. A amizade continua, muitas vezes só aumenta ainda mais e certamente não será o fato de você falar para a menina que gosta dela de um modo diferente que fará com que ela se afaste de você. Pense, ela já está perto de você pois já são amigos, de algum modo ela já gosta de você, ainda que não seja como você gostaria.

 

Então rapaz, larga mão de ser frouxo! Seja homem, vai lá e abre seu coração sem medo, pois se já são amigos a menina não vai querer magoar você. Pelo contrário, ela irá buscar algum meio de lhe dizer não de uma forma bem amigável. Se a resposta for não, você precisa ser maduro, não ficar triste, mas olhar para isso como um processo onde embora não haja um namoro há a possibilidade de uma grande amizade. Veja, que um amigo não esconde nada a um amigo de verdade. Melhores amigos confidenciam o seu sagrado muitas vezes, e o que pode haver de mais difícil de partilhar do que declarar um sentimento especial por alguém? Se você chegou neste ponto você foi capaz de abrir-se totalmente e se a pessoa disse não, ela também se abriu totalmente, veja que beleza há nisso, sim há muita beleza nisso. Pois quem ama não quer ver o outro sofrer ou enganar, mas diz a verdade. A Melhor coisa nessa situação seria dizer: “Poxa ore por mim então para que eu não fique pra baixo com essa situação”! Certamente a menina vai rezar por você com muito carinho e sinceridade.

Você pode estar se perguntando, mas porque agora ele disse que o rapaz deve ir lá e falar e não disse que a menina deve ir lá e falar? Bem, este é um assunto para outro momento quando falaremos da TEOLOGIA DO CORPO! Em Breve! Compartilhe!