Inicio Autores Postado por simonelacerda

simonelacerda

22 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Papa Francisco ensina que é preciso comunicar a verdade

0

Onde houver falsidade, fazei que levemos verdade”
O dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado neste ano em 13 de maio, tem como tema “A verdade vos tornará livres (Jo 8,32). Fake News e jornalismo de paz”. Na tradicional mensagem, o Papa Francisco1 recorda que, a comunicação humana é uma modalidade essencial para viver a comunhão; e faz um alerta ao afirmar que: o homem pode usar de modo distorcido a própria faculdade de comunicar

“Sintoma típico de tal distorção é a alteração da verdade, tanto no plano individual como no coletivo. Se, pelo contrário, se mantiver fiel ao projeto de Deus, a comunicação torna-se lugar para exprimir a própria responsabilidade na busca da verdade e na construção do bem”, indica o Papa.

O que  o Papa Francisco nos ensina?

Entre os ensinamentos do documento, o Pontífice analisa o fenômeno das “fake news”. Segundo o Pontífice, “tais notícias são capciosas, no sentido que se mostram hábeis a capturar a atenção dos destinatários, apoiando-se sobre estereótipos e preconceitos generalizados (…) explorando emoções imediatas e fáceis de suscitar como a ansiedade, o desprezo, a ira e a frustração”. Desta forma, são capazes de enganar e, até mesmo, manipular o destinatários, e sua difusão pode contar com um uso manipulador das redes sociais que tornam “virais” as notícias falsas. Francisco alerta que mesmo uma distorção da verdade aparentemente leve pode ter efeitos perigosos, e que a desinformação nunca é inofensiva.

As redes sociais trouxeram um novo modo não só de se dar a notícia, mas, também, uma forma rápida e mais abrangente de dissemina-la, o que pode ser bom, ou não. Mais ainda, potencializaram a pressa que já existia em passar a “informação” e a corrida para o o furo de reportagem, reforçando um protagonismo medíocre dos “superdotados da comunicação”. Além disso, a insegurança quanto a informação difundida é proporcionalmente maior. Isso sem contar com as ideologias de pano de fundo.

O que são as “fake news”?
O fenômeno das “fake news” são um exemplo desse processo, e que, segundo Francisco, “tornam-se frequentemente virais, ou seja, propagam-se com grande rapidez e de forma dificilmente controlável, não tanto pela lógica de partilha que caracteriza os meios de comunicação social, sobretudo, pelo fascínio que detêm sobre a avidez insaciável que, facilmente, acende-se no ser humano”. Palavras de quem lida, diariamente, com notícias falsas publicadas sobre seu ministério e o Vaticano.

Todo comunicador sabe que para haver comunicação é necessário adequá-la a quem recebe – mesmo em meio às mudanças na relação entre emissor e receptor, sendo este último não tão passivo como antes. Portanto, no começo, meio e fim do processo comunicativo, há uma pessoa com o direito ao conhecimento da verdade.Francisco afirma que o jornalista é, portanto, o “guardião das notícias” e tem a tarefa, “no frenesi das notícias” de lembrar que, no centro da notícia, não estão a velocidade em comunicá-la nem a audiência, e sim, as pessoas.

Como podemos reconhecê-las?
Essa é a pergunta feita pelo Papa, a qual ele mesmo responde: “Não é tarefa fácil”, porque, a desinformação baseia-se, muitas vezes, sobre discursos ecléticos, evasivos e sutilmente enganadores, apoiados a mecanismos refinados. O Papa enfatiza, ainda, que há motivações “econômicas e oportunistas por trás da desinformação, essas têm sua raiz na sede de poder, ter e gozar”, tratando-se do embuste do mal para roubar liberdade do coração.

E assim, Francisco destaca como “louváveis as iniciativas educativas que permitem apreender como ler e avaliar o contexto comunicativo, ensinando a não ser divulgadores inconscientes de desinformação, mas atores do seu desvendamento”. Desse modo, educar para a verdade, segundo Bergoglio, significa ensinar a discernir, a avaliar e ponderar os desejos e as inclinações que se movem dentro de nós, para não nos encontrarmos despojados do bem – mordendo a isca – em cada tentação. E assim, evitar um alastramento desse mal que comportam as falsas notícias que circulam, principalmente, nas redes sociais.

Uma tarefa tão complexa quanto necessária para os nossos dias. Porém, há certamente um caminho preciso: a verdade. Francisco ressalta que, antídoto mais radical ao vírus da falsidade é deixar-se purificar pela verdade, mas não a verdade apenas conceitual , e sim, o único verdadeiramente fiável e digno de confiança, o único verdadeiro, o Deus vivo.

E àqueles que têm grande papel – os jornalistas – nesse processo de purificação, o Papa faz votos de “ jornalismo sem fingimentos, hostil às falsidades, a slogans sensacionais e a declarações bombásticas, um jornalismo feito por pessoas para as pessoas (…); um jornalismo que não se limite a queimar notícias, mas se comprometa na busca das causas reais dos conflitos, para favorecer a sua compreensão das raízes e a sua superação através do aviamento de processos virtuosos” . Enfim, um jornalismo que seja instrumento de paz!

1 –O Dia Mundial das Comunicações Sociais, data estabelecida pelo Concílio Vaticano II, por meio do documento “Inter Mirifica”, em 1963, écelebrado em muitos países, no Domingo sucessivo à Solenidade de Pentecostes, portanto neste ano será em 13 de maio. O texto da Mensagem do Santo Padre para o Dia Mundial das Comunicações Sociais é tradicionalmente no dia em que a Igreja recorda a memória de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas (24 de janeiro).

Fonte: liliane Borges jornalista/ Missionária da Comunidade Canção Nova

 

 

 

Por que Maio é o Mês de Maria?

0

Durante vários séculos a Igreja Católica dedicou todo o mês de Maio para honrar a Virgem Maria, Mãe de Deus. A seguir, explicamos o porquê.

A tradição surgiu na antiga Grécia. O mês de Maio era dedicado a Artemisa, deusa da fecundidade. Algo semelhante ocorreu na antiga Roma, pois maio era dedicado a Flora, deusa da vegetação. Naquela época, celebravam os ‘ludi florals’ (jogos florais) no fim do mês de abril e pediam sua intercessão.

Na época medieval abundaram costumes similares, tudo centrado na chegada do bom clima e o afastamento do inverno. O dia 1º de maio era considerado como o apogeu da primavera.

Durante este período, antes do século XII, entrou em vigor a tradição de Tricesimumou “A devoção de trinta dias à Maria”. Estas celebrações aconteciam do dia 15 de agosto ao 14 de setembro e ainda são comemoradas em alguns lugares.

A ideia de um mês dedicado especificamente a Maria remonta aos tempos barrocos – século XVII. Apesar de nem sempre ter sido celebrado em maio, o mês de Maria incluía trinta exercícios espirituais diários em homenagem à Mãe de Deus.

Foi nesta época que o mês de Maio e de Maria combinaram, fazendo com que esta celebração conte com devoções especiais organizadas cada dia durante todo o mês. Este costume durou sobretudo durante o século XIX e é praticado até hoje.

As formas nas quais Maria é honrada em Maio são tão variadas como as pessoas que a honram.

As paróquias costumam rezar no mês de Maio uma oração diária do Terço e muitas preparam um altar especial com um quadro ou uma imagem de Maria. Além disso, trata-se de uma grande tradição a coroação de Nossa Senhora, um costume conhecido como Coroação de Maio.

Normalmente a coroa é feita de lindas flores que representam a beleza e a virtude de Maria e também lembra que os fiéis devem se esforçar para imitar suas virtudes. Em algumas regiões, esta coroação acontece em uma grande celebração e, em geral, fora da Missa.

Entretanto, os altares e coroações neste mês não são apenas atividades “da paróquia”. Podemos e devemos fazer o mesmo em nossos lares com o objetivo de participar mais plenamente na vida da Igreja.

Devemos separar um lugar especial para Maria, não por ser uma tradição comemorada há muitos anos na Igreja ou pelas graças especiais que podemos alcançar, mas porque Maria é nossa Mãe, mãe de todo o mundo e porque se preocupa com todos nós, intercedendo inclusive nos assuntos menores.

Por isso, merece um mês inteiro para homenageá-la

 

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/por-que-maio-e-o-mes-de-maria-14927/

Novena a Nossa Senhora de Fátima

0

 

Pedimos a intercessão de Nossa Senhora de Fátima pelas necessidades impossíveis

Santíssima Virgem, que nos montes de Fátima vos dignastes revelar aos três pastorinhos os tesouros das graças que podemos alcançar, rezando o Santo Rosário, ajudai-nos a apreciar sempre mais essa santa oração, a fim de que, meditando os mistérios da nossa redenção, alcancemos as graças que insistentemente vos pedimos (pedir a graça).

Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem.

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós.
(Reza-se uma dezena de Ave-Marias em saudação a Nossa Senhora de Fátima)

Oração preparatória

Ó Santíssima Virgem Maria, Rainha do Rosário e Mãe de misericórdia, que vos dignastes manifestar em Fátima a ternura de vosso Imaculado Coração trazendo-nos mensagens de salvação e de paz, confiados em vossa misericórdia maternal e agradecidos das bondades de vosso amantíssimo coração, viemos a vossos pés para render-vos o tributo de nossa veneração e amor.

Concedei-nos as graças de que necessitamos para cumprir fielmente vossa mensagem de amor, e a que vos pedimos nessa novena, se forem elas para maior glória de Deus, honra vossa e proveito de nossas almas. Assim seja.

Oração final

Ó Deus, cujo Unigênito, com Sua vida, Morte e Ressurreição mereceu-nos o prêmio da salvação eterna, suplicamo-Vos: concedas-nos que, meditando os mistérios do Santíssimo Rosário da bem-aventurada Virgem Maria, imitemos os exemplos que nos ensinam e alcancemos o prêmio.

Primeiro dia – Penitência e reparação

Ó Santíssima Virgem Maria, Mãe dos pobres pecadores, que aparecendo em Fátima deixastes transparecer em vosso rosto celestial uma leve sombra de tristeza para indicar a dor que causam os pecados dos homens, os quais, com maternal compaixão, exortastes a não afligir mais a vosso Filho com a culpa e a reparar os pecados com a mortificação e a penitência, dai-nos a graça de uma sincera dor dos pecados cometidos e a resolução generosa de reparar com obras de penitência e mortificação todas as ofensas que se inferem a vosso Divino Filho e o vosso Coração Imaculado.

Segundo dia – Santidade de vida

Ó Santíssima Virgem Maria, Mãe da divina graça, que vestida de nívea brancura vos aparecestes aos pastorinhos singelos e inocentes, ensinando-os assim o quanto devemos amar e procurar a inocência da alma, e que pedistes por meio deles a emenda dos costumes e a santidade de uma vida cristã perfeita, concedei-nos misericordiosamente a graça de saber apreciar a dignidade de nossa condição de cristãos e levar uma vida conforme as promessas batismais.

Terceiro dia – Amor à oração

Ó Santíssima Virgem Maria, vaso insigne de devoção, que aparecestes em Fátima tendo pendente de vossas mãos o Santo Rosário, e que insistentemente repetias: “Orai, orai muito” para conseguir findar, por meio da oração, os males que nos ameaçam. Concedei-nos o dom e o espírito de oração, a graça de sermos fiéis no cumprimento do grande preceito de orar, fazendo-o todos os dias, para assim observar bem os santos mandamentos, vencer as tentações e chegar ao conhecimento e amor de Jesus Cristo, nesta vida, e à união feliz com Ele na outra.

Quarto dia – Amor à igreja

Ó Santíssima Virgem Maria, rainha da Igreja, que exortastes aos pastorinhos de Fátima a rogar pelo Papa e infundistes em suas almas sinceras uma grande veneração e amor por ele, como vigário de vosso Filho e Seu representante na Terra, infunde também a nós o espírito de veneração e docilidade à autoridade do Romano Pontífice, de adesão inquebrantável a seus ensinamentos, e nele e com ele um grande amor e respeito a todos os ministros da santa Igreja, por meio dos quais participamos da vida da graça nos sacramentos.

Quinto dia – Maria, saúde dos enfermos

Ó Santíssima Virgem Maria, saúde dos enfermos e amparo dos aflitos, que movida pelo rogo dos pastorinhos, fizestes já curas em vossas aparições em Fátima, e haveis convertido este lugar, santificado por vossa presença, em oficina de vossas misericórdias maternais em favor de todos os aflitos; ao vosso coração maternal acudimos cheios de filial confiança, mostrando as enfermidades de nossas almas e as aflições e doenças todas de nossa vida.
Deixai sobre elas um olhar de compaixão e as remedíeis com a ternura de vossas mãos, para que assim possamos servir-vos e amar-vos com todo nosso coração e com todo nosso ser.

Sexto dia – Maria, refúgio dos pecadores

Ó Santíssima Virgem Maria, refúgio dos pecadores, que ensinastes aos pastorinhos de Fátima a rogar incessantemente ao Senhor para que os desgraçados não caiam nas penas eternas do inferno, e que manifestastes a um dos três que os pecados da carne são os que mais almas arrastam àquelas terríveis chamas, colocai em nossas almas um grande horror ao pecado e o temor santo da justiça divina, e ao mesmo tempo despertai nelas a compaixão pelos pobres pecadores e um santo zelo para trabalhar com nossas orações, exemplos e palavras por sua conversão.

Sétimo dia – Maria, alívio das almas do purgatório

Ó Santíssima Virgem Maria, rainha do Purgatório, que ensinastes aos pastorinhos de Fátima a rogar a Deus pelas almas do Purgatório, especialmente pelas mais abandonadas, encomendamos à inesgotável ternura de vosso maternal coração todas as almas que padecem naquele lugar de purificação, em particular as de todos os nossos chegados e familiares e as mais abandonadas e necessitadas; aliviais suas penas e levai-as prontas à região da luz e da paz, para ali cantar perpetuamente vossas misericórdias.

Oitavo dia – Maria, rainha do rosário

Ó Santíssima Virgem Maria, que em vossa última aparição vos destes a conhecer como a Rainha do Santíssimo Rosário, e em todas as aparições recomendastes a reza dessa devoção como o remédio mais seguro e eficaz para todos os males e calamidades que nos afligem, tanto da alma quanto do corpo, tanto públicas quanto privadas, colocai em nossas almas uma profunda estima pelos mistérios de nossa Redenção que se comemoram na reza do Rosário, para assim viverem sempre de seus frutos.

Concedei-nos a graça de ser sempre fiéis à prática de rezá-lo diariamente para honrarmos a vós, acompanhando vossas alegrias, dores e glórias, e assim merecer vossa maternal proteção e assistência em todos os momentos da vida, mas especialmente na hora da morte.

Nono dia – Imaculado Coração de Maria

Ó Santíssima Virgem Maria, Mãe nossa dulcíssima, que escolhestes aos pastorinhos de Fátima para mostrar ao mundo as ternuras de vosso coração misericordioso e lhes propusestes a devoção ao mesmo como o meio com o qual Deus quer dar a paz ao mundo, como o caminho para levar as almas a Ele, e como uma prenda suprema de salvação, fazei, ó coração da mais terna das mães, que possamos compreender vossa mensagem de amor e de misericórdia, que a abracemos com filial adesão e que a pratiquemos sempre com fervor.

E assim seja vosso coração nosso refúgio, nossa esperança e o caminho que nos conduz ao amor e à união com vosso Filho Jesus.

 

Fonte:http://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/devocao/novena/novena-a-nossa-senhora-de-fatima/

 

Oração dos trabalhadores a São José

0

Reze e peça a intercessão de São José pelo seu trabalho

 

Glorioso São José, modelo de todos os que se dedicam ao trabalho, obtendo-nos do Criador do universo a graça de trabalhar com consciência, cumprindo com fidelidade nosso dever de trabalhar com reconhecimento e alegria, julgando uma honra empregar e desenvolve, pelo trabalho, as qualidades recebidas de Deus como um chamado divino para colaborar na obra da criação e aperfeiçoamento deste mundo. A graça de trabalhar com ordem, paz, moderação, paciência e eficiência, sem nunca recuar perante o cansaço e as dificuldades; de trabalhar em espírito de penitência para expiar nossos pecados; de trabalhar, sobretudo, com desapego e dedicação pelos que dependem de nosso esforço.

Pedimos vossa intercessão pelo mundo do trabalho, a fim de que aí reine o espírito cristão de justiça e paz, conforme os ensinamentos da Igreja; que os trabalhadores se unam em organizações que defendam os seus direitos e respeitem os alheios; que patrões e empregados se tratem mutuamente como irmãos e filhos do mesmo Pai, que se convertam os que ignoram a dignidade da pessoa humana e exploram o operário e o pobre.

Convosco, São José, agradecemos a Deus a saúde, a força, a disposição e as habilidades que nos permitem providenciar o sustento de nossos familiares e ser membros úteis da sociedade. Tudo para Jesus, tudo por Maria, tudo à vossa imitação, ó patriarca São José! Tal será nossa inspiração na vida e na morte.

Amém.

Da amizade à castidade

0

A castidade nos faz inteiros no amor

Uma verdadeira amizade em Cristo não é governada pelos instintos nem motivada por interesses, mas é uma escolha mútua, que tem valor por si mesma.

Toda amizade precisa ser purificada, pois a injúria, a calúnia, a arrogância (que impede a correção) e a traição podem destruí-la. Quem é amigo sempre ama.

Expressão do amor

Hoje, eu gostaria de falar sobre um assunto diferente, ainda dentro do plano da amizade, fundamental para todas as idades. Queria falar de um tema, que é muito importante no mundo de hoje: a castidade. Não podemos pensar num mundo novo sem essa virtude. De uma maneira muito particular, a castidade é a coroa do amor, um escudo para os nossos relacionamentos. Mais que um escudo, é uma expressão do verdadeiro amor. Ela nutre e potencializa o amor. Quando falta a castidade, o amor perde a força em nós e nos tornamos presas fáceis do desamor, da violência e da degradação.

A castidade é um segredo que os jovens cristãos têm para a sua vida. No entanto, vocês veem como o mundo de hoje despreza essa virtude, pois perdeu o sentido de beleza dela. A castidade é vista como um tabu, como moralismo, preceito e obrigação.

O pecado nos fragmenta

Cada união íntima de corpos é como um pedaço de você dado ao outro, porque seu corpo está intimamente ligado à sua alma. Em cada relação sexual feita fora do matrimônio, não pense que você está dando e recebendo prazer. Engano! Em cada relação sexual, você está dando um pedaço de você para sempre àquela pessoa.

A castidade é um grande dom, que faz com que compreendamos a unicidade do nosso ser. Se vivemos no pecado, destruímo-nos e destruímos os outros.

Quando a castidade é ferida, gera prazer no ato [sexual], mas gera dor na vida. E como descem lágrimas nos olhos dos jovens feridos na castidade! Por outro lado, a presença dessa virtude [castidade] gera felicidade, dignidade, uma capacidade para amar, para doar-se não por pedaços, mas para doar-se por inteiro, como Jesus se deu na cruz. Hoje, vemos um mundo que despreza a beleza da castidade. Por isso, as consequências são tão graves.

O “ficar” não deixa de ser um tipo, um certo nível de prostituição. Nos namoros avançados, os casais valorizam mais a relação física. Sem uma relação profunda de amizade no namoro não existirá matrimônio verdadeiro e feliz. E como as pessoas não priorizam a amizade no namoro, constroem matrimônios imaturos, inseguros, muitas vezes, gerados por relações sexuais pré-matrimoniais.

Artigo extraído a partir da pregação do Acampamento PHN de julho de 2007

Novena à Divina Misericórdia

0

Reze a novena à Divina Misericórdia

É tradição que a novena seja rezada, principalmente, antes da Festa da Misericórdia, iniciando na Sexta-Feira da Paixão.

“Em cada dia da novena, conduzirás ao meu coração um grupo diferente de almas e as mergulharás no oceano da minha Misericórdia. Eu conduzirei todas as almas à casa do meu Pai. Por minha parte, nada negarei a nenhuma daquelas almas que tu conduzirás à fonte da minha Misericórdia. Cada dia pedirás a meu Pai, pela minha amarga Paixão, graças para essas almas.” A Novena é rezada junto com o Terço da Divina Misericórdia.

Primeiro dia

Hoje, traze-me a humanidade inteira, especialmente todos os pecadores, e mergulha-os no oceano da minha Misericórdia. Com isso, vais consolar-me na amarga tristeza em que me afunda a perda das almas.

Misericordiosíssimo Jesus, de quem é próprio ter compaixão de nós e nos perdoar, não olheis os nossos pecados, mas a confiança que depositamos em Vossa infinita bondade. Acolhei-nos na mansão do Vosso compassivo coração e nunca nos deixeis sair dele. Nós Vo-lo pedimos pelo amor que Vos une ao Pai e ao Espírito Santo.

Eterno Pai, olhai com misericórdia para toda humanidade, encerrada no coração compassivo de Jesus, mas especialmente para os pobres pecadores. Pela Sua dolorosa Paixão, mostrai-nos a Vossa Misericórdia, para que glorifiquemos Sua onipotência por toda a eternidade. Amém.

Segundo dia

Hoje, traze-me as almas dos sacerdotes e religiosos e mergulha-as na minha insondável Misericórdia. Elas me deram força para suportar a amarga Paixão. Por elas, como que por canais, corre para a humanidade a minha Misericórdia.

Misericordiosíssimo Jesus, de quem provém tudo que é bom, aumentai em nós a graça, para que pratiquemos dignas obras de misericórdia, a fim de que aqueles que olham para nós glorifiquem o Pai da Misericórdia que está no céu.

Eterno Pai, dirigi o olhar da Vossa Misericórdia para a porção eleita da Vossa vinha: para as almas dos sacerdotes e religiosos. Concedei-lhes o poder da Vossa bênção e, pelos sentimentos do coração de Vosso Filho, no qual estão encerradas, dai-lhes a força da Vossa luz, para que possam guiar os outros nos caminhos da salvação e juntamente com eles cantar a glória da Vossa insondável Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Terceiro dia

Hoje, traze-me todas as almas piedosas e fiéis e mergulha-as no oceano da minha Misericórdia. Essas almas consolaram-me na Via-Sacra; foram aquela gota de consolações em meio ao mar de amarguras.

Misericordiosíssimo Jesus, que concedeis prodigamente todas as graças do tesouro da Vossa Misericórdia, acolhei-nos na mansão do Vosso compassivo coração e não nos deixeis sair dele pelos séculos; suplicamo-Vos pelo amor inconcebível de que está inflamado o Vosso coração para com o Pai Celestial.

Eterno Pai, olhai com Misericórdia para as almas fiéis, como a herança do Vosso Filho. Pela Sua dolorosa Paixão, concedei-lhes a Vossa bênção e cercai-as da Vossa incessante proteção, para que não percam o amor e o tesouro da santa fé, mas, com toda a multidão dos anjos e santos, glorifiquem a Vossa imensa misericórdia por toda a eternidade. Amém.

 

Quarto dia

Hoje, traze-me os pagãos e aqueles que ainda não me conhecem e nos quais pensei na minha amarga Paixão. O seu futuro zelo consolou o meu coração. Mergulha-os no mar da minha Misericórdia.

Misericordiosíssimo Jesus, que sois a luz de todo o mundo, aceitai, na mansão do Vosso compassivo coração, as almas dos pagãos que ainda não Vos conhecem. Que os raios da Vossa graça os iluminem para que também eles, juntamente conosco, glorifiquem as maravilhas da Vossa Misericórdia e não os deixeis sair da mansão do vosso compassivo coração.

Eterno Pai, olhai com misericórdia para as almas dos pagãos e daqueles que ainda não Vos conhecem e que estão encerrados no coração compassivo de Jesus. Atrai-as à luz do Evangelho. Essas almas não sabem que grande felicidade é amar-Vos. Fazei com que também elas glorifiquem a riqueza da Vossa Misericórdia por toda a eternidade. Amém.

Quinto dia

Hoje, traze-Me as almas dos cristãos separados da unidade da Igreja e mergulha-as no mar da minha Misericórdia. Na minha amarga Paixão dilaceravam o meu Corpo e o meu Coração, isto é, a minha Igreja. Quando voltam à unidade da Igreja, cicatrizam-se as minhas Chagas e dessa maneira eles aliviam a minha Paixão.

Misericordiosíssimo Jesus que sois a própria bondade, Vós não negais a luz àqueles que Vos pedem, aceitai na mansão do vosso compassivo coração as almas dos nossos irmãos separados, e atrai-os pela vossa luz à unidade da Igreja e não os deixeis sair da mansão do vosso compassivo Coração, mas fazei com que também eles glorifiquem a riqueza da Vossa Misericórdia.

Eterno Pai, olhai com Misericórdia para as almas dos nossos irmãos separados que esbanjaram os Vossos bens e abusaram das Vossas graças, permanecendo teimosamente nos seus erros. Não olheis para os seus erros, mas para o amor do vosso Filho e para a sua amarga Paixão, que suportou por eles, pois também eles estão encerrados no Coração compassivo de Jesus. Fazei com que também eles glorifiquem a vossa Misericórdia por toda a eternidade. Amém.

Sexto dia

Hoje, traze-Me as almas mansas, assim como as almas das criancinhas, e mergulha-as na minha Misericórdia. Essas almas são as mais semelhantes ao meu Coração. Elas reconfortaram-Me na amarga Paixão da minha agonia. Eu as vi quais anjos terrestres que futuramente iriam velar junto aos meus altares. Sobre elas derramo torrentes de graças. Só a alma humilde é capaz de aceitar a minha graça; as almas humildes favoreço com a minha confiança.

Misericordiosíssimo Jesus, que dissestes: “Aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração”, aceitai na mansão do Vosso compassivo Coração as almas mansas e humildes e as almas das criancinhas. Estas encantam o Céu todo e são a especial predileção do Pai Celestial, são como um ramalhete diante do trono de Deus, com cujo perfume o próprio Deus se deleita. Essas almas têm a mansão permanente no Coração compassivo de Jesus e cantam sem cessar um hino de amor e misericórdia pelos séculos.

Eterno Pai, olhai com Misericórdia para as almas mansas e humildes e para as almas das criancinhas, que estão encerradas na mansão compassiva do Coração de Jesus. Estas almas são as mais semelhantes a vosso Filho; o perfume destas almas eleva-se da Terra e alcança o vosso trono. Pai de Misericórdia e de toda bondade, suplico-Vos pelo amor e predileção que tendes para com estas almas, abençoai o mundo todo, para que todas cantem juntamente a glória à Vossa Misericórdia, por toda a eternidade. Amém.

Sétimo dia

Hoje, traze-Me as almas que veneram e glorificam de maneira especial a minha Misericórdia e mergulha-as na minha Misericórdia. Essas almas foram as que mais sofreram por causa da minha Paixão e penetraram mais profundamente no meu espírito. Elas são a imagem viva do meu Coração compassivo. Essas almas brilharão com especial fulgor na vida futura. Nenhuma delas irá ao fogo do inferno; defenderei cada uma delas de maneira especial na hora da morte.

Misericordiosíssimo Jesus, cujo Coração é o próprio amor, aceitai na mansão do vosso compassivo Coração as almas que honram a glorificam de maneira especial a grandeza da vossa Misericórdia. Estas almas tornadas poderosas pela força do próprio Deus, avançam entre penas e adversidades, confiando na vossa Misericórdia. Essas almas estão unidas com Jesus e carregam sobre os seus ombros a humanidade toda. Elas não serão julgadas severamente, mas a vossa Misericórdia as envolverá no momento da morte.

Eterno Pai, olhai com Misericórdia para as almas que glorificam e honram o vosso maior atributo, isto é, a vossa inescrutável Misericórdia; elas estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Essas almas são o Evangelho vivo e as suas mãos estão cheias de obras de misericórdia; suas almas repletas de alegria cantam um hino de misericórdia ao Altíssimo. Suplico-Vos, ó Deus, mostrai-lhes a vossa Misericórdia segundo a esperança e confiança que em Vós colocaram. Que se cumpra nelas a promessa de Jesus, que disse: “As almas que veneram a minha insondável Misericórdia, Eu mesmo as defenderei durante a vida, especialmente na hora da morte, como minha glória.” Amém.

Oitavo dia

Hoje, traze-Me as almas que se encontram na prisão do Purgatório e mergulha-as no abismo da minha Misericórdia; que as torrentes do meu Sangue refresquem o seu ardor. Todas essas almas são muito amadas por Mim, pagam as dívidas à minha Justiça. Está em teu alcance trazer-lhes alívio. Tira do tesouro da minha Igreja todas as indulgências e oferece-as por elas. Oh, se conhecesses o seu tormento, incessantemente oferecerias por elas a esmolas do espírito e pagarias as suas dívidas à minha justiça.

Misericordiosíssimo Jesus, que dissestes que quereis misericórdia, eis que estou trazendo à mansão do vosso compassivo Coração as almas do Purgatório, almas que Vos são muito queridas e que no entanto devem dar reparação à vossa justiça; que as torrentes de Sangue e Água que brotaram do vosso Coração apaguem as chamas do fogo do Purgatório, para que também ali seja glorificado o poder da vossa Misericórdia.

Eterno Pai, olhai com Misericórdia para as almas que sofrem no Purgatório e que estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Suplico-Vos que, pela dolorosa Paixão de Jesus, vosso Filho, e por toda a amargura de que estava inundada a sua Alma santíssima, mostreis vossa Misericórdia às almas que se encontram sob o olhar da vossa Justiça; não olheis para elas de outra forma senão através das Chagas de Jesus, vosso Filho muito amado, porque nós cremos que a Vossa bondade e Misericórdia são incomensuráveis. Amém.

Nono dia

Hoje, traze-Me as almas tíbias e mergulha-as no abismo da minha Misericórdia. Essas almas ferem mais dolorosamente o meu Coração. Foi da alma tíbia que a minha Alma sentiu repugnância no Horto. Elas levaram-Me a dizer: Pai, afasta de Mim este cálice, se assim for a vossa vontade. Para elas, a última tábua de salvação é recorrer a minha Misericórdia.

Ó compassivo Jesus, que sois a própria Compaixão, trago à mansão do vosso compassivo Coração as almas tíbias; que se aqueçam no fogo do vosso amor puro estas almas geladas, que, semelhantes a cadáveres, Vos enchem de tanta repugnância. Ó Jesus, muito compassivo, usai a onipotência da vossa Misericórdia e atraí-as até ao fogo do vosso amor e concedei-lhes o amor santo, porque Vós tudo podeis.

Eterno Pai, olhai com Misericórdia para as almas tíbias e que estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Pai de Misericórdia, suplico-Vos pela amargura da Paixão do vosso Filho e por sua agonia de três horas na Cruz, permiti que também elas glorifiquem o abismo da vossa Misericórdia. Amém.

Fonte: Canção Nova

 

Quem tenho sido, Judas ou lança? Traição ou morte? Talvez Pedro

0

Judas o traiu por 30 moedas, eu…? Por menos, bem menos…
Pedro o negou 3 vezes, eu… Perdi as contas, inúmeras e ainda tenho medo das vezes que podem vir… Foi por mim!
Fui lança transpassando seu coração, tirando-lhe a vida, vida essa dada por mim, pelos meus erros, mas escolhas, pelas minhas vaidades, mentiras, maldades, invejas, egoísmos, por todas as vezes que não respeitei meu corpo como templo que ele mesmo habita, pelos meus pecados…
Foi por você…
Qual chaga eu abri em seu corpo? Qual dor eu te causei Jesus?
Fico a imaginar a quantidade de feridas, o sangue…
Essa semana essa imagem tem sido constante…
Queria ter sido Verônica, Cirineu ou Maria…
Só consigo ser soldado, Caifás, Gestas…
Queria mergulhar no seu sangue, lavar minha sujeira, mas sempre sujo mais…
Ser essa lança me dói Pai, sinto as dores, pq me separaram de ti sem saber se era isso que eu queria, o pecado original me condena e minha carne não encontra forças no combate…
Alimento do meu espírito, pão que vem de onde eu sou, sacrifício diário para me manter de pé, não posso viver sem ti, sustento da minha alma…
Me perdoa por suas dores, sou fraca, pequena, miserável fraqueza…
Estou aqui, chorando, como aquelas mulheres, minhas lágrimas não cessam, elas estão lavando, me lavando para que seu sangue possa entrar…
Jesus, desculpa te abandonar… Mas eu voltei, estou encondida, meu disfarce é a lança, só assim consigo alcançar seu coração, estou aí dentro tentando entender o que é, e como ser amor, me salva…
Por: Mellody Gesualdo JS

Homens rumo a Santidade

0

Deus vê a sua luta, o seu sofrimento!

A Palavra de Deus nos afirma que o “Reino de Deus está próximo”. Teremos Céus Novos e uma Terra Nova, e por isso também uma Humanidade Nova, um Mundo Novo. Agora não é tempo de medo, mas de luta! Luta para que possamos estar – com nossa família toda – onde o Senhor nos espera: em Céus Novos e numa Terra Nova. Você não pode continuar decepcionando Deus, que espera por você.

Continue lutando pela fidelidade a Ele e àquela pessoa a quem Deus uniu você em matrimônio. Deus quis unir a família da Trindade à uma família humana: a de Jesus, Maria e José! Jesus pertence à família do Pai e do Espírito Santo, mas, ao mesmo tempo, pertence à família de José e Maria. Lindo, não é? Jesus pertence à Família Divina, mas ao mesmo tempo quis pertencer a uma família: a família de Nazaré.

Deus quer que também as nossas famílias, seguindo os caminhos da Sagrada Família, participem da maravilhosa Família de Deus. Para destruir o plano de Deus, a tentação tem um alvo: os homens. Ela quer destruir a nós, homens, levando-nos para as drogas, a prostituição, o jogo, o adultério (…).

Nós, homens, somos atacados, justamente porque Deus nos escolheu para ser “a cabeça” do lar, “o chefe da família”. Ele nos colocou para “governar”! O inimigo sabe que quando se mata a cabeça tudo morre. Mas se a cabeça vence, tudo vence! É por isso que somos tão atormentados pela tentação.

Deus vê a sua luta, o seu sofrimento! Ele sabe que não é fácil ser um homem de Deus. Por isso Ele o ama infinitamente com amor de Pai e não quer perdê-lo. Ele o ama, assim como ama Seu Filho Jesus, e tem por você o mesmo entusiasmo, o mesmo carinho, a mesma alegria. Quando você tiver alcançado a vitória e chegado ao Céu, Ele irá recebê-lo com um forte abraço de satisfação.

Deus o abençoe!

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Como devo me preparar para o Natal?

0

           

Aquele que se decidir a viver o Natal em oração, com certeza o viverá de maneira mais santa, renovada e feliz

Charles Dickens, um famoso romancista inglês, escreveu certa vez: “Honrarei o Natal em meu coração e tentarei conservá-lo durante todo o ano”. Penso que ele estava certo, pois o Natal precisa novamente ser honrado com urgência, porque, há muito tempo, as pessoas têm simplesmente ignorando o real sentido dessa data.

O que é o Natal?

Papa Francisco, em uma de suas homilias sobre o Natal, não hesitou em afirmar à humanidade seu verdadeiro significado: “O Natal é mais! Nós vamos por esse caminho para encontrar o Senhor, porque o Natal é um encontro e nós caminhamos para encontrá-Lo com o coração, com a vida, encontrá-Lo vivo, como Ele é, encontrá-Lo com fé”. O Natal é um encontro. Que bela definição o Santo Padre nos deu! Trata-se, portanto, de um encontro com Jesus, o Menino Deus que traz consigo o segredo da verdadeira paz à alma humana ainda tão agitada. Nesse encontro com Cristo, o Sumo Pontífice nos indica a oração, a caridade e o louvor como caminhos para uma boa preparação para bem celebrarmos o nascimento de Jesus.

Gostaria de deter-me, neste primeiro caminho, que é da oração, para vivenciarmos o Natal como aquilo que ele verdadeiramente é.

O mundo, nesta época, ensina-nos que tudo consiste em caprichar na compra de presentes, fazer aquela ceia maravilhosa com ricas iguarias, ter o maior número possível de enfeites natalinos dentro de casa, chamar todos os parentes para uma confraternização social – mesmo que, durante os outros 364 dias do ano, vocês nem se falem mais! – e dar, além de tudo isso, umas generosas contribuições para as tais “caixinhas de Natal”.

Tudo na vida tem real significado e valor. O Natal é, sobretudo, o aniversário do nascimento de nosso Senhor Jesus Cristo, o Verbo de Deus que se fez carne e habitou entre nós para nos salvar. Mas grande parte da nossa sociedade, tão consumista e alienada, simplesmente celebra o aniversário ignorando o aniversariante.

Seguir o conselho da Virgem Maria

Nós cristãos não estamos isentos de tal risco. Podemos cair no mesmo equívoco de celebrar esta grande festa ignorando o aniversariante, que é Cristo. Para que isso não aconteça, segue o conselho constante que a Mãe de Jesus nos dá em Medjugorje: “Queridos filhos, rezem, rezem e rezem”.

Intimidade com Deus

Preparemos o aniversário de Jesus com as nossas orações. Quando nos decidirmos viver o Natal em oração, já estaremos começando a experimentar esse encontro com o Menino Deus. É por meio da oração, dessa busca de uma maior intimidade com Deus, que adentramos no castelo do Rei dos reis e nos livramos daquelas amarras de ressentimentos e lembranças amargas que nos oprimem e estragam o nosso Natal. Porém, não se iluda, meu irmão! Esse “castelo” nos é revelado na pobreza da gruta de Belém, na qual o Trono de Graça se fez simples manjedoura e Aquele que detém todo poder e autoridade nas mãos manifesta-se na fragilidade de uma criança nos braços de Sua Mãe.
Somente aquele que reza consegue contemplar esses sinais escondidos, os quais o mundo ainda não foi capaz de enxergar. Aquele que se decidir a viver o Natal em oração, com certeza o viverá de maneira mais santa, renovada e feliz. Pois o homem que reza jamais se encontra sozinho. Ele é semelhante àqueles Reis Magos que caminhavam por terras desconhecidas sob a guia de uma estrela. A luz que vinha do Alto os direcionava. O mesmo acontece com a alma orante: ela é sempre conduzida pelo Céu e para o Céu.

Não deixe para rezar somente no Dia de Natal

Que tal fazermos essa maravilhosa experiência nesse tempo? Prepare-se bem para o Natal por meio da oração e não deixe para rezar somente no grande dia. Comece antes, comece agora! Reze o Santo Terço em família, leia na Bíblia as verdadeiras histórias do Natal para seus filhos, participe bem das Santas Missas durante este tempo, faça uma boa confissão e, nos últimos dias do Advento, reze a Novena de Natal com os seus.

Enfim, deixe que a força da oração o guie em direção à gruta de Belém. Ali, você contemplará o Filho de Deus que se fez um de nós e aprenderá que o Natal é a oportunidade que a humanidade tem de recordar que o verdadeiro amor consiste em doar-se até o fim com humildade e simplicidade. Ali, naquela manjedoura construída pela paz em seu coração, você poderá admirar o sorriso do Menino Jesus. Diante desse singelo sorriso, é impossível que a alma humana permaneça sofrendo na dor e na solidão!

Desejo a você e a sua família um Natal diferente dos anos anteriores, um Natal preparado em oração, que marque definitivamente esse tempo novo de recomeços e retomadas na sua vida.

Um abraço fraterno!

Alexandre Oliveira
Missionário da Comunidade Canção Nova

Novena do Espírito Santo

0

Novena em honra ao Espírito Santo, composta pela Beata Elena Guerra

1º dia

Oração Inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

As ações do Espírito Santo em nossas almas

Essa belíssima e nobre criatura que é a alma humana, criada pela paterna Mão de Deus, foi pelo Eterno Amor enriquecida das mais eleitas virtudes; que nela produz seus frutos, graças à ação vivificante do mesmo Amor que é o Espírito Santo.
As ações deste Divino Espírito nas almas são admiráveis, e quanto mais as contemplamos, tanto mais nos enchemos de maravilha e de consolação. Inacessível por sua natureza, o Espírito Santo se torna acessível por sua infinita bondade, sobretudo para as almas que O desejam, e a elas se comunica de modo inexplicável. Ele as enche de Si, e as faz sentir Sua presença com luzes, inspirações, confortos graças de todas as maneiras. E por mais que seja simples na sua essência, é variado e múltiplo nos seus efeitos. E na obra da santificação das almas, pode-se afirmar que o Espírito Santo é tudo em todos.

Este dogma da inefável operação do Espírito Santo na alma do cristão mostra claramente uma verdade que eleva a uma dignidade incompreensível: Eis uma expressão desta verdade. “Um Deus se ocupa de mim. Um Deus se preocupa em me fazer o bem. O desejo pela minha perfeição é a sua predileta ocupação! Ele trabalha em mim, pensa sempre em mim, não cessa de trabalhar por mim!”. E por que tudo isso? Porque me ama e me ama infinitamente! Por quê? Porque eu sou uma feliz criatura dos eternos e amorosos cuidados de Deus!

Se esta verdade fosse por ti bem considerada e bem entendida, que mais te importaria, ó alma cristã, das coisas da terra? Tu, tão amada por Deus, como poderia não aproveitar Seus afetos, desperdiçando-os pelos bens desta terra? Ah, se conhecesses a ti mesma e Aquele que opera em ti, estarias morta para o mundo e o mundo estaria morto para ti, e viverias desde agora toda em Deus!

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Espírito Santo, Eterno Amor, esta pobre alma não encontra palavras para exprimir a doce maravilha e o reconhecimento que experimenta pensando em Vós, ó Altíssimo Deus, que Vos dignastes Vos ocupar desta mesquinha criatura e de fazer-lhe continuamente o bem. Agradeço-Vos de coração; mas ao mesmo tempo, sinto necessidade de pedir-Vos perdão por ter apreciado tão pouco e correspondido tão mal até agora ao Vosso amoroso “operar” na minha alma. Vós, que me encheis de favores e favores tão grandes que não consigo nem mesmo compreendê-los, acrescentai-me um outro favor: aquele de fazer-me apreciar, ó Divino Espírito, os benefícios do Vosso Amor, e de ajudar-me a corresponder-Vos fielmente.

Abri ó Espírito Santo, com aquela luz da qual sois origem e fonte, os olhos da minha mente, e fazendo-me melhor conhecer os efeitos do infinito amor que me trazeis, movei ó Espírito Santo, o meu coração à verdadeira e constante correspondência.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna! Amém!

2º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

O Espírito Santo habita em nós

É esta uma consoladora verdade expressa no Evangelho (Cf. Mt 10, 20), e confirmada pelo Apóstolo Paulo quando escreve aos Coríntios: “Não sabeis que o Espírito Santo habita em vós? E não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo?” É também por isso que a Igreja Católica se alegra em chamar o Divino Espírito de “Doce Hóspede da Alma”. Hóspede que reveste da graça santificante, que irriga da divina luz, que a faz capaz de obras merecedoras da vida eterna.

Segundo São Tomás, o Espírito Santo é para nossa alma o que a alma mesma é para o nosso corpo. E assim, como um corpo não pode viver sem a alma, uma alma privada do Espírito Santo é morta, morta para a graça, morta ao santo amor, e incapaz de conquistar méritos para o Céu. Ai de quem expulsa com o próprio pecado o Doce Hóspede da Alma, porque expulsa o amor, a graça e perde a própria vida.

Sim, ó Cristão, o Espírito habita em ti. E se tens fé, deves estar convicto sempre desta verdade: Nunca te encontrarás sozinho. Está contigo o Doce Hóspede da Alma. Está contigo de dia e de noite, na fadiga e no repouso, na deficiência e na prosperidade. Contigo estará (e mais o do que nunca) na oração e na tribulação. Ah, se tu soubesses te valer da presença de um amigo tão bom e poderoso!

Se nas tentações, nos perigos e nas angústias te recordasses que possuis o Espírito Santo dentro de ti! E se a Ele recorresses prontamente quando preocupasses teu pequeno coração!

Pare o teu pensamento algumas vezes durante o dia na consideração desta dulcíssima verdade: O Espírito Santo habita em mim! Se pensares assim, não terás apenas alegrias, mas também novas forças para avançar nos caminhos da virtude.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Altíssimo Deus, que em tudo sempre sois Admirável e grande, mas ainda mais nas obras de amor, elegestes a alma cristã para Vosso Tabernáculo e não só lhe conferistes Vossos bens, mas doastes a Vós mesmo.

Ah! Se a Vossa bondade fosse ao menos apreciada por algumas almas, e se Vós não fosses tão contristado e ofendido por essas almas que deveriam amar-Vos tanto!

Arrependo-me ó Sumo Amor de ter tantas vezes, também eu, Vos contristado com a minha frieza, esquecimento e ingratidão. Arrependo-me também de ter vos expulsado do meu coração e dado lugar ao Vosso eterno inimigo, o pecado, e com esse, o demônio. Mas sei que uma sincera lágrima de arrependimento servirá para chamar-Vos. Sei que Sois mais amoroso que uma doce mãe. Sois sempre pronto a perdoar. Por isso, com confiança, Vos digo: Vem ó Espírito Santo; Vem a esta alma que não quer mais contristar-Vos, nem ofender-Vos jamais.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

3º dia

Oração Inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo, nosso Consolador

Depois do pecado original, a miserável descendência de Adão sofre pela dor, consequência não apenas do primeiro pecado, mas também das obras cometidas por nós mesmos. Ora, o Espírito Santo, que é Amor, não deixará sofrer seus amados sem derramar sobre eles muitíssimas consolações. E é porque Ele nos consola, que a Igreja O chama de “Consolador Perfeito”, e possui para Ele os mais doces nomes, como “Pai do Pobres”, “Repouso no cansaço”, “Doce Refrigério”, “Alívio no Pranto”. Se bem que Ele não nos tira das mãos aquele cálice da amargura que devemos beber à semelhança do Salvador.

Contudo, o Espírito Santo sabe misturar sua doçura às nossas amarguras nas dores que nos vem da parte das criaturas, Ele nos dá o conforto da Sua graça; nas desgraças, um doce e tranquilo impulso para nos conformarmos. Em cada sofrimento, o Espírito nos dá um raio de Sua luz que nos faz entender que por detrás daquele mal, existe um bem, e uma voz de verdade que nos recorda as eternas recompensas por sofrermos; e com Aquela voz de verdade, a alma atribulada é consolada pelo Perfeito Consolador que a ela se entrega.

Se temos um Perfeito Consolador, por que o mundo está repleto de aflitos? Por que em toda a parte se derramam lágrimas, e por que se escutam os gemidos de dor? Por que se chega ao suicídio? Infelizmente, devemos constatar que esses não conhecem o Espírito Santo, que é o Verdadeiro Consolador do homem, porque o sofrimento deles não possui conforto.

Mas por que isso acontece também entre os cristãos? A razão é clara: Também entre os cristãos, pouco se conhece e menos ainda se honra e se ora ao Espírito Consolador. Mas, se vemos almas que no sofrer se mantêm tranquilamente conformadas, podemos bendizer que elas estão com o Espírito Santo, e se vemos algumas que em meio às tribulações podem repetir como São Paulo que superabundam em alegria, podemos também dizer que estas são plenas do Espírito Santo e cheias da Verdadeira consolação.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó minha alma fraca e mesquinha, o Espírito Santo até agora não te preencheu de todas as divinas consolações, porque foi por ti pouco conhecido, menos honrado, e rara e friamente invocado.

Quando tristeza, abatimento, melancolia e toda espécie de dor oprimiam a minha alma, Vós ó Consolador Perfeito, esperavas de mim apenas um olhar, um suspiro, um lançar-se de filial confiança para derramar-me no seio de vossos divinos confortos. Perdoai minha ignorância e a falta de confiança com que Vos tenho tratado até agora. Neste momento, abro-Vos toda a minha alma, ó Divino Consolador, e Vos prometo que em todas as dores desta vida, recorrerei prontamente ao Vosso socorro, e não procurarei outro consolador senão Vós, ó Pai dos Pobres, Repouso no cansaço e Alívio no pranto.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

4º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

O Espírito Santo é o Doador dos dons

Sendo próprio do amor beneficiar e repartir dons, isso acontece principalmente com o Amor por excelência que é o Espírito Santo. E o faz para com as criaturas pobres e necessitadas que se confiam a tão grande Provedor, aquele que concede não só aquilo que lhe é pedido, mas dá em abundância diante de cada pedido e de cada desejo.

São seus verdadeiros devotos aqueles que d’Ele recebem um filial Temor que os afasta do pecado; que recebem uma fervorosa Piedade que os faz mais queridos a Deus e benevolentes com o próximo; uma Ciência que endereça os próprios juízos e faz com que vejam claramente as coisas de Deus; uma sobre-humana Fortaleza onde todo obstáculo seja superado; o celeste Conselho para distinguir os movimentos da graça e para eleger prudentemente os meios mais apropriados para a Salvação. Recebem enfim, um sobrenatural Intelecto que é sustento para a fé e luz para a vontade; e uma Sabedoria celeste, que os leva a conformar os pensamentos e vontades ao divino Beneplácito, colocando-os em perfeito acordo com Deus.

Como então, tendo um Benfeitor assim tão extenso de graças e de Dons, nós somos tão pobres? Pobre é o nosso espírito de celestes dons; paupérrimo é o nosso coração de virtudes; pobre e nua de méritos é nossa alma!… Mas de onde então surge a pobreza, enquanto estão abertos diante de nós os tesouros do Paráclito, e o Doador de todo bem que infinitamente nos ama? Sim, o Espírito Santo nos ama infinitamente, e concede os seus melhores dons àqueles que os desejam, a quem pede, a quem fielmente a eles correspondem.

Com uma mão no coração, ó cristão, reconheça a tua pobreza espiritual e diga como correspondestes às inspirações, às luzes, às graças do Paráclito. Desejastes ardentemente seus preciosos dons? Pedistes com fervorosa e constante oração? Afastastes teu coração das coisas da terra para te enriquecer dos tesouros do céu? Reflete e responda.

Momento para meditação pessoal

Oração

Confesso, ó Amante Supremo dos homens; confesso que a deplorável pobreza desta alma é pobreza consciente; eu mesmo me sujei, porque não só não apreciei, não desejei e não pedi com favores celestes, riquezas que Vós tão amorosamente derramais nas vossas criaturas, mas fiz pior ainda, eu que recebi tantas vezes da Vossa doce liberdade, tantos dons, inspirações e graças, não Vos correspondi, e como servo ingrato do Evangelho, enterrei os Vossos dons na lama mais negligente da minha preguiça, e na acídia da minha inércia. Ó meu Deus, quanto mal eu fiz à Vossa infinita bondade, e quanto mal eu fiz a mim mesmo.

Mas Vós sois o Amor, o Amor onipotente. Não queira castigar este servo infiel, mas aceitando meu arrependimento, o qual uno à promessa de corresponder para o futuro aos Vossos Dons. Curai, ó Bondade Infinita, os danos da minha infidelidade passada, e tornai a enriquecer-me benignamente dos Vossos Dons.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

5º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo e os Seus frutos

Chamamos Frutos do Espírito Santo aqueles preciosos efeitos que Ele produz nas almas, mediante a infusão dos Seus Dons, os quais, postos à disposição das almas, tornam-nas fecundas de atos sobrenaturais de virtudes, que são frutos de santidade e de vida eterna. A nossa natureza, viciada em Adão, é como uma árvore silvestre que dá frutos amargos e ingratos. O Espírito Santo realiza nestas árvores um saudável enxerto, que as faz de certo modo transformar a natureza, onde o suco vital, ou seja, a natural virtude operativa do homem, passando pelo novo enxerto, nele recebe as boas qualidades e dá frutos doces e salubres. E, falando propriamente, não é o homem que produz aqueles bons frutos, mas o Espírito Santo, princípio eternamente fecundo da vida sobrenatural.

Toda árvore, boa ou má, se conhece pelos frutos que produz; e cada ramo da árvore frutífera será por Deus podado a fim de que produza maior fruto (Cf. Jo 15, 3). Não basta, portanto, o enxerto para que uma árvore ruim produza bons frutos, é preciso que o empenhado agricultor faça a poda e que a cultive. E é aqui que acontece o miserável naufrágio da virtude de tantos cristãos que relutam diante do sofrimento. Gozam aqueles, de serem enxertados com o precioso broto da graça divina, mas não querem depois, que a mão providente do celeste Agricultor lhes pode, isto é, não querem despojar-se totalmente de seus afetos terrenos, não querem cortar generosamente suas paixões favoritas e mesmo que quisessem ser ramos frutíferos da árvore do paraíso, querem também reter em si os parasitas selvagens do antigo inimigo; isto é, afetos mundanos, amor próprio, orgulho, avareza e coisas semelhantes. Mas esses vergonhosos ramos, que mesmo diante do precioso enxerto permanecem selvagens e estéreis, no fim não serão rejeitados e lançados ao fogo?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito, se eu considero que também na minha alma realizas aquele enxerto salutar pelo qual esta mesma alma deveria produzir frutos de vida eterna, reflito na minha deplorável instabilidade, libero um amargo suspiro do meu coração… Onde estão aqueles frutos que eu, como ramo de uma árvore divina deveria produzir; aqueles frutos que deveriam estar maduros pelos ardores celestes do Espírito Santo? Quantos são? São perfeitos? Um outro amargo suspiro é a resposta! Mas de quem é a culpa desta vergonhosa esterilidade?

Senhor, eu me acuso diante dos Vossos pés: A culpa é minha, é toda minha! Eu não quis que pela Vossa Mão benéfica, fosse tirado de minha volta as ervas daninhas das paixões e dos vícios; e recusei o ferro saltar da mortificação cristã; a acídia se opôs em mim às santas obras; a frieza e a inconstância apagaram meu fervor; não correspondi fielmente às vossas graças, ó Divino Espírito. Sou semelhante a uma planta estéril e inútil, não estando apta senão a ser lançada ao fogo.

Meu Deus! Para o fogo do Inferno não quero ir. Lança-me mais ainda no Fogo do Vosso Amor, que purifica as almas e torna-as fecundas dos santos Frutos.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

6º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo é nosso Advogado

Os fracos, os órfãos, e os sem direitos, têm necessidade de um defensor, de um advogado, que tenha no coração os interesses deles e trabalhe para fazer-lhes o bem. Aos cristãos, não falta este Advogado. Foi o Amante Salvador que nos prometeu e nos deu; e é o seu mesmo Amor: O Espírito Santo. Mas quem poderá nos dizer todo bem que nos faz este divino Advogado; aquele Amor Eterno cujas obras, palavras e relações com as almas são todas amor?

E este Amor, como sabemos por meio de São Paulo, está especialmente conosco e vem em auxílio da nossa fraqueza quando rezamos. A nossa miséria é tão grande, que não sabemos rezar como convém; a nossa cegueira é tamanha que nem mesmo sabemos o que pedir. Mas é aqui que nos ajuda o Espírito Santo, que dentro de nós ora e suplica com gemidos inenarráveis; e porque Aquele que perscruta o nosso coração bem sabe aquilo que pedimos com tais gemidos inspirados pelo Espírito Santo, e nos dá a consoladora certeza de sermos ouvidos.

Portanto, Deus mesmo ora em mim! O Eterno Amor vem em nós suscitar santos gemidos e acende muitos afetos em nosso coração, dessa forma, nos ajuda a invocar a divina Misericórdia. O Espírito Santo reza em mim e eleva a minha alma às fontes da Vida Eterna para enriquecê-la de todo bem! O Espírito Santo ora em mim e me dá tanta eficácia nas minhas pobres forças, que preciso honrar e agradecer dignamente ao Altíssimo. O Espírito Santo ora em mim e os tesouros da graça divina se abrem diante de mim e a meu favor e também para todos aqueles por quem eu rezo.

O que pode ser negado para aquele cuja oração sobe ao céu unida aos gemidos inenarráveis do divino Amor? E mesmo se este fosse o único bem alcançado pela devoção ao Espírito Santo, já seríamos felizes o bastante.

O Espírito Santo rezará também naqueles que o esqueceram?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Advogado das almas, que sois todo Amor, sempre Amor, perfeito Amor, eu exulto e me alegro em saber que sois assim tão bom e que Vos dignastes morar dentro de nós, orar em nós e enviar ao Coração do Pai Celeste aqueles preciosos e inefáveis gemidos, que O movem a nos conceder toda graça. Como me arrependo agora, ó Espírito Santo, por ter Vos conhecido tão pouco e apreciado tão limitadamente Vosso infinito poder de intercessão e de oração dentro de mim!

Se a minha oração foi até agora distraída e ineficaz, isto aconteceu porque eu não pensava em Ti, meu divino Advogado, porque seguindo a confusão destes nossos tempos, eu não procurei a instrução religiosa e não cultivei a devoção para Convosco, meu Mestre, Consolador e Santificador da minha alma. Mas, a partir de agora, não será mais assim. Peço-Vos perdão, ó Espírito Santo, e prometo não Vos esquecer mais e Vos proclamar para os outros com as verdades católicas, que são luz para a mente e alegria para o coração.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

7º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

Oh, Divino Paráclito! És o Santificador das almas

Se o Criador não quisesse elevar a alma humana à vida sobrenatural, renovando a sua imagem e soprando sobre ela o Hálito Divino, estaríamos perdidos. Quando Deus se comunica com a criatura, soprando sobre ela, dá-lhe sempre espírito, vida, graça, amor, melhor dizendo, dá-lhe a Si mesmo. Uma criatura que possui o Espírito de Deus, certamente não pode viver apenas segundo as razões da natureza terrena, que quase sempre se opõem à graça divina que deseja nos elevar à participação da natureza divina.

Mas quem dará a uma criatura da terra, ajuda e força para viver segundo a sublime vocação de um ser divinizado? Este milagre é obra do Divino Espírito Santo, que é o Santificador das almas; o qual com força e suavidade conduz as almas ao santo viver, a que nós chamamos vida sobrenatural, que consiste não só em observar os mandamentos da lei de Deus, mas em dirigir a Ele sempre, todo o nosso ser, nosso querer, nosso fazer e sofrer, vivendo assim, unicamente para Ele.

O nome do Santificador das almas é dado ao Espírito Santo na Divina Escritura, para indicar que Ele é princípio e fonte de toda santidade, dEle vem as graças, as luzes, os confortos, e ajuda para nossa santificação. É de fato Ele que ilumina o pecador no seu estado de perigo, acorda-o do sono da morte, inspira-o no desejo de voltar para Deus, ajuda-o a curar o próprio coração daquele tríplice germe do mal, que consiste no orgulho, na sensualidade e na avareza. É Ele quem o faz olhar a doçura da virtude, a felicidade da paz e as consolações do divino amor. Reforma nosso interior, reprime cativas inspirações, mostrando a preciosidade dos sofrimentos e o prêmio das boas obras; Ele completa em nós a obra admirável de Deus, comunicando virtudes santificadoras as nossas ações.

Na verdade, o Divino Espírito, cumpre para conosco aquela promessa da Sagrada Escritura: Vos darei um coração novo e um espírito novo. Vos tirarei da vossa sepultura, (isto é, do mortífero estado da culpa), vos darei o meu Espírito e viverei. Eu disse, eu farei (Ez 37). Que mais poderia prometer o Senhor de tão consolador?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó meu Deus, considerando todas as obras do Vosso Amor, me dou conta que sempre são mais admiráveis do que todos os prodígios. O homem criado por Vós, vem elevado a um estado de excelência quase divina e pouco menor do que os anjos. Ó Deus, o homem pecou, perdeu o Espírito Santo, e se fez escravo de Lúcifer. Mas Vossa mão veio sobre o homem caído e o levantou do antigo terror. Para levantar o homem, o Divino Verbo se abaixou, até vestir a nossa natureza. Fostes ao patíbulo, e roubastes e satanás o poderio sobre os homens, que foram resgatados pelo sangue de Deus, feitos homens novos pelo Espírito Santo, que os enriquece de dons e graças, santifica-os abraça-os… Meu Deus!

E saber que esta maravilha de amor realizastes por nós e em nós, também por mim e em mim. Como farei para amar-Vos e não pensar senão em Vós, Ó Espírito Santo de Amor. Perdoai a mim, perdoai a todos os cristãos pela ingratidão de Vos termos esquecido e de agora em diante, Ó Divino Espírito, nos unirmos para glorificar-Vos e honrar-Vos, não como mereceis, porque é impossível, mas da melhor maneira que pudermos fazer.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

8º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

Nosso deveres para com o Espírito Santo

O Espírito Santo, como Deus, possui também todo o direito de adoração, submissão e amor, assim como devemos render ao Pai e ao Filho. Como Ele em participar, é o Santificador de nossas almas, e que em nós reside substancialmente, a Ele devemos o obséquio de uma humilde e confiante oração, para lhe pedir força, para vencer as tentações, luz para conhecer melhor os nossos deveres e a graça para santificar todas as nossas ações, a fim de que sejam agradáveis a Ele. Além do mais, devemos-lhe docilidade às suas inspirações e reconhecimento pelos seus incessantes benefícios.

Mas, como o Espírito Santo é Amor, e o Amor deve ser amado, entre todos esses deveres, o que deve reinar é a primazia do Amor. E porque nós, miseráveis criaturas, não poderemos jamais amar adequadamente o Amor Infinito, amemos ao menos como podemos, e procuremos que Ele seja também mais conhecido e mais amado pelos outros.

Mas como cumpriremos os nossos deveres para com o Espírito Santo, se rara e friamente nos recordamos dEle? O esquecimento é adoração? O esquecimento é gratidão? É amor? Não, ao contrário: é ingratidão, desamor e desprezo.

Para nós, que conscientemente vivemos no sobrenatural, existiria maior vergonha que viver toda a jornada como se o Espírito Santo não existisse, como se Ele não habitasse pessoalmente dentro de nós? Portanto, ó cristão, se quiseres cumprir todos os seus deveres para com o Espírito Santo comece a tê-Lo presente no seu pensamento, recorde várias vezes o Seu amor, os Seus benefícios, e entre todas as suas devoções não falte, ou melhor, abundem obséquios e orações em Sua honra.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito Santo, como eu me enganava pensando que fosse somente com os meus pecados que te contristaria! Agora sei que te contristei mais ainda quando te esqueci. Mas Quem é também o mais esquecido entre os fiéis? E se nem mesmo O recordamos ó Eterno Amor, como poderemos cumprir nossos deveres para Convosco?

Devemos gemer sobre a nossa ingratidão e pedi perdão. E ao Te perdirmos perdão, ó Espírito Santo, devemos acrescentar a promessa de honrar-Vos no futuro com atos de especial adoração e de verdadeiro reconhecimento. Sois autor e doador da graça, Santificador e Doce Hóspede da alma, por tudo isto com total devoção devemos voltar para Vós todos os nossos pensamentos.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

9º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

Os benefícios do Espírito Santo

Sem dúvida, os benefícios revelam o Benfeitor, e quanto mais excelentes e múltiplos são os benefícios, tanto indicam ser mais excelente e mais amoroso o Benfeitor. Nós nunca poderemos chegar a conhecer todos os benefícios que recebemos do Espírito Santo. A Igreja, por outro lado, com os nomes que O concede, nos mostra grande parte de suas graças: Chamando-O de Luz dos Corações, a Igreja nos revela a bela graça que Ele, o Espírito Santo, compartilha conosco através das explicações Divinas. Chamando-O de Fogo, nos recorda como por meio dEle vem ao nosso coração as chamas do Divino Amor. Como Doce Hóspede da alma, nos assegura a sua presença em nós. E ainda como Pai dos Pobres, Dispensador de Dons, Fonte Viva, Consolador Perfeito nos acrescenta múltiplos benefícios que recebemos incessantemente por Ele!

Pelas simbólicas formas que quis assumir para dirigir-se aos mortais, se conhece como melhor via, os benefícios do Paráclito.

No Batismo do Salvador, o Espírito Santo assume a forma de uma cândida Pomba. No Mistério da Transfiguração de Nosso Senhor, S. Ambrósio, S. Tomás e outros, reconhecem o Espírito Santo na fúlgida nuvem que aparece sobre o Tabor, simbolizando a amorosa proteção do Paráclito sobre nós, e ao mesmo tempo o princípio daquela sobrenatural fecundidade, que o próprio Espírito Santo infunde nas almas. Quando depois, aparece no Cenáculo como Celeste Fogo, distribui muitos dos seus benefícios, e principalmente aquele de esclarecer e de inflamar as almas de santos ardores; de comunicá-las a admirável atitude de fazer o bem e de conduzi-las a agir, não mais humanamente e segundo a natureza, mas divinamente e segundo a graça. E como o fogo converte em fogo aquilo que nele é imerso, assim o Divino Fogo do Espírito Santo se não pode fazer-nos divinos por natureza, torna-nos pela graça.

Admira, ó alma fiel, estas maravilhas de amor, e diz se não serão para ti grandes vantagens. Como devotos do Espírito Santo, seguramente possuiremos seus benefícios.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito, entre todos os Vossos dons, existe um infinitamente mais precioso que os outros; Dom que não tem nome particular, porque sois Vós mesmo que verdadeiramente Vos doais às almas justas. Mas porque eu disse que Aquele Dom não tem nome? É claro que tem, dado por Vós, que o chamou Dom Altíssimo de Deus, e não existe outro nome que melhor O convenha. O que farão as nossas almas no fim desta Novena, ó Espírito Santo? Pediremos o Dom do Altíssimo Deus, Vós mesmo! E para obtê-Lo, deixaremos lugar no nosso coração, tirando todo afeto que não Vos agrada. E vós, Eterno Amor, o que fareis? Ah, fazei tudo o que fizeste no Cenáculo!

Vem! Vem! Vem! Visitai as mentes dos Vossos servos e enchei os corações de abundantes graças. Vem! E com as Vossas chamas, erradicai de nós o velho Adão. Vem! E se apossando das potências da minha alma e dos meus sentidos, regulai e dirigi todos os meus atos para Vós. Estendei todos os Vossos benefícios a todos os crentes, e assim obteremos mais rapidamente a renovação da face da Terra.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Veni Creator Spiritus!   Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

Fonte:  www.elenaguerra.org

Novena do Santo Natal

0

 Por que está Novena?

Pentecostes não aconteceu de uma hora para outra! O Espírito Santo, antes de ser dado aos apóstolos no início da história da Igreja Nascente, visitou a humilde Virgem de Nazaré.

Não há cultura de Pentecostes se não entendermos o Mistério da Encarnação Daquele que nos dá abundantemente o Espírito. Na verdade, Pentecostes acontece já na visitação do Anjo Gabriel a Maria. Se, para nós, tem imensa importância a Novena de Pentecostes, também deve haver não menos importância a Novena de Natal. Certo?

Algumas pessoas já me haviam pedido a Novena de Natal composta pela Beata Elena Guerra. Ei-la aqui. Em uma passagem rápida por Péscia (Cidade da Toscana, que esta a 17 km de Lucca, onde Elena Guerra ia levar os livros para edição), tive a oportunidade de traduzir em uma jornada esta novena. Busquei o máximo de fidelidade. Verão os leitores que a Apóstola do Espirito Santo se detém sempre em trés momentos em Suas meditações para os nove dias: Consideração (em que introduz o tema do dia), Reflexão (em que desenvolve, teologicamente) e a Oração (que nos leva a entrar no Mistério proposto). Cita varias passagens bíblicas, porém sem fazer referência direta. Respeitei a sua metodologia.

Peço ao Divino Espirito, paixão da Vida de Elena, que esta Novena para o Santo Natal seja acolhida por um maior número de fiéis possível em nossas comunidades, a fim de que o mesmo Espírito que desceu sobre a Virgem na Encarnação, em seu primeiro Pentecostes, repita, pelo Mistério da Encarnação do Verbo, em cada um de nos a força da graça Natalina.

Celebre, divulgue.

Digamos juntos: “Veni, Sancte Spiritus, Veniper Maria”.

   Vosso pequeno servo e filho menor de Elena,
                                             Pe. Dudu                                                                     Péscia, junho de 2015

 

Orações Iniciais

+Em nome: do Pai, e do Filho e do Espirito Santo,  Amém! 

Vinde, Espirito Santo, e enchei os corações dos Vossos fiéis. E acendei neles o fogo do Vosso Amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado. E renovareis a face da terra. Oremos:
0 Deus, que instruístes os corações dos vossos Fiéis com a Luz do Espírito Santo. Fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito, e gozemos sempre da Sua consolação. Por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oremos: Prepara, Senhor, os nossos corações para a chegada do Teu Unigênito, para que, purificadas as nossas mentes pelo Seu Advento, possamos  melhor Vos servir. Ele que Convosco Viva e Reina por todos os séculos dos séculos. Amém!


Oração Preparatória 

Ò verbo, Adorável Jesus, vieste do Céu á Terra, e tomaste nossa natureza enferma, Vos fizeste homem para oferecer ao Pai abundante oblação por nós, dando-nos todos os direitos de filhos de Deus. Nos Te adoramos, Te agradecemos, suplicando-Vos de derramar em nossas mentes divinas luzes que nos façam conhecer melhor a Vossa infinita caridade, e no  coração tantas graças para corresponder-Vos dignamente.

Ò Amantíssimo Salvador nosso, vedes que  agora a maioria dos homens vive sem Vos amar. Faz, Senhor, que Vos conheçam e Vos amem todos. Ajuda-nos a fazer esta santa Novena com abundantes e permanentes frutos para nossas almas. Amém.

Meditação (cada dia)

 1° Dia 

DEUS ENCARNADO

 

  1. Consideremos o Deus de Poder e Gloria o Eterno Unigênito, consubstancial ao Pai, por meio do qual todas as coisas foram criadas, e por nos, homens, e para a nossa salvação, desceu do Céu, e se encarna em uma Virgem e se fez Homem mortal por nós. Para poder dignamente admirar esta incompreensível humilhação de Deus, necessitaríamos compreender a Sua infinita grandeza e Majestade. Se um glorioso monarca se abaixasse até tomar-se um humilde escravo, nos pareceria grande coisa. Mas é incompreensivelmente maior a humilhação do Deus Criador que se humilha até a condição de criatura.

    2. Reflitamos que somente um imenso amor pelo homem poderia levar o Altíssimo a esta incompromissível humilhação da Encarnação. Sim! Poi o Espirito Santo quem buscou o Verbo Eterno no Seio do Pai, e o trouxe sabre Terra, circundou da nossa miséria, fazendo-o prisioneiro do nosso corpo, no seio de uma Virgem, de onde saiu para fazer Sua primeira aparição numa manjadoura, e Sua ultima no patíbulo da Cruz. Ò Amor, ó Amor, que tanto viveste no coração de Deus, por que permaneceste estéril no meu coração até agora?

    Buscamos e retribuímos amor ás criaturas humanas; e Deus, que veio á Terra  Se fez vitima por nós, encontrará correspondência do nosso amor?  

Oração  

Adoremos e agradeçamos, com todos os santos do Céu  com todos os justos da terra, ao Divino Verbo Humanado, suplicando-Lhe que nos conceda a graça e a força de nos despojarmos dos vícios e das paixões, e revestir-nos das preciosas Virtudes, das quais veio Ele nos dar exemplo.

Sim, Misericordioso Senhor, que por infinita bondade desceste do Céu á Terra, tenha piedade das nossas misérias espirituais; ajuda-nos a despojarmos do velho homem e de revestir-nos do novo, isto é, de Suas virtudes, especialmente a humildade, e assim, desde o primeiro dia desta Novena, começaremos a preparar os caminhos para que venha espiritualmente nascer em nosso coração.Isso Vos pedimos, Nosso Salvador, com firme confiança. Amém.

 

2° Dia

        Um Deus na Manjedoura

 


1. Consideremos o estado de Maria e de José, sabendo do iminente nascimento do Salvador, buscando nas ruas de Belém um lugar e sendo-Lhes negado. Eis a primeira acolhida que recebe neste mundo o Salvador! Veio para os que eram Seus, e eles  não o receberam. Ninguém o quer em sua própria casa, ninguém o abre a porta. Todos o rejeitam… E Maria 6 José, desprezados e rejeitados pelos Seus parentes, foram obrigados a buscar a manjedoura. Este desprezo, esta rejeição que sofre o Salvador, até o nascimento, outra coisa não é que a antecipação dos mais humilhantes desprezos, das mais amargas rejeição que Ele deverá suportar, não somente daqueles que não o conhecerão, mas também dos seus caros, isto é, os cristãos; que,infelizmente, tantas vezes O rejeitam para escolherem o inimigo mortal, o pecado.

2. Reflitamos aquelas palavras com as quais o Santo Evangelho acena que José 6 Maria não encontraram lugar em Belém: “Não havia lugar para eles”. E isto nos ensina que nos corações disperses, agitados, sem recolhimento de oração e silêncio, abertos aos vãos sentimentos e aos tumultos das paixões, não existe lugar para Jesus. Estes corações são semelhantes a casas onde não existem ordem e paz. Jesus não quer saber destas casas. Prefere a horrível solidão de uma manjedoura. Observe, Cristão, o teu coração, e veja a que ele se assemelha. Chore! Veja se no teu coração há ou não lugar para Jesus!

Meditação individual ou em grupo.

 

Oração

Adoremos e agradeçamos com todos os santos do Céu e com todos os justos da Terra o Celeste Peregrino, o Deus desprezado pelos homens, que se instala em uma mesquinha e solitária habitação de animais, e peçamos que tire dos nossos corações nossa dispersão e o espírito mundano que suscita paixões desenfreadas. Que felicidade, Meu Deus, este meu pobre coração pode ser uma morada Vossa! Quantas vezes disseste ao meu coração: “Filha, abre a porta do teu coração”. E eu não correspondendo ao Vosso Amor, disse nãol ter lugar. Perdão  Amado Salvador. Perdão por tanta ingratidão. Recordai daquele zelo com o qual expulsaste os vendilhões do Templo de Jerusalém, e venha, ó Salvador, a expulsar também do meu coração, que é Templo Vosso, e dignai-Vos estabelecer em mim Vossa Morada para sempre.

Orações finais

Oração final para todos os dias

 

3° Dia

Um Deus  nas Trevas


l. Consideremos como Deus, que é a Verdadeira Luz que ilumina todo homem que vem ao mundo, desceu para resplandecer as nossas trevas. E para melhor entendermos este Mistério de Amor, quis nascer numa noite escura, anunciado pelos pastores. Mudou para eles a noite em dia! Eles entenderam que finalmente havia nascido o tão esperado Messias. Mas o Santo Evangelho nos ensina que o mundo não conheceu Jesus e que as trevas que envolvem os mundanos não reconheceram a Luz que Deus mandou do Céu. E assim, como o cego não vê o raio do sol, assim a Luz Eterna, que é Deus, não é vista, não é conhecida, não é desejada dos cegos que, negligenciando a Doutrina Cristã, a Palavra de Deus, e a oração, vivem nas trevas da culpa e ignorância.

2. Reflitamos que aqueles que não conhecem Jesus e os cegos que não admitem a Luz que Dele emana não apenas os mundanos, mas infelizmente aqueles que se dizem fiéis é Lei de Deus e da piedade. São  miseráveis. Estão na ilusão. Acham que estão na virtude. Estão, porém, nas trevas do engano e não conhecem Jesus. E quem são esses? São  que se contentam com as práticas externas da religião e negligenciam o que mais interessa: a pureza de coração. Estes miseráveis rezam, mas sem disposição. Confessam-se, mas não se emendam. Comungam, mas não permanecem unidos a Deus, e assim permanecem anos sem avançar um passo em direção às virtudes. Para estes, não há outro remédio que remover os obstáculos que impedem a Luz Divina de chegar aos seus corações, falta de oração e sacrifício.

Meditação individual ou em grupo


Oração


Adoremos e agradeçamos com todos os santos do Céu e todos os justos da terra por Jesus, verdadeira Luz vinda do Céu para iluminar os filhos de  Adão. Oremos para que retire do nosso coração toda treva de erro e ignorância, as trevas das paixões e dos vícios, a fim de que nenhum obstáculo impeça a Sua Luz Divina de resplandecer em nós e fazer-nos filhos da Luz. O Adorado Jesus, retira do nosso coração todo obstáculo de terreno afeto, toda sombra de erro e de vaidade. Pela vossa Encarnação, dignai-Vos purificar-nos de todo ato mundano e reacender em nós aquele Fogo que vieste em virtude, e chegaremos a contemplar-Vos sem Véu, ó Deus dos Santos, por toda Eternidade na Celeste  Sião. Amém.

Orações finais

Oração final para todos os dias

 

 

4° Dia

O Imenso se fez criança



l. Consideremos como o  Divino Unigênito, que é a Sabedoria incriada, para curar as doentes tendências que possui o homem pecador; sobretudo, a de querer ser o primeiro e o maior, quis se humilhar até o último grau, dignando-se de viver sobre esta terra, entre as Suas criaturas, como pequena e fraca criança que nada podia e precisava de tudo. O  primeiro homem criado por Ele não ficou  sujeito à infância, mas foi criado na perfeição da idade. A humilhação de tais fraquezas, com todas as penas que a acompanham, Ele quis trazer sobre si. Eis o Segundo Adão! Ele vem  restaurar o primeiro, aparecendo neste mundo coma uma pequena e frágil criança, enquanto esconde em Si todo Seu Poder, toda a grandeza e Excelência de Sua Divindade.

Ó  Prodígio de Humilhação! Ó suma confissão para nossa Soberba!


2. Reflitamos que as grandes coisas se fazem por motivos e fins grandes: A humilhação A do Onipotente à condição de frágil criança não é só grande, mas incompreensível.incompreensivelmente grande, portanto, deve ser o motivo e o fim. O motivo  pelo qual o Altíssimo se humilhou foi para curar nossa soberba; e porque da soberba deriva todo pecado, assim o Divino Cordeiro que vem tirar o pecado do mundo começa a obra da Redenção, através deste excesso de‘ humildade. O fim  para o qua! tanto se humilhou o Verbo Eterno, além da glória do Pai, foi a exaltação e a glorificação  do homem ! Se Deus se fez pequeno, foi para o homem tornar-se verdadeiramente grande. Se Deus se tornou fraco, foi para que o homem se tomasse forte. Ele Se despiu de Sua grandeza e Fortaleza para revestir-nos. Ó incompreensível Excesso de Caridade!

Meditação individual ou em grupo.

Oração

Adoremos e glorifiquemos com todos os santos do Céu e com todos os justos da Terra a Temura do Onipotente Menino, Senhor de todas as coisas, e supliquemos humildemente  que não  percamos os frutos desta inefável humilhação graça de tornar-me forte nas Virtudes. Dignai-Vos imprimir em minha mente os exemplos de Vossa Santa humildade para imitar-Vos. Se fui soberbo, com grande razão, quero agora humilhar-me. Que minha humildade não seja somente em palavras .Bom Jesus, vede minha fraqueza e inconstância e ajuda-me!

Orações finais

-Oração final para todos os dias

5 Dia

Um Deus que Se faz pobre



l. Consideremos a que extrema pobreza se , sujeita, por amor a nós, o Rei dos Céus. Ele vê que o coração do homem é sempre inclinado para as ‘ coisas terrenas, colocando nela seus afetos. E Ele, sem casa, aparece numa manjedoura, sem fogo para se aquecer, e aceita o calor dos animais. E é o Onipotente! E Aquele que fez todas as coisas, é o Senhor. E Aquele que providencia as necessidades de todas as criaturas. Dá alimento a todo ser vivente e enche, sobre todo ser animado, da Sua bênção.

2. Reflitamos, com a finalidade de nosso amadíssimo Redentor, de assumir a pobreza; foi para curar-nos de todo apego aos bens terrenos e para expiar, Ele mesmo, aquelas culpas, que pelos apegos nós tínhamos cometido. Para preservarmos, no futuro, da excessiva importância que poderíamos dar aos bens terrenos, Ele quis, em Si mesmo, o exemplo de perfeito despojamento na manjedoura. Corrige-nos docilmente em nossos afetos desordenados nossos desejos desenfreados. A pobreza e a mortificação do Menino Jesus é uma  grande lição para os cristãos do nosso tempo, que parecem viver somente para acumular dinheiro ou buscar pessoas, a comodidade e o prazer. Que o exemplo do Deus feito homem nos desperte e nos inspire Vergonha e arrependimento dos nossos desordenados apegos aos bens da terra.

Meditação individual ou em grupo.

 

Oração

Adoremos e glorifiquemos ao Rei dos Céus na pobreza em que se reduziu por amor a nós, e pelos sofrimentos que se sujeitou suplicando de desapegar-nos, de todo coração, dos velhos afetos terrenos e das comodidades da Vida. Ó Deus do Eterna Majestade, me envergonho de ter pouco espírito de mortificação e amor pelas riquezas. Com exemplo do Deus que Se fez pobre para mim, quero desapegar-me de todas as vaidades terrenas. Meu Jesus, peço-Vos perdão dos meus pecados contra a pobreza e a mortificação e de ter evitado as dificuldades e as humilhações. Suplico-vos derramar  em mim o Vosso Espírito, dando-me um generoso  espírito de mortificação, sem o qual, meu Jesus, é impossível imitar Vosso Exemplo e seguir. Caminho para o Cèu.

 

Orações finais

-Oração final para todos os dias

6 Dia

  1. Um Deus “enfaixado”

 

I. Consideremos um dos mais comoventes Mistérios da infância de Jesus. O Deus que criou a universo do nada, que colocou os limites no mar, que deu vida aos astros celestes, que fez as rotas dos ventos; Aquele Deus, cuja sabedoria e poder não conhecem limite, nos aparece criança, e envolvido por faixas! Como o Senhor se abaixa se colocando  na fraqueza e nos incômodos da infância! Podendo mover-se  livremente, se encontra “preso” naquelas faixas como as outras crianças, filhos das criaturas mortais. Quanta custa este sacrifício a Jesus enquanta possui a plenitude do conhecimento humano perfeito. Um homem adulto poderia aceitar as fraquezas da infância? Poderia deixar-se matar como uma criança Poderia deixar-se enfaixar? Isto fez o Nosso Deus feito Homem. E o fez par amor a nós!

2. Reflitamos que, enquanto as faixas envolvem o corpo do Deus Menino, vínculos muito unis forms, ism é. aqueles da Sua infinita caridade, lhe apontam o coração e o conduzem àquele  excesso de humildade que nós, com ternura, admiramos. Ora, se o nosso amor mesquinho, de indignas criaturas, teve tanta força sobre o Coração de Deus, a ponto dc atrai-lo, imaginemos quanto amor de um Deus Perfeitíssimo e Amantíssimo lhe atraiu a Encarnação, a Paixão e a Eucaristia?  E nós, que fazemos para demonstrar o nosso amor e a nossa’ gratidão a um Deus que aceita, por nossa causa, até ser “enfaixado”? Até o boi conhece o seu done; q o burro seu patrão. E nos, reconhecemos Jesus?

Meditação individual ou em grupo.

 

Oração

Adoremos e agradeçamos com todos os santos do Céu e com todos os justos da terra o Onipotente Criador do Universo, preso por amor  a nós naquelas faixas; admiremos a excessiva dignidade do Seu Amor, prostremo-nos aos Seus pés e digamos: Senhor, beijo com reverência estas faixas que envolvem Seu Santo Corpo infantil, e que são símbolos daquele grande Amor que liga o Vosso Coração aos nossos miseráveis corações pecadores.
Contemplando-vos  enfaixado por  amor a mim, detesto todos os meus  atos desobedientes. Dá-me Aquele Amor  que Vos permite permanecer envolvido pelas faixas e que  até adulto Vos conduziu a paixão. Que este mesmo amor ligue a minha rebelde vontade ao santo vincule da obediência amar esta virtude até a morte.

-Orações finais

-Oração  final para todos os dias

7° Dia

Um Deus que chora 


l. Consideremos como Aquele que dá a alegria eterna aos santos nos Céus, Aquele que é o Deus de todas as consolações, agora feito criança, quer fazer parte de todas as nossas misérias e derramar lágrimas de dor e armor. Mas como é diferente o choro de Jesus das outras crianças! Jesus não chora somente por instinto; mas Senhor de todos os Seus afetos, Jesus chora e sabe todos os Seus motivos. E quantos são os  motivos das lágrimas de Jesus! Os pecados e suas consequências; a dureza e o desconhecimento diante Dele, que tanto nos ama. Quanto fez o Bom Jesus para encontrar o caminho do nosso coração. Quantas vezes pediu para entrar e ainda o encontra fechado e chora amargamente! Ó minh’alma, recorda que fizeste Deus chorar! O fizeste chorar tantas vezes! O fizeste chorar amargamente!

2. Reflitamos diante do Senhor como são preciosas as suas lágrimas. Elas aplacam o desprezo do Pai, provocado pelas nossas iniquidades. Valem para lavar a sujeira de nossos pecados, cancelar a condenação mortal que merecíamos e implorar numerosas graças. Que poder  estas divinas lágrimas mas possuem sobre o Coração do Pai Celeste! Mas, sobre o nosso coração, que poder tiveram até agora? Será que Jesus  chora inutilmente por nós? Quando Ele  verá as nossas lágrimas unidas as Suas, chorando de coração as nossas culpas, e a perdição de tantas almas pecadoras? Estas almas cristãs são as verdadeiras razões do choro do Senhor, e não  as pequenas contradições que tu sofres, tuas humilhações e outros pequenos sofrimentos que mortificam teu amor próprio. Como são vergonhosas estas lágrimas diante de um Deus que nasceu na manjedoura e morreu no patíbulo da Cruz!

Meditação individual ou em grupo.

Oração

Adoremos e agradeçamos na Manjedoura de Belém o Menino Deus que chora por nós, enquanto espera com vivíssimo amor poder derramar por nós também todo o Seu Sangue.

Ó Piedosíssimo Jesus Salvador, que para nos dar a vida eterna não poupaste nem lágrimas, nem sangue, eu com o coração ardente Vos apresento também as durezas do meu  coração. Que Vossas lágrimas o converta, enquanto, pela expiação dos meus pecados, Vos ofereço as minhas lágrimas, suplicando-Vos acender no meu coração a chama do Amor que me faça chorar por toda a Vida as ofensas que Vos fiz, e me faça aceitar todas as tribulações que me permitires para um Bem Maior.

Orações finais

-Oração final para todos os dias

8° Dia


Um Deus na Manjedoura

 

1.Consideremos corno na desconfortável gruta de Belém, não havendo onde colocar o Menino Jesus, José teve que prepara-Lhe uma velha manjedoura que ali se encontrava, e  Maria, admirando o excesso do humilhação no qual vinha ao mundo o Filho de Deus e Seu, suavemente ali O colocou. Ah… aqui o doce Mistério da Eucaristia, já prefigurada no sacrifício de Melquisedec e no Maná do Deserto. Deveria ser mais claramente indicado na primeira aparição do Salvador sobre a Terra, que, porém, quis ser colocado na Manjedoura e encontrado pelos Pastores. Consideremos, ainda mais, que nas manjedouras estão os alimentos dos animais. E nós, pecadores, semelhantes aos animais, estamos sempre com Deus, que escolheu a humilhação da Manjedoura, para depois estar no nosso coração através da Eucaristia.

2. Reflitamos como o misericordioso Salvador, vendo nossas almas áridas e estéreis como terra sem égua, quis nos dar um alimento: Pão de salvação, de fecundidade e de Vida, que Se mostrou na Manjedoura e Se deu a nós no Cenáculo. E este alimento é a Adorável Carne do Deus feito Homem e escondido sob as aparências do pão. De fato, Aquele Menino, deitado na Manjedoura, em  quem reside toda Divindade, Aquele Menino que Se fez homem, será esmagado sobre o terrível peso de nossas dores. Fará de Sua Imaculada Carne o Trigo dos Eleitos, o Alimento daqueles que o temem. E nós, cristãos, somos convidados a mesa do Amor, onde nos nutrimos do Pão da Vida, que é o Salvador Vivo, Verdadeiro e Amante, como estava na Manjedoura de Belém!

Meditação individual ou em grupo.

Oração

Adoremos, agradeçamos com fé viva o Nosso Deus, por este excesso de Amor que se fez Alimento. Que coisa admirável! O pobre e o servo se nutrem do Seu Senhor. Do Senhor que nos convida a tê-Lo como alimento, que nasce em Belém, isto é, na Casa do Pão, e quis ser colocado na Manjedoura! Já que quiseste ser nosso Alimento, permita-me, Senhor, Amante Divino, que venha em vossa Manjedoura, que vos abrace e que vos coloque no men coração pedindo uma graça. Sabei o que desejo, Doce Jesus? Que o Mistério da Eucaristia, já prefigurado na Manjedoura, seja mais conhecido, bem mais admirado, mais amado pelos Vossos fiéis. Faça que o Tabernáculo Eucarístico seja a nossa Belém, o nosso Presépio, e que nos apressemos a Ele com a fé dos Pastores e dos Magos, com o amor de Maria e José; e em cada Visita ao Santíssimo, e em cada comunhão, cresça em nós  a fé, a esperança  e o Amor  e se faça sempre mais forte a nossa União Convosco. Amém.

Orações fina

Oração final para todos os dias

 

 

9° Dia

Um Deus na Terra



l. Consideremos como o nosso Amadissimo Senhor, vendo exilada a família humana por causa dos pecados, e desejando reabrir as portas daquela santa mansão, se dignou descer sobre esta mísera terra, fazendo-Se um de nós, vivendo conosco como irmão e amigo. E como se isso fosse pouco, quis levar sobre Si nossos pecados, expiando-os e enriquecendo-nos de Seus Méritos, e apresentando-nos ao Pai, dizendo: Pai, eis aqui o homem! Aquele homem que criaste em justiça e clem santidade, e que o pecado precipitou no abismo. Aquele que o Senhor conversava amigavelmente no Eden, e que depois, rebelando-se, se fez escravo de Lúcifer. Aquele homem que Eu vim salvar, e pelo qual aceitei os tormentos, a morte e a cruz. Agora, Pai, o entrego nas Vossa Mãos  feito belo pela Minha Beleza, santo pela minha Santidade e digno de ser chamado Teu Filho. Eis aqui, ó cristãos, o que veio
fazer sobre a Terra o Filho de Deus!

2. Refiitamos e não nos cansemos jamais de refletir que Deus veio à Terra para que o homem pudesse ir ao Céu. Que nos adiantaria ter nascido não fossemos salvos? Estávamos exilados do Céu mas agora, graças á  vinda do Verbo sobre a Terra graças aos seus sofrimentos e a Sua morte, podemos dizer que o Céu é nosso! Sim! O Céu é nosso porque Jesus Cristo o conquistou para nós. O Céu é nosso porque o Salvador quis ceder a nós os  Seus direitos do Paraíso. O Céu é nosso  porque Jesus desceu sobre a Terra para destruir o pecado, único obstáculo que nos impede do ir ao  Céu. E se detestamos e  fugimos do pecado, o Céu será  nosso, seguramente. Poderá haver sobre a terra  uma pessoa iniqua e ignorante que preferirá o pecado ao Céu? E se poderia fazer maior insulto a um Deus que veio justamente na terra para destruir o pecado, justificar o pecador c conduzi-lo ao Paraíso?

Meditação individual ou em grupo.

Oração

Com alegria de almas Libertas e salvas, adoremos e agradeçamos o Nosso Jesus, que veio à  Terra para acender em nós o vivo desejo do Céu. Compaixão e Amor na gruta de Belém! Amor e Reconhecimento nos conduza nesta mesma gruta para Adorá-Lo como Deus e agradecê-Lo como Salvador, amá-Lo como nosso Irmão. Sim, amabillissimo Menino, eu venho reconhecer e adorar Vossa Divina Majestade escondida sob o véu de  Vossa Divina Infância. Beijo reverente os Vossos tenros pezinhos e coloco Vossas mãozinhas no meu coração, prometendo-Vos de não querer mais nada com o pecado, mesmo que tenha que pagar um alto preço por este propósito. Meu Jesus, quero estar em paz Contigo. Quero amizade Contigo! União Eterna Contigo! Para efetuar esta união vieste à Terra. Eu não quero que sejam inúteis os excesses do Vosso Amer. O Amorosíssimo Deus, descido à Terra por mim, conduzi-me Contigo ao Céu. Amém.

Orações finais

Oração final para todos os dias


-Orações Finais

Pai Nosso


Pai Nosso que estais nos Céus, Santificado seja a Vosso Nome, venha a nós  Reino, seja feita a Vossa Vontade, assim na Terra como  no  Céu. O pão  nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. E não nos deixeis’ cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém!

Ave Maria

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é Convosco. Bendita sois Vós  entre as mulheres e Bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém!

Magnificat

A minha alma engrandece ao Senhor e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador, pois Ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão  de chamar-me de bendita.
O Poderoso fez por mim maravilhas e Santo é o Seu nome! Seu amor, de geração em geração, chega a todos que o respeitam; demonstrou o poder do Seu braço, dispersou os orgulhosos; derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou; de bens saciou os famintos, e despediu, sem nada, os ricos. Acolheu Israel, Seu servidor, fiel ao Seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abrão e dc seus filhos, para sempre.

(Lc 1, 46-65)

Oração Final para todos os dias

Santo Espírito de Deus, vinde sobre  mim neste Santa Natal, sobre minha casa e sobre todos nós. Que a Vossa Luz Divina nos ilumine, retirando de nós toda a raiva e toda a escuridão. Vós que Sois a alma da Igreja, vinde e renovai,  a fim de que ela seja sempre testemunha do Teu Reino de Amor. Vossa força nos ajude nos momentos em que a fraqueza quiser ocupar espaço em nossa Vida.

Espírito Santo, que no mistério do Natal e Pentecostes manifestastes o poder de Deus, derramai sobre nós  Vossos dons. Ajudai-nos a viver a Paz do Senhor nos Seus caminhos e permanecei conosco.

Santo Espírito Criador, criai em nós um amor grande e forte ao Pai, e que nada possa apagar essa chama. Espírito da Verdade, manifesta com nós o desejo de conhecer, propagar e viver a Palavra do Senhor e a Paz aos homens que trouxe o Menino Deus. Que ela cresça em nosso coração  e dê muitos frutos!

Espírito Santo, guia-nos sempre e nunca Vos distancie de nós. Amém!

A importância da admiração no namoro

0

Ao se admirarem, os namorados aprendem e crescem na virtude da pureza

Todos os filósofos afirmam que a grandeza do pensamento tem início na capacidade que a pessoa possui de se deixar admirar e contemplar.

 

A importância da admiração no namoro - 1600x1200

Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

 

A admiração não é uma atitude superficial; muito pelo contrário, admirar é sinônimo de deter-se e observar lentamente aquilo que nos chama à atenção. Na exortação Amoris Laetitia, o Papa Francisco escreve: “O primeiro nível do eros é a capacidade de se admirar” (A.L 150). O verdadeiro namoro tem o seu ponto de partida na admiração inicial, sadia e pura de um olhar, de um sorriso e uma conversa.

Ao se admirarem, os namorados aprendem e crescem na virtude da pureza. Muitos casais de namorados, após se conhecerem, já tem necessidade de estar juntos todos os dias, de partilhar e viver juntos. O namoro não pode ser superado como se fosse um tempo de possessão ou domínio. O tempo de namoro, que parte da primeira admiração, vai crescendo e gerando nos namorados a alegria de se conhecerem aos poucos.

Percebe-se, na nossa sociedade, que os namorados já estão vinculados “oficialmente” por uma espécie de pacto ou, por assim chamar, de oficial relacionamento, o qual já é aceito no meio da família e dos amigos.

Namorados passam férias, fins de semana, muito tempo juntos. Quando eles estabelecem uma relação nesse nível, perdem a capacidade de se admirar, dando maior oportunidade para as brigas insignificantes que deterioram o relacionamento. Um namoro sadio e responsável nasce num tempo oportuno, prudente e discreto.

Sou ciente de que hoje podemos entrar em contato com as pessoas superando as distâncias, o tempo e até o espaço; mas, no namoro, é vital a serenidade e a consciência de saber que esse período de relacionamento não possui em si mesmo nenhum compromisso definitivo; muito pelo contrário, é um tempo que passa na jovialidade da juventude.

Os namorados, muito mais do que admirar as qualidades ou a beleza física de cada um, devem admirar o conteúdo de suas conversas, dos assuntos que juntos partilham, das conquistas acadêmicas e familiares que realizam, especialmente preparando um projeto de vida que vislumbre o futuro. Quando o namoro é vivido na serenidade e na consciência sadia de que um não depende do outro, a admiração torna-se um caminho viável para, talvez, chegar a um tempo de noivado e, sem dúvida, a um futuro matrimônio.

Quando deve começar o namoro?

Um namoro deve ter início quando nasce a admiração e esta passa pela confirmação dos membros da família. Namorar às escondidas, namorar virtualmente não constitui um passo suficientemente frutuoso. O namoro deve ser experimentado no encontro aberto e reconhecido por aqueles que cuidam dos namorados. Cuidar não é sinônimo de vigiar, controlar e decidir no lugar do filho ou da filha. Cuidar significa promover a descoberta de uma nova experiência na vida, que, se bem conduzida, trará grandes benefícios para o amadurecimento.

Deixemo-nos admirar, cada vez mais, pelas obras do Senhor. Deus sempre nos admira. Permitamos que o tempo de namoro seja de conquistas e realizações que contribuam para que o caminho seja melhor construído. Não acelerar nenhum tipo de relacionamento é o primeiro sinal de uma vida construída sobre a Rocha, que é Cristo.

Viver o namoro na admiração sensata de quem, um dia, deverá tomar decisões definitivas é uma das maiores conquistas na vida afetiva. Namorados, façam deste tempo um período de admiração singela e doce, permitam que a ternura floresça na sua relação com dom vivido e celebrado.

O tempo que o namoro durar será frutífero sempre! Cada um deve admirar as esperanças e determinações que o outro tomar, até o dia em que já não serão mais decisões individuais, mas sim de casal.

Testemunhe com sua juventude que namorar é um tempo de graça vivido no respeito e na virtude. Isso não é outra coisa senão admirar!

Fonte: Canção  Nova

Cristão da reclamação ou do louvor?

 

 

O louvor deixou de fazer parte da vivência de muitos cristãos

Olhando para o Cristianismo, para o início da Igreja, o que percebemos é a alegria dos cristãos, o amor que fluía entre eles a ponto de encantar até mesmo os pagãos e incomodar os judeus. Era uma Igreja movida pelo louvor, pela gratidão, pela exultação do nome d’Aquele que não estava morto, o Ressuscitado dos mortos: Jesus!

Muitos se aproximaram do Cristianismo por causa desse amor e dessa alegria transbordante, que era uma marca dos cristãos; e claro, precisa continuar sendo. Temos um Deus vivo, que caminha conosco e que prometeu “permanecer conosco, todos os dias, até o fim dos tempos”. Aleluia!

O que temos visto, hoje, contradiz ao que se testemunhou no início do Cristianismo e que nos acompanha até agora. Muitos cristãos têm sido contratestemunho para os próprios cristãos, e até mesmo para aqueles que não o são. Vemos, nos tempos atuais, muita divisão, muito desamor, muita provocação e muito cristão triste, mal-humorado, rancoroso, com uma aparência sisuda. Muitos deles parecem infelizes no que experimentam em Jesus.

O louvor deixou de fazer parte da vivência de muitos cristãos. A exultação, a vibração e a alegria deixaram de fazer parte do dia a dia, deixaram de olhar para o Senhor, que nos deu a vida, e para a vitória, para se apegarem aos problemas. Deixaram de se alimentar da certeza da presença do Ressuscitado; muitos têm feito um caminho individualista e de solidão, mergulhados em si mesmos.

O Senhor está próximo

Uma vez, ouvi uma história de uma criança que comentou com a mãe que nunca queria comungar,pois, todas as vezes em que ela o fazia, voltava para o banco da igreja e ficava com uma cara fechada, feia. Podemos afirmar que – para quem realmente está em Cristo, para quem entregou realmente sua vida nas mãos do Senhor e confia n’Ele plenamente –, não há motivos para reclamação nem murmuração.

Quem entregou sua vida para Cristo caminha com os olhos da fé e vê além da enfermidade, além da perda de um ente querido e da dificuldade financeira, vê além dos problemas familiares e tem uma certeza que gera alegria e gratidão no coração: “O Senhor está próximo”.

Ao passo que todo aquele que deposita a sua confiança em si mesmo, nas pessoas e, simplesmente, nas soluções humanas e materiais, vai ser sempre um “reclamão”, um chorão, um murmurador; e quando a dor chegar, será capaz de deixar o Senhor e seguir o fácil, as soluções imediatistas.

cruz é só uma passagem que nos garante a vitória sobre a morte, pois, depois dela, é a ressurreição. Por isso, meu amado, minha amada, “alegrai-vos sempre no Senhor! Repito, alegrai-vos” (Fl 4,4).

Leia a carta da alegria de Paulo, a Carta aos Filipenses, e veja como é bom e seguro abandonar-se inteiramente nas mãos do Senhor!

Deus abençoe!

 

Fonte: Blog Canção Nova

Somos embaixadores de Cristo

0

Precisamos ser canais de Cristo para os outros

São Paulo nos diz, na sua carta aos Coríntios, que somos embaixadores de Cristo, e é Deus mesmo quem fala por meio de nós. Essa confiança precisamos ter: saber que somos os embaixadores de Cristo e que Jesus fala por meio de nós a essas pessoas, por isso elas são tocadas. Nós precisamos acolhê-las com misericórdia, com amor, e esperarmos que elas se arrependam e voltem para o Pai.

Com certeza, Jesus se utiliza de nós, e Ele vai falar ao coração dessas pessoas. Nós fomos feitos para sermos portadores da misericórdia de Jesus e, assim, também, do perdão de Jesus para que, arrependendo-se, possam vir confessar e serem perdoados.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

A amizade segundo Santo Tomás Aquino

0

A amizade torna agradável a vivência entre as pessoas

A amizade é importante para a vivência do ser humano. Tomás de Aquino, doutor da Igreja, filósofo e teólogo com vários escritos sistematizados sobre Deus, o homem e o mundo é um santo canonizado pela Igreja, que transformou o pensamento de sua época. Dentre muitas obras, como a “Suma Teológica” e a “Suma contra os gentios”, e diversos temas produzidos, ele escreve especificamente sobre a  amizade.
Santo Tomás de Aquino diz que “por natureza todo homem é amigo”, e ainda destaca que a amizade, como uma virtude social, é necessária para se viver agradavelmente em sociedade. Ela é importante e fundamental para o florescimento da sociedade e felicidade do homem que se relaciona com o outro.

“Ao amigo fiel não há nada que se compare, pois nada equivale ao bem que ele é. Amigo fiel é bálsamo de vida; os que temem o Senhor vão encontrá-lo.” (Eclesiástico 6,15-16).

A amizade colabora para a harmonia social

Em sua obra ‘Suma Teológica’, São Tomás de Aquino indica que “a amizade permanece no plano das relações sociais, designando antes a atitude geral de amabilidade ou afabilidade; é cortesia plena de atenção, tornando mais fácil, senão mais alegre, o viver junto”. Nenhuma sociedade, por natureza, mantém-se plenamente sem harmonia e contentamento entre os que nela vivem; nos mais variados lugares ou aspectos de uma comunidade, é normal que se dirija para uma conformidade.

A amizade torna cada vez mais agradável a vivência nas relações sociais pelo fato de proporcionar a facilidade na vida em sociedade, enquanto que um dos seus vícios opostos, a contestação, torna mais difícil o viver juntos e manter relacionamentos afáveis no corpo social.

Dessa forma, a amizade “impõe-se igualmente como uma verdadeira exigência da vida em sociedade, e sua ausência seria sentida como insuportável”, segundo Santo Tomás. Isso, porque a amizade é fundamento, por isso possível. Ela pode acontecer concretamente  quando as pessoas se comportarem com decência junto daqueles com quem se convivem, o que proporcionará dignidade, maturidade e manutenção no desenvolvimento próprio e da vida em sociedade.

A amizade favorece o relacionamento com o próximo

Concedendo uma base para os escritos de Santo Tomás de Aquino, o filósofo Aristóteles escreveu amplamente a respeito da amizade em seu livro VIII da ‘Ética a Nicômaco’, no qual distinguiu em dois tipos a amizade. O primeiro consiste, principalmente, na afeição de uma pessoa para com a outra, e pode ser a consequência de qualquer virtude; o segundo tipo de amizade consiste unicamente em palavras ou atos exteriores, que não se realiza de maneira perfeita à razão da amizade, mas tem com ela uma certa semelhança.

Sobre o que Aristóteles ensinou sobre os dois tipos de amizade, no afeto percebe-se e reconhecer na pessoa amiga muito daquilo que há em si mesmo e o que ainda se busca ter, o que proporciona um crescimento mútuo entre o eu e tu, valorizando o nós. A Bíblia indica que “quem teme o Senhor, orienta bem sua amizade: como ele é, tal será o seu amigo” (Eclesiástico 6,17).

Desse modo, um efeito real e positivo na sociedade virá também pela afeição ao outro como um outro eu, porque aí não se terá competições, invejas, ciúmes nem desarmonias, já que o que a pessoa não deseja para si, também não deve desejar para o outro, para viver a reciprocidade autêntica, pois é “ditoso aquele que encontrou um amigo verdadeiro” (Eclesiástico 25,12).

Com isso, Santo Tomás sintetiza dizendo que “o bem consiste na ordem, é preciso que as relações entre as pessoas se ordenem harmoniosamente num convívio comum, tanto entre ações quanto em palavras, ou seja, é necessário que cada um se comporte com relação aos outros de maneira conveniente, e essa virtude se chama amizade ou afabilidade.”

Por natureza, todo homem é amigo”, por isso é necessário, tanto para a ordem quanto para a harmonia, que a amizade esteja presente para a relação amistosa e oportuna de uns para com os outros, alcançando a vivência do amor, que é prioridade para o estabelecimento estável de qualquer relacionamento.

A amizade favorece a vivência da verdade

Santo Tomás afirma que “o homem é, por natureza, um animal social e deve, com honestidade, manifestar a verdade aos outros homens, sem o que a sociedade humana não poderia durar”. Por meio da amizade, é possível levar a verdade aos que se encontram na mentira e no erro, pois são edificantes as palavras de um amigo de verdade, mesmo quando sejam de correção.

Dessa maneira, no relacionamento das pessoas é preciso existir uma intenção que facilite a convivência e, nesta, tem de haver a virtude da amizade que conduz para esse bem social. “A intenção principal da lei humana é, com efeito, fomentar a amizade dos homens entre si”, diz Santo Tomás, sendo que o primeiro princípio que regula as relações com outrem exige a reciprocidade da amizade, pois, para bons relacionamentos, é necessário que estejam orientados por uma atitude da vontade, de querer para o outro o bem que se quer para si.

“Ama teu amigo e une-te a ele com lealdade” (Eclesiástico 27,18).

Assim, como ápice da amizade, tem-se o fato de a pessoa amiga conseguir, com naturalidade e liberdade, fazer ao amigo o que faria para si mesmo. O que mostra o quanto a amizade é eficaz para a vida do ser humano e sua vivência para com o próximo, visto que, desejando o bem ao outro e contribuindo para o bem de todos nas diversas relações do ser humano, alcança-se a virtude indispensável, que é a de ser amigo.

Fonte: Blog Canção Nova

CARACTERÍSTICAS DE UM RELACIONAMENTO QUE TEM, COMO PRIORIDADE, A BUSCA DE SANTIDADE E DA VONTADE DO SENHOR:

0

 

Antes de namorar, sejam amigos. A amizade é fundamental para um relacionamento dar certo. Permaneçam ‘só amigos’ o máximo de tempo possível!

Busquem orientação de Deus antes e durante o namoro. Se vocês não têm vergonha de beijar um ao outro, então porque ter vergonha de orar juntos?

Estabeleçam alvos conjuntos. Façam do namoro o primeiro passo para um casamento. Nem sempre o namoro vai acabar num altar, mas esse deve ser o objetivo principal. Só comece a namorar com essa intenção, nunca para se divertir ou como passatempo.
Não façam do namoro ou um do outro prioridade. Enquanto vocês não são casados continuam debaixo do cuidado dos pais, autoridades colocadas por Deus sobre suas vidas. A suas famílias devem ser prioritárias. A aprovação deles em tudo o que fizerem é imprescindível. Lembrem-se do mandamento: ‘Honra a teu pai e tua mãe…’ e Deus lhes mostrará que é fiel!

Não se isolem. Muita gente, após um namoro desfeito, descobre que não tem mais amigos. Eles foram sumindo aos poucos, enquanto o namoro era autocentralizado.
Não se sintam ‘dono do outro’. O namoro é apenas uma fase de conhecimento do parceiro (a), não significa que você tem posse sobre ele (a). Não se impeçam de, as vezes, saírem sozinhos (a) ou com a turma;

Não dêem lugar ao diabo (Efésios 4, 27). Não fiquem sozinhos em casa, não namorem no escuro. Não façam aquilo que virá a despertar desejos mais íntimos ou sexuais.
Só façam um com o outro aquilo que não teriam vergonha de fazer na frente dos outros.

Aproveitem esse tempo para conversar e abrir seus corações. Mas coloquem beijos e abraços em segundo plano e sempre com moderação;

Aprendam a demonstrar carinho com respeito. Palavras doces, pequenas surpresas e programas agradáveis a sós podem revelar seu amor pelo outro sem que suas convicções se choquem.

Busquem o máximo de intimidade visando o conhecimento mútuo sem que seja necessário defraudação do corpo do outro. Intimidade também significa familiaridade. Duas pessoas íntimas se dedicam particular afeição.

Façam com que a paz de Deus seja o árbitro. Namoro turbulento e cheio de neuroses não esta com nada.

Não dêem ouvidos para que os outros falam, ou o que a sociedade vem impondo sobre namoros ‘modernos’. Lembrem-se que estamos no mundo, mas não pertencemos a ele. Não se acomodem, não se conformem com o que está errado. Sejam firmes. E sejam felizes! ‘E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.’ (Romanos 12,2)

Texto: Rosana Salviano

“O Espírito faz dos discípulos um povo novo, cria um coração novo”

0

 

Homilía do Papa Francisco, Pentecostes 2017

Chega hoje ao seu termo o tempo de Páscoa, desde a Ressurreição de Jesus até ao Pentecostes:

cinquenta dias caraterizados de modo especial pela presença do Espírito Santo. De facto, o Dom pascal por excelência é Ele: o Espírito criador, que não cessa de realizar coisas novas. As Leituras de hoje mostram-nos duas novidades: na primeira, o Espírito faz dos discípulos um povo novo; no Evangelho, cria nos discípulos um coração novo.

Um povo novo. No dia de Pentecostes o Espírito desceu do céu em «línguas, à maneira de fogo, que se iam dividindo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas» (At 2, 3-4). Com estas palavras, é descrita a ação do Espírito: primeiro, pousa sobre cada um e, depois, põe a todos em comunicação. A cada um dá um dom e reúne a todos na unidade. Por outras palavras, o mesmo Espírito cria a diversidade e a unidade e, assim, molda um povo novo, diversificado e unido: a Igreja universal. Em primeiro lugar, com fantasia e imprevisibilidade, cria a diversidade; com efeito, em cada época, faz florescer carismas novos e variados. Depois, o mesmo Espírito realiza a unidade: liga, reúne, recompõe a harmonia. «Com a sua presença e ação, congrega na unidade espíritos que, entre si, são distintos e separados» (Cirilo de Alexandria, Comentário ao Evangelho de João, XI, 11). E desta forma temos a unidade verdadeira, a unidade segundo Deus, que não é uniformidade, mas unidade na diferença.

Para se conseguir isso, ajuda-nos o evitar duas tentações frequentes. A primeira é procurar a diversidade sem a unidade. Sucede quando se quer distinguir, quando se formam coligações e partidos, quando se obstina em posições excludentes, quando se fecha nos próprios particularismos, porventura considerando-se os melhores ou aqueles que têm sempre razão – são os chamados guardiões da verdade. Desta maneira escolhe-se a parte, não o todo, pertencer primeiro a isto ou àquilo e só depois à Igreja; tornam-se «adeptos» em vez de irmãos e irmãs no mesmo Espírito; cristãos «de direita ou de esquerda» antes de o ser de Jesus; inflexíveis guardiães do passado ou vanguardistas do futuro em vez de filhos humildes e agradecidos da Igreja. Assim, temos a diversidade sem a unidade. Por sua vez, a tentação oposta é procurar a unidade sem a diversidade. Mas, deste modo, a unidade torna-se uniformidade, obrigação de fazer tudo juntos e tudo igual, de pensar todos sempre do mesmo modo. Assim, a unidade acaba por ser homologação, e já não há liberdade. Ora, como diz São Paulo, «onde está o Espírito do Senhor, aí está a liberdade» (2 Cor 3, 17).

Então a nossa oração ao Espírito Santo é pedir a graça de acolhermos a sua unidade, um olhar que, independentemente das preferências pessoais, abraça e ama a sua Igreja, a nossa Igreja; pedir a graça de nos preocuparmos com a unidade entre todos, de anular as murmurações que semeiam cizânia e as invejas que envenenam, porque ser homens e mulheres de Igreja significa ser homens e mulheres de comunhão; é pedir também um coração que sinta a Igreja como nossa Mãe e nossa casa: a casa acolhedora e aberta, onde se partilha a alegria multiforme do Espírito Santo.

E passemos agora à segunda novidade: um coração novo. Quando Jesus ressuscitado aparece pela primeira vez aos seus, diz-lhes: «Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ficarão perdoados» (Jo 20, 22-23). Jesus não condenou os seus, que O abandonaram e renegaram durante a Paixão, mas dá-lhes o Espírito do perdão. O Espírito é o primeiro dom do Ressuscitado, tendo sido dado, antes de mais nada, para perdoar os pecados. Eis o início da Igreja, eis a cola que nos mantém unidos, o cimento que une os tijolos da casa: o perdão. Com efeito, o perdão é o dom elevado à potência infinita, é o amor maior, aquele que mantém unido não obstante tudo, que impede de soçobrar, que reforça e solidifica. O perdão liberta o coração e permite recomeçar: o perdão dá esperança; sem perdão, não se edifica a Igreja.

O Espírito do perdão, que tudo resolve na concórdia, impele-nos a recusar outros caminhos: os caminhos apressados de quem julga, os caminhos sem saída de quem fecha todas as portas, os caminhos de sentido único de quem critica os outros. Ao contrário, o Espírito exorta-nos a percorrer o caminho com duplo sentido do perdão recebido e do perdão dado, da misericórdia divina que se faz amor ao próximo, da caridade como «único critério segundo o qual tudo deve ser feito ou deixado de fazer, alterado ou não» (Isaac da Estrela, Discurso 31). Peçamos a graça de tornar o rosto da nossa Mãe Igreja cada vez mais belo, renovando-nos com o perdão e corrigindo-nos a nós mesmos: só então poderemos corrigir os outros na caridade.

Peçamos ao Espírito Santo, fogo de amor que arde na Igreja e dentro de nós, embora muitas vezes o cubramos com a cinza das nossas culpas: «Espírito de Deus, Senhor que estais no meu coração e no coração da Igreja, Vós que fazeis avançar a Igreja, moldando-a na diversidade, vinde! Precisamos de Vós, como de água, para viver: continuai a descer sobre nós e ensinai-nos a unidade, renovai os nossos corações e ensinai-nos a amar como Vós nos amais, a perdoar como Vós nos perdoais. Amen».

 

Fonte: Libreria Editrice Vaticana

Todos os pastores devem se despedir, sem apego ao seu rebanho.

Nesta terça-feira na homilia da Missa na Casa Santa Marta, Papa Francisco disse:

Todos os pastores devem se despedir. Chega um momento em que o Senhor nos diz: vai para outro lugar, porque eles não são o centro da história. E não fazem do seu rebanho uma apropriação indevida.

O indicou o Papa Francisco nesta terça-feira na homilia da Missa na Casa Santa Marta. A primeira Leitura tirada dos Actos dos Apóstolos, se poderia intitular disse Francisco,“A despedida de um bispo”. Paulo se despede da Igreja de Éfeso, que ele havia fundado.

“Todos os pastores devem se despedir. Chega um momento em que o Senhor nos diz: vai para outro lugar, vai para lá, vem para cá, vem a mim. E um dos passos que deve fazer um pastor é também preparar-se para se despedir bem, não se despedir à metade. O pastor que não aprende a se despedir é porque tem alguma ligação não boa com o rebanho, um vínculo que não é purificado pela Cruz de Jesus”. Paulo, então, diante dos presbíteros de Éfeso numa espécie de “conselho presbiteral” se despede.

O Papa indica três atitudes de Paolo: primeiro, ele diz que nunca abandonou a luta: “Não é um acto de vaidade”, porque ele diz que é “o pior dos pecadores”, mas simplesmente “conta a história”.

“Uma das coisas que dará tanta paz ao pastor quando se despede –explicou o Papa– é recordar-se que nunca foi um pastor de compromissos”. Ele nunca abandonou a luta. “E é preciso coragem para isso”.

Segundo: Paulo diz que ele vai a Jerusalém “compelido pelo Espírito”, obedece ao Espírito. “E continua, porque ele não possui nada seu, ele não fez do seu rebanho uma apropriação indevida.

“Sei somente que o Espírito Santo de cidade em cidade me confirma que me esperam correntes e tribulações, indica Paolo. “Não vou me aposentar. Vou para outro lugar para servir outras Igrejas. Sempre o coração aberto à voz de Deus: deixo isso, vou ver o que o Senhor me pede. E aquele pastor sem compromissos é agora um pastor em caminho”.

Terceiro, Paulo diz: “Eu não considero de nenhum modo preciosa a minha vida”: não é “o centro da história, da história grande ou da história pequena”, não é o centro. Francisco cita um ditado popular: “Como você vive, você morre; como você vive, você se despede”. E Paulo se despede com uma “liberdade sem compromissos” e em caminho. “Assim se despede um pastor”.

“Com este exemplo tão bonito –concluiu o sucesor de Pedro– rezemos pelos pastores, pelos nossos pastores, pelos párocos, pelos bispos, pelo Papa, para que a sua vida seja uma vida sem compromissos, uma vida em caminho, e uma vida onde eles não pensem estar no centro da história e assim aprendam a se despedir. Rezemos pelos nossos pastores”.

Fonte: (ZENIT – Cidade do Vaticano, 30 Maio 2017).

ELA NÃO TEM O CORAÇÃO DE PEDRA, TEM A FIRMEZA NECESSÁRIA CONTRA AMORES FRACOS

0
Imagem: Mansano Fotografia
As pessoas confundem estar solteira com estar carente ou estar sozinha. Acham que todo mundo que não está em um relacionamento necessariamente sente falta de ter alguém. Às vezes, precisamos de um tempo a sós, um tempo para rever nossas prioridades, nossos planos. Como posso querer entrar em um relacionamento desacreditando tanto do amor desse jeito? Como posso querer alguém ao meu lado, se estou cansada de olhar ao meu redor e de ver relacionamentos fracassados por falta de fidelidade, pessoas trocando joias por bijuterias, trocando um amor de verdade por uma atração fajuta? Como eu posso pensar em entrar em um relacionamento, vendo tanta gente machucada por esse legado do “amor”? Acreditando que amar é necessariamente sofrer?
Vejo tanta gente sendo enganada, corações sendo destruídos sem dó, que, às vezes, não ter ninguém é uma forma de se defender dos possíveis machucados. Vejo tanta gente confundindo amor com apego, desistindo do amor por qualquer coisa e trocando gente de valor por gente que não valoriza, que acreditar em compromissos tem se tornado cada vez mais difícil. Eu sei, eu posso não ter nada a ver com isso, mas eu já fui atingida por mentiras e meu coração já foi alvo de enganos, me deixando em pedaços e eu me recompus. Não foi fácil, acredite. Levei fama de durona, como a tal coração de pedra, e diziam que eu escolhia demais. Mas ninguém conseguiu ver a dor que estava por detrás de tudo isso, ninguém viu o coração que, embora pulsasse, estava quebrado, tentando se recompor, a passos lentos, daquelas promessas falidas.
Ninguém entendia que esse lance de não querer ninguém era uma forma de me defender da dor e que, depois de um tempo, não querer me envolver era uma forma de não me decepcionar, o que, por sinal, funcionava muito bem. Não é fácil ter um coração quebrado, assim como não é fácil se recompor. Tem dias em que a dor faz morada e joga a chave fora, não conseguimos sair e ficamos enclausurados no nosso passado. Tem dias em que você chora sozinho e tem medo de não conseguir viver nunca uma história dessas bonitas que vemos por aí. Dessas histórias em que tem respeito, que tem amor, que tem paciência e lealdade e que a gente acaba achando ser apenas histórias, distantes da nossa realidade.
Eu não posso curar a minha dor machucando outra pessoa, não posso tornar isso um ciclo vicioso de tentar, tentar, machucar e reparar o erro. Depois que me permiti viver esse tempo, buscando sugar tudo o que há de melhor, estou melhor. Venho lendo livros novos, descobrindo umas séries incríveis, novas aptidões, vendo o quanto eu sou forte e capaz de alcançar os meus sonhos e como a caminhada até o sucesso é longa. Não estar com alguém por medo de ficar só ou por carência, é a prova de que amadureci. Então, não me peça para aceitar qualquer coisa, ou para me entregar ao primeiro abraço. Cansei de ser guiada pelo coração, cansei de me deixar levar pela aparência, não quero mais viver uma mentira e sofrer as consequências dos meus enganos. Eu não quero um amor raso, dessa vez eu quero mergulhar. E sim, enquanto eu não sentir que posso dar um passo à frente, eu vou permanecer aqui, como estou.
Primeiro, eu preciso conhecer a mim, antes de conhecer alguém. Segundo, eu preciso estar inteira, pois não posso ser metade. Terceiro, eu preciso estar segura para, depois, poder confiar em alguém. Sabe quando aquele vendedor passa e você diz: “Hoje, não, obrigada?!”. Quando me falam de relacionamento, eu digo o mesmo: “Hoje, não, obrigada! Mas, se você quiser, volte amanhã”. Não há nenhum erro em não ter ninguém, mas há todo erro do mundo em ter alguém só para preencher o vazio, só para matar a carência. E se for para viver uma história de erros, eu prefiro viver a minha assim, porque estar solteira e feliz me ensinou a ser mais exigente.
Fonte: Thamilly Rozendo, autora.
Estudante de Psicologia, 22, é aquela que escuta mil vezes a mesma música. Encontra paz na oração e vê amor nos pequenos detalhes.