Te escolhi porque você é a resposta mais linda e exata das minhas orações

0

wavebreakmedia/shutterstock

Eu escolhi você porque, desde quando entrou na minha vida, o meu mundo em preto e branco tomou cor. Eu escolhi você porque meus domingos à tarde deixaram de ser tediosos e eu passei a gostar de ficar no sábado à noite em casa com o meu pijama velho, vendo um filme qualquer ao seu lado.

Eu escolhi você porque aprendi que posso ser muito e que melhorar algumas coisas em nós é preciso e faz parte do nosso crescimento. Eu, com você, sou mais. Eu, com você, sou soma e não divisão.

Eu escolhi você porque meu riso toma forma de amor e minha alma fica leve quando estou com você. Eu te escolhi porque meu primeiro e último pensamento do dia continua sendo você. Eu escolhi você porque as despedidas, por mais simples que sejam, são sempre dolorosas e logo me sinto invadida pela tal da saudade. Eu o escolhi porque você é a primeira pessoa que eu procuro quando algo de bom me acontece, é a primeira pessoa que eu procuro quando não estou bem e preciso de um abraço, desses que sufocam a gente de tanto amor.

Escolhi você porque, mesmo depois de tanto tempo juntos, meu coração ainda acelera quando o vê e ainda fico ansiosa, com aquele friozinho na barriga, toda vez que sei que vou encontrá-lo.

Escolhi, porque você é a resposta mais linda e exata das minhas orações, todas as vezes em que eu achava não ter saída e pedia a Deus alguém para cuidar de mim e não das minhas dores. E então Deus cuidou das minhas feridas e preparou o meu coração para a sua chegada e, mesmo com todos os bloqueios e medos, eu fui cada vez mais me envolvendo nessa história. E então você veio e, em vez de quebrar o meu coração, como já haviam feito antes, você quebrou as barreiras e bloqueios que eu mesma criara depois de tantas feridas. Você cuidou de mim todas as vezes em que fiquei doente, cuidou de mim quando eu queria desistir, você cuidou de me amar e de não perder o encanto nunca.

Eu escolhi você porque, quando tento expressar o que sinto, as palavras engasgam, trombam e eu acabo não conseguindo definir o que sinto. Escolhi, porque nunca ninguém me mostrou o quanto o amor pode ser bondoso e paciente, o quanto ele pode e deve não arder em ciúmes e que é preciso manter o respeito sempre. Eu escolhi você porque seu sorriso ainda mexe comigo e o seu toque faz meu corpo balançar. Eu escolhi você, porque amo andar de mãos dadas e amo os seus beijos na testa enquanto esperamos o elevador. Eu escolhi, porque ainda acho lindo o jeito que você me olha e porque seu abraço continua sendo o melhor do mundo, ele é o meu abrigo.

Eu escolhi você e continuarei o escolhendo todos os dias, porque, antes de escolher, Deus já o tinha escolhido pra mim. Ele pensou em cada detalhe, Ele pensou em cada ponto que eu precisava melhorar e em quem poderia me ajudar a me tornar uma pessoa melhor. Ele sabia quem iria me ensinar e também quem queria aprender. Ele sabia exatamente quem iria despertar meu riso solto e fazer meus olhos brilharem de tanto amor.

Ele sabia quem iria amar os meus exageros, quem não iria se importar com a minha risada escandalosa e quem iria me achar linda logo pela manhã. Ele sabia quem iria me admirar e sentir orgulho de cada conquista minha; quem iria aplaudir minhas vitórias e estar do meu lado nos fracassos. Ele sabia quem iria gostar do meu jeito desarrumado e desastrado de ser. Ele sabia quem iria transbordar, quem viria pra somar e quem seria o melhor pra mim. Valeu a pena ter esperado, valeu a pena ter orado. Você é a minha melhor escolha.

(via )

Fonte: http://pt.aleteia.org

Conheça cada parte da Santa Missa para melhor vivê-la

0

Para melhor participarmos da Santa Missa devemos conhecer minimamente suas partes, que são apenas três: Ritos Iniciais, Liturgia da Palavra e Liturgia Eucarística.

 Vamos conhecer a missa para melhor adorarmos a Deus?!

Ritos Iniciais

Os ritos iniciais dividem-se em cinco momentos: a entrada, o ato penitencial, Kyrie, o glória e a oração de coleta.

Entrada

A entrada inicia-se com o cântico de entrada ou a antífona. O Missal diz que “a finalidade deste cântico é dar início à celebração, favorecer a união dos fiéis reunidos e introduzi-los no mistério do tempo litúrgico ou da festa, e ao mesmo tempo acompanhar a procissão de entrada do sacerdote e dos ministros”. É acolher o Cristo, Rei da Glória, que entra triunfante, e ao mesmo tempo é o Senhor carregando sua cruz para o calvário na pessoa do sacerdote.

Ato penitencial

Para participarmos dignamente dos Santos Mistérios, devemos pedir perdão a Deus por todas as nossas faltas, com três possibilidades de formulários para tal. Após o Ato penitencial, canta-se o Kyrie Eleison, é um termo grego que significa “Senhor, piedade de nós”. Trata-se de um canto onde os fiéis aclamam o poderio de Deus e imploram sua misericórdia, é normalmente executado por todos, em forma alternada entre o povo e o coro ou um cantor.

Não se pode modificar este texto por nada, nenhum outro canto pode ser entoado. Exceto em caso de aspersão, o canto deve ter tais palavras. Que seja valorizado o canto em grego (Kyrie Eleison), pois é a última parte da missa que ainda está na missa celebrada pelos Apóstolos.

Glória a Deus

“O Glória é um antiquíssimo e venerável hino com que a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro. Não é permitido substituir o texto deste hino por outro.” – diz a instrução geral do Missal Romano. O glória é o momento de reconhecer a divindade, o poder, a majestade de Deus e do Cordeiro Imolado, tudo isso no Espírito Santo.

Canta-se ou recita-se nos domingos fora do Advento e da Quaresma, bem como nas solenidades e festas, e em particulares celebrações mais solenes.

Oração de Coleta

Concluindo os ritos iniciais temos a oração de coleta. Nesta oração o sacerdote recolhe as intenções nos corações dos fiéis e no dele mesmo, e unido aos da Igreja, que será oferecida ao Pai. Então o sacerdote diz a oração que se chama “coleta”, pela qual se exprime o carácter da celebração.

Liturgia da Palavra

A liturgia da Palavra é o momento de ouvirmos o Senhor falar. O missal afirma que “Nas leituras, comentadas pela homilia, Deus fala ao seu povo, revela-lhe o mistério da redenção e salvação e oferece-lhe o alimento espiritual. Pela sua palavra, o próprio Cristo está presente no meio dos fiéis”. Devemos participar deste momento com total silêncio, reverência e atenção, pois através dos leitores e do sacerdote, Deus está falando aos nossos corações, clamando pela nossa conversão. Neste momento não é apenas uma releitura de algo passado, mas as escrituras ganham vida e se tornam presentes.

A liturgia da palavra se divide em partes: Primeira leitura, geralmente do Antigo Testamento; um salmo de reflexão que responde à leitura feita; aos domingos e solenidades também há uma segunda leitura do Novo Testamento. O ápice da liturgia da palavra e com toda a solenidade e reverência à leitura dos Santos Evangelhos. Nele, o padre ou diácono, é o próprio Cristo que fala com seu povo, que explicam as leituras através da homilia.

O povo faz sua parte desta palavra divina com o silêncio e com os cânticos e a ela adere com a profissão de fé. Assim alimentado, eleva a Deus as suas preces na oração universal pelas necessidades de toda a Igreja e pela salvação do mundo inteiro.

Liturgia Eucarística

A liturgia Eucarística é a parte principal da missa, onde o padre, pelo poder do Espírito, torna presente o sacrifício da cruz do Senhor. A partir do ofertório entramos no calvário do Senhor, estamos aos pés da cruz implorando ao Pai e oferecendo à Ele os méritos da morte, ressurreição e ascensão de Cristo.

O Ofertório

No ofertório são levados ao altar pão e vinho, os mesmos elementos que o Senhor usou na última ceia e o que ele afirmou que ele mesmo era o pão da vida e que o vinho era o seu sangue, sangue da nova e eterna aliança.

O missal ainda diz que o “sacerdote pode incensar os dons colocados sobre o altar, depois a cruz e o próprio altar. Deste modo se pretende significar que a oblação e oração da Igreja se elevam, como fumo de incenso, à presença de Deus… Depostas as oblatas sobre o altar e realizados os ritos concomitantes, o sacerdote convida os fiéis a orar juntamente consigo e recita a oração sobre as oblatas. Assim termina a preparação dos dons e tudo está preparado para a Oração eucarística”.

Oração Eucarística

A oração eucarística é o momento mais grave da Santa Missa, onde o sacerdote traz Deus para nós. Depostas as oblatas sobre o altar e realizados os ritos concomitantes, o sacerdote convida os fiéis a orar juntamente consigo e recita a oração sobre as oblatas. Assim termina a preparação dos dons e tudo está preparado para a Oração eucarística.

Nela, através de Cristo que se dá por nós, mergulhamos no mistério da Santíssima Trindade, mistério da nossa salvação: “A oração eucarística é o centro e ápice de toda celebração, é prece de ação de graças e santificação. O sacerdote convida o povo a elevar os corações ao Senhor na oração e na ação de graças e o associa à prece que dirige a Deus Pai por Jesus Cristo em nome de toda comunidade. O sentido desta oração é que toda a assembleia se una com Cristo na proclamação das maravilhas de Deus e na oblação do sacrifício” (IGMR 54).

Há várias orações eucarísticas, quatro principais e outras dez para diversas ocasiões e necessidades Ela está dividida em:

a) Ação de graças: é o louvor à Deus expresso principalmente no prefacio.b) Aclamação: onde o povo canta o Sanctus.c) Epiclese: onde o sacerdote invoca o poder do Espírito Santo sobre as oferendas.d) Narração da instituição e consagração: pela ação do Espírito, e através das palavras de consagração, o que era pão deixa de ser pão e o que era vinho deixa de ser vinho e se tornam o corpo e o sangue de Cristo.e) Anamnese: em obediência a este mandato, recebido de Cristo Senhor através dos Apóstolos, a Igreja celebra a memória do mesmo Cristo, recordando de modo particular a sua bem-aventurada paixão, gloriosa ressurreição e ascensão aos Céus.f) Oblação: neste memorial, a Igreja, de modo especial aquela que nesse momento e nesse lugar está reunida, oferece a Deus Pai, no Espírito Santo, a hóstia imaculada.g) Intercessões: A igreja levanta ao Pai seu clamor, através do sacrifício de Cristo.h) Doxologia: é onde se exprime a glorificação de Deus e é ratificada e concluída pela aclamação Amem do povo.

Rito da Comunhão

É a preparação para o banquete do Cordeiro. “A celebração eucarística é um banquete pascal. Convém, por isso, que os fiéis, devidamente preparados, nela recebam, segundo o mandato do Senhor, o seu Corpo e Sangue como alimento espiritual. É esta a finalidade da fração e dos outros ritos preparatórios, que dispõem os fiéis, de forma mais imediata, para a Comunhão”. Ela está dividida em Oração Dominical, Rito da Paz, Fração do Pão e comunhão.

A Oração dominical é um grande momento de oração dentro da Santa Missa, nela, suplicamos ao Pai com a oração perfeita, feita e ensinada pelo próprio Senhor. Ao contrário dos outros momentos, a oração do “Pai-nosso”, na missa, não é concluída pelo Amém.

O Rito da Paz “no qual a Igreja implora a paz e a unidade para si própria e para toda a família humana, e os féis exprimem uns aos outros a comunhão eclesial e a caridade mútua, antes de comungarem no Sacramento”. Neste momento não podemos perder o foco e cumprimentar os mais próximos a nós de maneira ordeira e ainda em profunda reverência ao Senhor que está sobre o altar.

A fração do Pão é feita acompanhada do “Agnus Dei”. Esse canto é o mesmo feito pelos eleitos no Apocalipse, o que exprime a profunda comunhão entre a Igreja triunfante com a Igreja militante. A fração do Pão significa que todos os fiéis, apesar de muitos são e participam do mesmo corpo.

A comunhão é o momento sagrado de consumação do Sacrifício, através dela cumpre-se a promessa de Nosso Senhor no Evangelho de São João: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo.” (Jo 6,51). Para receberem o precioso Corpo e Sangue do Senhor, os fiéis devem exprimir um ato de adoração antes de fazê-lo: ou uma reverência, ou uma genuflexão ou recebem o Senhor de joelhos, como já se faz por tradição antiquíssima. A comunhão na mão também é possível, mas deve-se ter muito cuidado para não deixar que nenhum fragmento caia no chão. É muito salutar receber a Eucaristia, ajoelhado e na boca, para evitar que qualquer fragmento se perca.

“Para completar a oração do povo de Deus e concluir todo o rito da Comunhão, o sacerdote diz a oração depois da Comunhão, na qual implora os frutos do mistério celebrado.”

No Rito de conclusão nós encontramos:

Notícias breves, se forem necessárias;Saudação e bênção do sacerdote, a qual, em certos dias e em ocasiões especiais, é enriquecida e amplificada com uma oração sobre o povo ou com outra fórmula mais solene de bênção.Despedida da assembleia, feita pelo diácono ou sacerdote;

[Leia também: ]

[Leia também: ]

Comentários

comentários

Fonte: http://pt.churchpop.com

Por que ficar a vida inteira com traumas na sexualidade?

0

Muitas vezes, temos sérios traumas relacionados ao nosso corpo, à nossa sexualidade. Queríamos ser mais altos ou mais baixos, mais magros ou mais gordos. Passamos a vida inteira insatisfeitos, tentando mudar, fazendo plástica, colocando silicone, tomando remédios para modelar o corpo. Não admitimos a santidade e a beleza do nosso corpo. A Bíblia não tem medo de afirmar, muitas e muitas vezes, que o autor do meu corpo é Deus. Enquanto não chegarmos a essa experiência de termos a visão correta de nós mesmos, que fomos gerados no seio de nossa mãe, vamos carregar embutidas ideias erradas.

Temos vivido a exploração do “voyeurismo”, que nada mais é do que a transmissão de valores, ideias e visões erradas em relação à sexualidade e ao corpo. Uma prova disso são as revistas pornográficas.

Foto: Wesley Almeida / cancaonova.com

O homem moderno está bastante evoluído. Se a sexualidade está sendo vivida de modo tão natural como dizem que está, por que então, a cada dia que passa, inventam-se e criam-se novas publicidades nesse campo?

Mesmo tendo trezentas mulheres, Davi não se saciava, pois seu problema não era afetivo. Ele não queria amar alguém, mas ter prazer.

Essa desarmonia está ligada à gestação do ser humano, à sua concepção. Por isso é muito importante fazer a oração de cura interior tomando posse da graça de Deus que estava presente em cada um desses momentos.

Quando começarmos a compreender que a concepção de uma vida é natural do ponto de vista humano, e que o ser humano é chamado a exercer esse ministério participando da graça de Deus, começaremos a mudar a mentalidade relacionada a nossa sexualidade.

Não podemos mais deixar o demônio nos prender, nos amarrar em algo que vamos carregar conosco a vida inteira. Traumas assim não se resolvem nem durante a velhice. Por que ficar a vida inteira com traumas nesta área?

A sexualidade deve ser revestida de um momento, de um lugar sagrado, porque pela unidade física o ser humano está participando de um momento lindo da criação de Deus. Isso precisa ser solenizado, mas o “encardido” tem nos convencido de que é feio e que precisa ser escondido. Por que um casal deve viver essa intimidade a portas fechadas? Porque o momento é lindo demais para ser dividido, íntimo demais para ser partilhado e solene demais para ser vulgarizado. O casal está em íntima comunhão consigo, marido e mulher, daí a nudez total não só de tirar a roupa, mas de abrir o coração, porque Deus está presente.

É algo lindo, maravilhoso, mas o “encardido” espalhou que é feio e que precisa ser escondido. Começa a despertar malícia na criança, no adolescente, nas outras pessoas. Esse é, de fato, o objetivo do demônio: fazer com que o ser humano não se aceite no seu corpo. São João nos revela um critério de discernimento para saber se a pessoa tem ou não contaminação demoníaca. O demônio e qualquer espírito maligno jamais conseguem confessar que Jesus Cristo veio na carne, porque o Verbo de Deus se fez carne e habitou entre nós para nos salvar. Ao fazer com que olhemos para a carne com uma ideia pecaminosa, com visão distorcida, o “encardido” está nos fazendo não aceitar a salvação. Por que a sexualidade torna-se fonte de tanto pecado? Porque ela está associada, e não há como a separar, ao mistério da salvação do ser humano.

(Texto extraído do livro )

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

Novena do Espírito Santo (completa) – Shalom Catholic Community

0

Novena em honra ao Espírito Santo, composta pela Beata Elena Guerra

1º dia

Oração Inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

As ações do Espírito Santo em nossas almas

Essa belíssima e nobre criatura que é a alma humana, criada pela paterna Mão de Deus, foi pelo Eterno Amor enriquecida das mais eleitas virtudes; que nela produz seus frutos, graças à ação vivificante do mesmo Amor que é o Espírito Santo.
As ações deste Divino Espírito nas almas são admiráveis, e quanto mais as contemplamos, tanto mais nos enchemos de maravilha e de consolação. Inacessível por sua natureza, o Espírito Santo se torna acessível por sua infinita bondade, sobretudo para as almas que O desejam, e a elas se comunica de modo inexplicável. Ele as enche de Si, e as faz sentir Sua presença com luzes, inspirações, confortos graças de todas as maneiras. E por mais que seja simples na sua essência, é variado e múltiplo nos seus efeitos. E na obra da santificação das almas, pode-se afirmar que o Espírito Santo é tudo em todos.

Este dogma da inefável operação do Espírito Santo na alma do cristão mostra claramente uma verdade que eleva a uma dignidade incompreensível: Eis uma expressão desta verdade. “Um Deus se ocupa de mim. Um Deus se preocupa em me fazer o bem. O desejo pela minha perfeição é a sua predileta ocupação! Ele trabalha em mim, pensa sempre em mim, não cessa de trabalhar por mim!”. E por que tudo isso? Porque me ama e me ama infinitamente! Por quê? Porque eu sou uma feliz criatura dos eternos e amorosos cuidados de Deus!

Se esta verdade fosse por ti bem considerada e bem entendida, que mais te importaria, ó alma cristã, das coisas da terra? Tu, tão amada por Deus, como poderia não aproveitar Seus afetos, desperdiçando-os pelos bens desta terra? Ah, se conhecesses a ti mesma e Aquele que opera em ti, estarias morta para o mundo e o mundo estaria morto para ti, e viverias desde agora toda em Deus!

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Espírito Santo, Eterno Amor, esta pobre alma não encontra palavras para exprimir a doce maravilha e o reconhecimento que experimenta pensando em Vós, ó Altíssimo Deus, que Vos dignastes Vos ocupar desta mesquinha criatura e de fazer-lhe continuamente o bem. Agradeço-Vos de coração; mas ao mesmo tempo, sinto necessidade de pedir-Vos perdão por ter apreciado tão pouco e correspondido tão mal até agora ao Vosso amoroso “operar” na minha alma. Vós, que me encheis de favores e favores tão grandes que não consigo nem mesmo compreendê-los, acrescentai-me um outro favor: aquele de fazer-me apreciar, ó Divino Espírito, os benefícios do Vosso Amor, e de ajudar-me a corresponder-Vos fielmente.

Abri ó Espírito Santo, com aquela luz da qual sois origem e fonte, os olhos da minha mente, e fazendo-me melhor conhecer os efeitos do infinito amor que me trazeis, movei ó Espírito Santo, o meu coração à verdadeira e constante correspondência.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna! Amém!

2º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

O Espírito Santo habita em nós

É esta uma consoladora verdade expressa no Evangelho (Cf. Mt 10, 20), e confirmada pelo Apóstolo Paulo quando escreve aos Coríntios: “Não sabeis que o Espírito Santo habita em vós? E não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo?” É também por isso que a Igreja Católica se alegra em chamar o Divino Espírito de “Doce Hóspede da Alma”. Hóspede que reveste da graça santificante, que irriga da divina luz, que a faz capaz de obras merecedoras da vida eterna.

Segundo São Tomás, o Espírito Santo é para nossa alma o que a alma mesma é para o nosso corpo. E assim, como um corpo não pode viver sem a alma, uma alma privada do Espírito Santo é morta, morta para a graça, morta ao santo amor, e incapaz de conquistar méritos para o Céu. Ai de quem expulsa com o próprio pecado o Doce Hóspede da Alma, porque expulsa o amor, a graça e perde a própria vida.

Sim, ó Cristão, o Espírito habita em ti. E se tens fé, deves estar convicto sempre desta verdade: Nunca te encontrarás sozinho. Está contigo o Doce Hóspede da Alma. Está contigo de dia e de noite, na fadiga e no repouso, na deficiência e na prosperidade. Contigo estará (e mais o do que nunca) na oração e na tribulação. Ah, se tu soubesses te valer da presença de um amigo tão bom e poderoso!

Se nas tentações, nos perigos e nas angústias te recordasses que possuis o Espírito Santo dentro de ti! E se a Ele recorresses prontamente quando preocupasses teu pequeno coração!

Pare o teu pensamento algumas vezes durante o dia na consideração desta dulcíssima verdade: O Espírito Santo habita em mim! Se pensares assim, não terás apenas alegrias, mas também novas forças para avançar nos caminhos da virtude.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Altíssimo Deus, que em tudo sempre sois Admirável e grande, mas ainda mais nas obras de amor, elegestes a alma cristã para Vosso Tabernáculo e não só lhe conferistes Vossos bens, mas doastes a Vós mesmo.

Ah! Se a Vossa bondade fosse ao menos apreciada por algumas almas, e se Vós não fosses tão contristado e ofendido por essas almas que deveriam amar-Vos tanto!

Arrependo-me ó Sumo Amor de ter tantas vezes, também eu, Vos contristado com a minha frieza, esquecimento e ingratidão. Arrependo-me também de ter vos expulsado do meu coração e dado lugar ao Vosso eterno inimigo, o pecado, e com esse, o demônio. Mas sei que uma sincera lágrima de arrependimento servirá para chamar-Vos. Sei que Sois mais amoroso que uma doce mãe. Sois sempre pronto a perdoar. Por isso, com confiança, Vos digo: Vem ó Espírito Santo; Vem a esta alma que não quer mais contristar-Vos, nem ofender-Vos jamais.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

3º dia

Oração Inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo, nosso Consolador

Depois do pecado original, a miserável descendência de Adão sofre pela dor, consequência não apenas do primeiro pecado, mas também das obras cometidas por nós mesmos. Ora, o Espírito Santo, que é Amor, não deixará sofrer seus amados sem derramar sobre eles muitíssimas consolações. E é porque Ele nos consola, que a Igreja O chama de “Consolador Perfeito”, e possui para Ele os mais doces nomes, como “Pai do Pobres”, “Repouso no cansaço”, “Doce Refrigério”, “Alívio no Pranto”. Se bem que Ele não nos tira das mãos aquele cálice da amargura que devemos beber à semelhança do Salvador.

Contudo, o Espírito Santo sabe misturar sua doçura às nossas amarguras nas dores que nos vem da parte das criaturas, Ele nos dá o conforto da Sua graça; nas desgraças, um doce e tranquilo impulso para nos conformarmos. Em cada sofrimento, o Espírito nos dá um raio de Sua luz que nos faz entender que por detrás daquele mal, existe um bem, e uma voz de verdade que nos recorda as eternas recompensas por sofrermos; e com Aquela voz de verdade, a alma atribulada é consolada pelo Perfeito Consolador que a ela se entrega.

Se temos um Perfeito Consolador, por que o mundo está repleto de aflitos? Por que em toda a parte se derramam lágrimas, e por que se escutam os gemidos de dor? Por que se chega ao suicídio? Infelizmente, devemos constatar que esses não conhecem o Espírito Santo, que é o Verdadeiro Consolador do homem, porque o sofrimento deles não possui conforto.

Mas por que isso acontece também entre os cristãos? A razão é clara: Também entre os cristãos, pouco se conhece e menos ainda se honra e se ora ao Espírito Consolador. Mas, se vemos almas que no sofrer se mantêm tranquilamente conformadas, podemos bendizer que elas estão com o Espírito Santo, e se vemos algumas que em meio às tribulações podem repetir como São Paulo que superabundam em alegria, podemos também dizer que estas são plenas do Espírito Santo e cheias da Verdadeira consolação.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó minha alma fraca e mesquinha, o Espírito Santo até agora não te preencheu de todas as divinas consolações, porque foi por ti pouco conhecido, menos honrado, e rara e friamente invocado.

Quando tristeza, abatimento, melancolia e toda espécie de dor oprimiam a minha alma, Vós ó Consolador Perfeito, esperavas de mim apenas um olhar, um suspiro, um lançar-se de filial confiança para derramar-me no seio de vossos divinos confortos. Perdoai minha ignorância e a falta de confiança com que Vos tenho tratado até agora. Neste momento, abro-Vos toda a minha alma, ó Divino Consolador, e Vos prometo que em todas as dores desta vida, recorrerei prontamente ao Vosso socorro, e não procurarei outro consolador senão Vós, ó Pai dos Pobres, Repouso no cansaço e Alívio no pranto.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

4º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

O Espírito Santo é o Doador dos dons

Sendo próprio do amor beneficiar e repartir dons, isso acontece principalmente com o Amor por excelência que é o Espírito Santo. E o faz para com as criaturas pobres e necessitadas que se confiam a tão grande Provedor, aquele que concede não só aquilo que lhe é pedido, mas dá em abundância diante de cada pedido e de cada desejo.

São seus verdadeiros devotos aqueles que d’Ele recebem um filial Temor que os afasta do pecado; que recebem uma fervorosa Piedade que os faz mais queridos a Deus e benevolentes com o próximo; uma Ciência que endereça os próprios juízos e faz com que vejam claramente as coisas de Deus; uma sobre-humana Fortaleza onde todo obstáculo seja superado; o celeste Conselho para distinguir os movimentos da graça e para eleger prudentemente os meios mais apropriados para a Salvação. Recebem enfim, um sobrenatural Intelecto que é sustento para a fé e luz para a vontade; e uma Sabedoria celeste, que os leva a conformar os pensamentos e vontades ao divino Beneplácito, colocando-os em perfeito acordo com Deus.

Como então, tendo um Benfeitor assim tão extenso de graças e de Dons, nós somos tão pobres? Pobre é o nosso espírito de celestes dons; paupérrimo é o nosso coração de virtudes; pobre e nua de méritos é nossa alma!… Mas de onde então surge a pobreza, enquanto estão abertos diante de nós os tesouros do Paráclito, e o Doador de todo bem que infinitamente nos ama? Sim, o Espírito Santo nos ama infinitamente, e concede os seus melhores dons àqueles que os desejam, a quem pede, a quem fielmente a eles correspondem.

Com uma mão no coração, ó cristão, reconheça a tua pobreza espiritual e diga como correspondestes às inspirações, às luzes, às graças do Paráclito. Desejastes ardentemente seus preciosos dons? Pedistes com fervorosa e constante oração? Afastastes teu coração das coisas da terra para te enriquecer dos tesouros do céu? Reflete e responda.

Momento para meditação pessoal

Oração

Confesso, ó Amante Supremo dos homens; confesso que a deplorável pobreza desta alma é pobreza consciente; eu mesmo me sujei, porque não só não apreciei, não desejei e não pedi com favores celestes, riquezas que Vós tão amorosamente derramais nas vossas criaturas, mas fiz pior ainda, eu que recebi tantas vezes da Vossa doce liberdade, tantos dons, inspirações e graças, não Vos correspondi, e como servo ingrato do Evangelho, enterrei os Vossos dons na lama mais negligente da minha preguiça, e na acídia da minha inércia. Ó meu Deus, quanto mal eu fiz à Vossa infinita bondade, e quanto mal eu fiz a mim mesmo.

Mas Vós sois o Amor, o Amor onipotente. Não queira castigar este servo infiel, mas aceitando meu arrependimento, o qual uno à promessa de corresponder para o futuro aos Vossos Dons. Curai, ó Bondade Infinita, os danos da minha infidelidade passada, e tornai a enriquecer-me benignamente dos Vossos Dons.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

5º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo e os Seus frutos

Chamamos Frutos do Espírito Santo aqueles preciosos efeitos que Ele produz nas almas, mediante a infusão dos Seus Dons, os quais, postos à disposição das almas, tornam-nas fecundas de atos sobrenaturais de virtudes, que são frutos de santidade e de vida eterna. A nossa natureza, viciada em Adão, é como uma árvore silvestre que dá frutos amargos e ingratos. O Espírito Santo realiza nestas árvores um saudável enxerto, que as faz de certo modo transformar a natureza, onde o suco vital, ou seja, a natural virtude operativa do homem, passando pelo novo enxerto, nele recebe as boas qualidades e dá frutos doces e salubres. E, falando propriamente, não é o homem que produz aqueles bons frutos, mas o Espírito Santo, princípio eternamente fecundo da vida sobrenatural.

Toda árvore, boa ou má, se conhece pelos frutos que produz; e cada ramo da árvore frutífera será por Deus podado a fim de que produza maior fruto (Cf. Jo 15, 3). Não basta, portanto, o enxerto para que uma árvore ruim produza bons frutos, é preciso que o empenhado agricultor faça a poda e que a cultive. E é aqui que acontece o miserável naufrágio da virtude de tantos cristãos que relutam diante do sofrimento. Gozam aqueles, de serem enxertados com o precioso broto da graça divina, mas não querem depois, que a mão providente do celeste Agricultor lhes pode, isto é, não querem despojar-se totalmente de seus afetos terrenos, não querem cortar generosamente suas paixões favoritas e mesmo que quisessem ser ramos frutíferos da árvore do paraíso, querem também reter em si os parasitas selvagens do antigo inimigo; isto é, afetos mundanos, amor próprio, orgulho, avareza e coisas semelhantes. Mas esses vergonhosos ramos, que mesmo diante do precioso enxerto permanecem selvagens e estéreis, no fim não serão rejeitados e lançados ao fogo?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito, se eu considero que também na minha alma realizas aquele enxerto salutar pelo qual esta mesma alma deveria produzir frutos de vida eterna, reflito na minha deplorável instabilidade, libero um amargo suspiro do meu coração… Onde estão aqueles frutos que eu, como ramo de uma árvore divina deveria produzir; aqueles frutos que deveriam estar maduros pelos ardores celestes do Espírito Santo? Quantos são? São perfeitos? Um outro amargo suspiro é a resposta! Mas de quem é a culpa desta vergonhosa esterilidade?

Senhor, eu me acuso diante dos Vossos pés: A culpa é minha, é toda minha! Eu não quis que pela Vossa Mão benéfica, fosse tirado de minha volta as ervas daninhas das paixões e dos vícios; e recusei o ferro saltar da mortificação cristã; a acídia se opôs em mim às santas obras; a frieza e a inconstância apagaram meu fervor; não correspondi fielmente às vossas graças, ó Divino Espírito. Sou semelhante a uma planta estéril e inútil, não estando apta senão a ser lançada ao fogo.

Meu Deus! Para o fogo do Inferno não quero ir. Lança-me mais ainda no Fogo do Vosso Amor, que purifica as almas e torna-as fecundas dos santos Frutos.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

6º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo é nosso Advogado

Os fracos, os órfãos, e os sem direitos, têm necessidade de um defensor, de um advogado, que tenha no coração os interesses deles e trabalhe para fazer-lhes o bem. Aos cristãos, não falta este Advogado. Foi o Amante Salvador que nos prometeu e nos deu; e é o seu mesmo Amor: O Espírito Santo. Mas quem poderá nos dizer todo bem que nos faz este divino Advogado; aquele Amor Eterno cujas obras, palavras e relações com as almas são todas amor?

E este Amor, como sabemos por meio de São Paulo, está especialmente conosco e vem em auxílio da nossa fraqueza quando rezamos. A nossa miséria é tão grande, que não sabemos rezar como convém; a nossa cegueira é tamanha que nem mesmo sabemos o que pedir. Mas é aqui que nos ajuda o Espírito Santo, que dentro de nós ora e suplica com gemidos inenarráveis; e porque Aquele que perscruta o nosso coração bem sabe aquilo que pedimos com tais gemidos inspirados pelo Espírito Santo, e nos dá a consoladora certeza de sermos ouvidos.

Portanto, Deus mesmo ora em mim! O Eterno Amor vem em nós suscitar santos gemidos e acende muitos afetos em nosso coração, dessa forma, nos ajuda a invocar a divina Misericórdia. O Espírito Santo reza em mim e eleva a minha alma às fontes da Vida Eterna para enriquecê-la de todo bem! O Espírito Santo ora em mim e me dá tanta eficácia nas minhas pobres forças, que preciso honrar e agradecer dignamente ao Altíssimo. O Espírito Santo ora em mim e os tesouros da graça divina se abrem diante de mim e a meu favor e também para todos aqueles por quem eu rezo.

O que pode ser negado para aquele cuja oração sobe ao céu unida aos gemidos inenarráveis do divino Amor? E mesmo se este fosse o único bem alcançado pela devoção ao Espírito Santo, já seríamos felizes o bastante.

O Espírito Santo rezará também naqueles que o esqueceram?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Advogado das almas, que sois todo Amor, sempre Amor, perfeito Amor, eu exulto e me alegro em saber que sois assim tão bom e que Vos dignastes morar dentro de nós, orar em nós e enviar ao Coração do Pai Celeste aqueles preciosos e inefáveis gemidos, que O movem a nos conceder toda graça. Como me arrependo agora, ó Espírito Santo, por ter Vos conhecido tão pouco e apreciado tão limitadamente Vosso infinito poder de intercessão e de oração dentro de mim!

Se a minha oração foi até agora distraída e ineficaz, isto aconteceu porque eu não pensava em Ti, meu divino Advogado, porque seguindo a confusão destes nossos tempos, eu não procurei a instrução religiosa e não cultivei a devoção para Convosco, meu Mestre, Consolador e Santificador da minha alma. Mas, a partir de agora, não será mais assim. Peço-Vos perdão, ó Espírito Santo, e prometo não Vos esquecer mais e Vos proclamar para os outros com as verdades católicas, que são luz para a mente e alegria para o coração.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

7º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

Oh, Divino Paráclito! És o Santificador das almas

Se o Criador não quisesse elevar a alma humana à vida sobrenatural, renovando a sua imagem e soprando sobre ela o Hálito Divino, estaríamos perdidos. Quando Deus se comunica com a criatura, soprando sobre ela, dá-lhe sempre espírito, vida, graça, amor, melhor dizendo, dá-lhe a Si mesmo. Uma criatura que possui o Espírito de Deus, certamente não pode viver apenas segundo as razões da natureza terrena, que quase sempre se opõem à graça divina que deseja nos elevar à participação da natureza divina.

Mas quem dará a uma criatura da terra, ajuda e força para viver segundo a sublime vocação de um ser divinizado? Este milagre é obra do Divino Espírito Santo, que é o Santificador das almas; o qual com força e suavidade conduz as almas ao santo viver, a que nós chamamos vida sobrenatural, que consiste não só em observar os mandamentos da lei de Deus, mas em dirigir a Ele sempre, todo o nosso ser, nosso querer, nosso fazer e sofrer, vivendo assim, unicamente para Ele.

O nome do Santificador das almas é dado ao Espírito Santo na Divina Escritura, para indicar que Ele é princípio e fonte de toda santidade, dEle vem as graças, as luzes, os confortos, e ajuda para nossa santificação. É de fato Ele que ilumina o pecador no seu estado de perigo, acorda-o do sono da morte, inspira-o no desejo de voltar para Deus, ajuda-o a curar o próprio coração daquele tríplice germe do mal, que consiste no orgulho, na sensualidade e na avareza. É Ele quem o faz olhar a doçura da virtude, a felicidade da paz e as consolações do divino amor. Reforma nosso interior, reprime cativas inspirações, mostrando a preciosidade dos sofrimentos e o prêmio das boas obras; Ele completa em nós a obra admirável de Deus, comunicando virtudes santificadoras as nossas ações.

Na verdade, o Divino Espírito, cumpre para conosco aquela promessa da Sagrada Escritura: Vos darei um coração novo e um espírito novo. Vos tirarei da vossa sepultura, (isto é, do mortífero estado da culpa), vos darei o meu Espírito e viverei. Eu disse, eu farei (Ez 37). Que mais poderia prometer o Senhor de tão consolador?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó meu Deus, considerando todas as obras do Vosso Amor, me dou conta que sempre são mais admiráveis do que todos os prodígios. O homem criado por Vós, vem elevado a um estado de excelência quase divina e pouco menor do que os anjos. Ó Deus, o homem pecou, perdeu o Espírito Santo, e se fez escravo de Lúcifer. Mas Vossa mão veio sobre o homem caído e o levantou do antigo terror. Para levantar o homem, o Divino Verbo se abaixou, até vestir a nossa natureza. Fostes ao patíbulo, e roubastes e satanás o poderio sobre os homens, que foram resgatados pelo sangue de Deus, feitos homens novos pelo Espírito Santo, que os enriquece de dons e graças, santifica-os abraça-os… Meu Deus!

E saber que esta maravilha de amor realizastes por nós e em nós, também por mim e em mim. Como farei para amar-Vos e não pensar senão em Vós, Ó Espírito Santo de Amor. Perdoai a mim, perdoai a todos os cristãos pela ingratidão de Vos termos esquecido e de agora em diante, Ó Divino Espírito, nos unirmos para glorificar-Vos e honrar-Vos, não como mereceis, porque é impossível, mas da melhor maneira que pudermos fazer.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

8º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

Nosso deveres para com o Espírito Santo

O Espírito Santo, como Deus, possui também todo o direito de adoração, submissão e amor, assim como devemos render ao Pai e ao Filho. Como Ele em participar, é o Santificador de nossas almas, e que em nós reside substancialmente, a Ele devemos o obséquio de uma humilde e confiante oração, para lhe pedir força, para vencer as tentações, luz para conhecer melhor os nossos deveres e a graça para santificar todas as nossas ações, a fim de que sejam agradáveis a Ele. Além do mais, devemos-lhe docilidade às suas inspirações e reconhecimento pelos seus incessantes benefícios.

Mas, como o Espírito Santo é Amor, e o Amor deve ser amado, entre todos esses deveres, o que deve reinar é a primazia do Amor. E porque nós, miseráveis criaturas, não poderemos jamais amar adequadamente o Amor Infinito, amemos ao menos como podemos, e procuremos que Ele seja também mais conhecido e mais amado pelos outros.

Mas como cumpriremos os nossos deveres para com o Espírito Santo, se rara e friamente nos recordamos dEle? O esquecimento é adoração? O esquecimento é gratidão? É amor? Não, ao contrário: é ingratidão, desamor e desprezo.

Para nós, que conscientemente vivemos no sobrenatural, existiria maior vergonha que viver toda a jornada como se o Espírito Santo não existisse, como se Ele não habitasse pessoalmente dentro de nós? Portanto, ó cristão, se quiseres cumprir todos os seus deveres para com o Espírito Santo comece a tê-Lo presente no seu pensamento, recorde várias vezes o Seu amor, os Seus benefícios, e entre todas as suas devoções não falte, ou melhor, abundem obséquios e orações em Sua honra.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito Santo, como eu me enganava pensando que fosse somente com os meus pecados que te contristaria! Agora sei que te contristei mais ainda quando te esqueci. Mas Quem é também o mais esquecido entre os fiéis? E se nem mesmo O recordamos ó Eterno Amor, como poderemos cumprir nossos deveres para Convosco?

Devemos gemer sobre a nossa ingratidão e pedi perdão. E ao Te perdirmos perdão, ó Espírito Santo, devemos acrescentar a promessa de honrar-Vos no futuro com atos de especial adoração e de verdadeiro reconhecimento. Sois autor e doador da graça, Santificador e Doce Hóspede da alma, por tudo isto com total devoção devemos voltar para Vós todos os nossos pensamentos.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

9º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

Os benefícios do Espírito Santo

Sem dúvida, os benefícios revelam o Benfeitor, e quanto mais excelentes e múltiplos são os benefícios, tanto indicam ser mais excelente e mais amoroso o Benfeitor. Nós nunca poderemos chegar a conhecer todos os benefícios que recebemos do Espírito Santo. A Igreja, por outro lado, com os nomes que O concede, nos mostra grande parte de suas graças: Chamando-O de Luz dos Corações, a Igreja nos revela a bela graça que Ele, o Espírito Santo, compartilha conosco através das explicações Divinas. Chamando-O de Fogo, nos recorda como por meio dEle vem ao nosso coração as chamas do Divino Amor. Como Doce Hóspede da alma, nos assegura a sua presença em nós. E ainda como Pai dos Pobres, Dispensador de Dons, Fonte Viva, Consolador Perfeito nos acrescenta múltiplos benefícios que recebemos incessantemente por Ele!

Pelas simbólicas formas que quis assumir para dirigir-se aos mortais, se conhece como melhor via, os benefícios do Paráclito.

No Batismo do Salvador, o Espírito Santo assume a forma de uma cândida Pomba. No Mistério da Transfiguração de Nosso Senhor, S. Ambrósio, S. Tomás e outros, reconhecem o Espírito Santo na fúlgida nuvem que aparece sobre o Tabor, simbolizando a amorosa proteção do Paráclito sobre nós, e ao mesmo tempo o princípio daquela sobrenatural fecundidade, que o próprio Espírito Santo infunde nas almas. Quando depois, aparece no Cenáculo como Celeste Fogo, distribui muitos dos seus benefícios, e principalmente aquele de esclarecer e de inflamar as almas de santos ardores; de comunicá-las a admirável atitude de fazer o bem e de conduzi-las a agir, não mais humanamente e segundo a natureza, mas divinamente e segundo a graça. E como o fogo converte em fogo aquilo que nele é imerso, assim o Divino Fogo do Espírito Santo se não pode fazer-nos divinos por natureza, torna-nos pela graça.

Admira, ó alma fiel, estas maravilhas de amor, e diz se não serão para ti grandes vantagens. Como devotos do Espírito Santo, seguramente possuiremos seus benefícios.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito, entre todos os Vossos dons, existe um infinitamente mais precioso que os outros; Dom que não tem nome particular, porque sois Vós mesmo que verdadeiramente Vos doais às almas justas. Mas porque eu disse que Aquele Dom não tem nome? É claro que tem, dado por Vós, que o chamou Dom Altíssimo de Deus, e não existe outro nome que melhor O convenha. O que farão as nossas almas no fim desta Novena, ó Espírito Santo? Pediremos o Dom do Altíssimo Deus, Vós mesmo! E para obtê-Lo, deixaremos lugar no nosso coração, tirando todo afeto que não Vos agrada. E vós, Eterno Amor, o que fareis? Ah, fazei tudo o que fizeste no Cenáculo!

Vem! Vem! Vem! Visitai as mentes dos Vossos servos e enchei os corações de abundantes graças. Vem! E com as Vossas chamas, erradicai de nós o velho Adão. Vem! E se apossando das potências da minha alma e dos meus sentidos, regulai e dirigi todos os meus atos para Vós. Estendei todos os Vossos benefícios a todos os crentes, e assim obteremos mais rapidamente a renovação da face da Terra.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai NossoAve MariaGlória ao Pai

Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator ().

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

Esta Obra tem os Direitos Autorais reservados à Editora Cenáculo Universal, assim como todas as obras da Beata Elena Guerra. Elas podem ser encontradas no site , ou pelo email . Adquira também suas obras pelos telefones (21)2734-3381 ou Whatsapp (21)98494-2479.

Fonte: http://www.comshalom.org

Novena em honra ao Espírito Santo, composta pela Beata Elena Guerra

0

1º dia

Oração Inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

As ações do Espírito Santo em nossas almas

Essa belíssima e nobre criatura que é a alma humana, criada pela paterna Mão de Deus, foi pelo Eterno Amor enriquecida das mais eleitas virtudes; que nela produz seus frutos, graças à ação vivificante do mesmo Amor que é o Espírito Santo.
As ações deste Divino Espírito nas almas são admiráveis, e quanto mais as contemplamos, tanto mais nos enchemos de maravilha e de consolação. Inacessível por sua natureza, o Espírito Santo se torna acessível por sua infinita bondade, sobretudo para as almas que O desejam, e a elas se comunica de modo inexplicável. Ele as enche de Si, e as faz sentir Sua presença com luzes, inspirações, confortos graças de todas as maneiras. E por mais que seja simples na sua essência, é variado e múltiplo nos seus efeitos. E na obra da santificação das almas, pode-se afirmar que o Espírito Santo é tudo em todos.

Este dogma da inefável operação do Espírito Santo na alma do cristão mostra claramente uma verdade que eleva a uma dignidade incompreensível: Eis uma expressão desta verdade. “Um Deus se ocupa de mim. Um Deus se preocupa em me fazer o bem. O desejo pela minha perfeição é a sua predileta ocupação! Ele trabalha em mim, pensa sempre em mim, não cessa de trabalhar por mim!”. E por que tudo isso? Porque me ama e me ama infinitamente! Por quê? Porque eu sou uma feliz criatura dos eternos e amorosos cuidados de Deus!

Se esta verdade fosse por ti bem considerada e bem entendida, que mais te importaria, ó alma cristã, das coisas da terra? Tu, tão amada por Deus, como poderia não aproveitar Seus afetos, desperdiçando-os pelos bens desta terra? Ah, se conhecesses a ti mesma e Aquele que opera em ti, estarias morta para o mundo e o mundo estaria morto para ti, e viverias desde agora toda em Deus!

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Espírito Santo, Eterno Amor, esta pobre alma não encontra palavras para exprimir a doce maravilha e o reconhecimento que experimenta pensando em Vós, ó Altíssimo Deus, que Vos dignastes Vos ocupar desta mesquinha criatura e de fazer-lhe continuamente o bem. Agradeço-Vos de coração; mas ao mesmo tempo, sinto necessidade de pedir-Vos perdão por ter apreciado tão pouco e correspondido tão mal até agora ao Vosso amoroso “operar” na minha alma. Vós, que me encheis de favores e favores tão grandes que não consigo nem mesmo compreendê-los, acrescentai-me um outro favor: aquele de fazer-me apreciar, ó Divino Espírito, os benefícios do Vosso Amor, e de ajudar-me a corresponder-Vos fielmente.

Abri ó Espírito Santo, com aquela luz da qual sois origem e fonte, os olhos da minha mente, e fazendo-me melhor conhecer os efeitos do infinito amor que me trazeis, movei ó Espírito Santo, o meu coração à verdadeira e constante correspondência.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna! Amém!

2º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

O Espírito Santo habita em nós

É esta uma consoladora verdade expressa no Evangelho (Cf. Mt 10, 20), e confirmada pelo Apóstolo Paulo quando escreve aos Coríntios: “Não sabeis que o Espírito Santo habita em vós? E não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo?” É também por isso que a Igreja Católica se alegra em chamar o Divino Espírito de “Doce Hóspede da Alma”. Hóspede que reveste da graça santificante, que irriga da divina luz, que a faz capaz de obras merecedoras da vida eterna.

Segundo São Tomás, o Espírito Santo é para nossa alma o que a alma mesma é para o nosso corpo. E assim, como um corpo não pode viver sem a alma, uma alma privada do Espírito Santo é morta, morta para a graça, morta ao santo amor, e incapaz de conquistar méritos para o Céu. Ai de quem expulsa com o próprio pecado o Doce Hóspede da Alma, porque expulsa o amor, a graça e perde a própria vida.

Sim, ó Cristão, o Espírito habita em ti. E se tens fé, deves estar convicto sempre desta verdade: Nunca te encontrarás sozinho. Está contigo o Doce Hóspede da Alma. Está contigo de dia e de noite, na fadiga e no repouso, na deficiência e na prosperidade. Contigo estará (e mais o do que nunca) na oração e na tribulação. Ah, se tu soubesses te valer da presença de um amigo tão bom e poderoso!

Se nas tentações, nos perigos e nas angústias te recordasses que possuis o Espírito Santo dentro de ti! E se a Ele recorresses prontamente quando preocupasses teu pequeno coração!

Pare o teu pensamento algumas vezes durante o dia na consideração desta dulcíssima verdade: O Espírito Santo habita em mim! Se pensares assim, não terás apenas alegrias, mas também novas forças para avançar nos caminhos da virtude.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Altíssimo Deus, que em tudo sempre sois Admirável e grande, mas ainda mais nas obras de amor, elegestes a alma cristã para Vosso Tabernáculo e não só lhe conferistes Vossos bens, mas doastes a Vós mesmo.

Ah! Se a Vossa bondade fosse ao menos apreciada por algumas almas, e se Vós não fosses tão contristado e ofendido por essas almas que deveriam amar-Vos tanto!

Arrependo-me ó Sumo Amor de ter tantas vezes, também eu, Vos contristado com a minha frieza, esquecimento e ingratidão. Arrependo-me também de ter vos expulsado do meu coração e dado lugar ao Vosso eterno inimigo, o pecado, e com esse, o demônio. Mas sei que uma sincera lágrima de arrependimento servirá para chamar-Vos. Sei que Sois mais amoroso que uma doce mãe. Sois sempre pronto a perdoar. Por isso, com confiança, Vos digo: Vem ó Espírito Santo; Vem a esta alma que não quer mais contristar-Vos, nem ofender-Vos jamais.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

3º dia

Oração Inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo, nosso Consolador

Depois do pecado original, a miserável descendência de Adão sofre pela dor, consequência não apenas do primeiro pecado, mas também das obras cometidas por nós mesmos. Ora, o Espírito Santo, que é Amor, não deixará sofrer seus amados sem derramar sobre eles muitíssimas consolações. E é porque Ele nos consola, que a Igreja O chama de “Consolador Perfeito”, e possui para Ele os mais doces nomes, como “Pai do Pobres”, “Repouso no cansaço”, “Doce Refrigério”, “Alívio no Pranto”. Se bem que Ele não nos tira das mãos aquele cálice da amargura que devemos beber à semelhança do Salvador.

Contudo, o Espírito Santo sabe misturar sua doçura às nossas amarguras nas dores que nos vem da parte das criaturas, Ele nos dá o conforto da Sua graça; nas desgraças, um doce e tranquilo impulso para nos conformarmos. Em cada sofrimento, o Espírito nos dá um raio de Sua luz que nos faz entender que por detrás daquele mal, existe um bem, e uma voz de verdade que nos recorda as eternas recompensas por sofrermos; e com Aquela voz de verdade, a alma atribulada é consolada pelo Perfeito Consolador que a ela se entrega.

Se temos um Perfeito Consolador, por que o mundo está repleto de aflitos? Por que em toda a parte se derramam lágrimas, e por que se escutam os gemidos de dor? Por que se chega ao suicídio? Infelizmente, devemos constatar que esses não conhecem o Espírito Santo, que é o Verdadeiro Consolador do homem, porque o sofrimento deles não possui conforto.

Mas por que isso acontece também entre os cristãos? A razão é clara: Também entre os cristãos, pouco se conhece e menos ainda se honra e se ora ao Espírito Consolador. Mas, se vemos almas que no sofrer se mantêm tranquilamente conformadas, podemos bendizer que elas estão com o Espírito Santo, e se vemos algumas que em meio às tribulações podem repetir como São Paulo que superabundam em alegria, podemos também dizer que estas são plenas do Espírito Santo e cheias da Verdadeira consolação.

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó minha alma fraca e mesquinha, o Espírito Santo até agora não te preencheu de todas as divinas consolações, porque foi por ti pouco conhecido, menos honrado, e rara e friamente invocado.

Quando tristeza, abatimento, melancolia e toda espécie de dor oprimiam a minha alma, Vós ó Consolador Perfeito, esperavas de mim apenas um olhar, um suspiro, um lançar-se de filial confiança para derramar-me no seio de vossos divinos confortos. Perdoai minha ignorância e a falta de confiança com que Vos tenho tratado até agora. Neste momento, abro-Vos toda a minha alma, ó Divino Consolador, e Vos prometo que em todas as dores desta vida, recorrerei prontamente ao Vosso socorro, e não procurarei outro consolador senão Vós, ó Pai dos Pobres, Repouso no cansaço e Alívio no pranto.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:
Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

4º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém!

Meditações

O Espírito Santo é o Doador dos dons

Sendo próprio do amor beneficiar e repartir dons, isso acontece principalmente com o Amor por excelência que é o Espírito Santo. E o faz para com as criaturas pobres e necessitadas que se confiam a tão grande Provedor, aquele que concede não só aquilo que lhe é pedido, mas dá em abundância diante de cada pedido e de cada desejo.

São seus verdadeiros devotos aqueles que d’Ele recebem um filial Temor que os afasta do pecado; que recebem uma fervorosa Piedade que os faz mais queridos a Deus e benevolentes com o próximo; uma Ciência que endereça os próprios juízos e faz com que vejam claramente as coisas de Deus; uma sobre-humana Fortaleza onde todo obstáculo seja superado; o celeste Conselho para distinguir os movimentos da graça e para eleger prudentemente os meios mais apropriados para a Salvação. Recebem enfim, um sobrenatural Intelecto que é sustento para a fé e luz para a vontade; e uma Sabedoria celeste, que os leva a conformar os pensamentos e vontades ao divino Beneplácito, colocando-os em perfeito acordo com Deus.

Como então, tendo um Benfeitor assim tão extenso de graças e de Dons, nós somos tão pobres? Pobre é o nosso espírito de celestes dons; paupérrimo é o nosso coração de virtudes; pobre e nua de méritos é nossa alma!… Mas de onde então surge a pobreza, enquanto estão abertos diante de nós os tesouros do Paráclito, e o Doador de todo bem que infinitamente nos ama? Sim, o Espírito Santo nos ama infinitamente, e concede os seus melhores dons àqueles que os desejam, a quem pede, a quem fielmente a eles correspondem.

Com uma mão no coração, ó cristão, reconheça a tua pobreza espiritual e diga como correspondestes às inspirações, às luzes, às graças do Paráclito. Desejastes ardentemente seus preciosos dons? Pedistes com fervorosa e constante oração? Afastastes teu coração das coisas da terra para te enriquecer dos tesouros do céu? Reflete e responda.

Momento para meditação pessoal

Oração

Confesso, ó Amante Supremo dos homens; confesso que a deplorável pobreza desta alma é pobreza consciente; eu mesmo me sujei, porque não só não apreciei, não desejei e não pedi com favores celestes, riquezas que Vós tão amorosamente derramais nas vossas criaturas, mas fiz pior ainda, eu que recebi tantas vezes da Vossa doce liberdade, tantos dons, inspirações e graças, não Vos correspondi, e como servo ingrato do Evangelho, enterrei os Vossos dons na lama mais negligente da minha preguiça, e na acídia da minha inércia. Ó meu Deus, quanto mal eu fiz à Vossa infinita bondade, e quanto mal eu fiz a mim mesmo.

Mas Vós sois o Amor, o Amor onipotente. Não queira castigar este servo infiel, mas aceitando meu arrependimento, o qual uno à promessa de corresponder para o futuro aos Vossos Dons. Curai, ó Bondade Infinita, os danos da minha infidelidade passada, e tornai a enriquecer-me benignamente dos Vossos Dons.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

5º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo e os Seus frutos

Chamamos Frutos do Espírito Santo aqueles preciosos efeitos que Ele produz nas almas, mediante a infusão dos Seus Dons, os quais, postos à disposição das almas, tornam-nas fecundas de atos sobrenaturais de virtudes, que são frutos de santidade e de vida eterna. A nossa natureza, viciada em Adão, é como uma árvore silvestre que dá frutos amargos e ingratos. O Espírito Santo realiza nestas árvores um saudável enxerto, que as faz de certo modo transformar a natureza, onde o suco vital, ou seja, a natural virtude operativa do homem, passando pelo novo enxerto, nele recebe as boas qualidades e dá frutos doces e salubres. E, falando propriamente, não é o homem que produz aqueles bons frutos, mas o Espírito Santo, princípio eternamente fecundo da vida sobrenatural.

Toda árvore, boa ou má, se conhece pelos frutos que produz; e cada ramo da árvore frutífera será por Deus podado a fim de que produza maior fruto (Cf. Jo 15, 3). Não basta, portanto, o enxerto para que uma árvore ruim produza bons frutos, é preciso que o empenhado agricultor faça a poda e que a cultive. E é aqui que acontece o miserável naufrágio da virtude de tantos cristãos que relutam diante do sofrimento. Gozam aqueles, de serem enxertados com o precioso broto da graça divina, mas não querem depois, que a mão providente do celeste Agricultor lhes pode, isto é, não querem despojar-se totalmente de seus afetos terrenos, não querem cortar generosamente suas paixões favoritas e mesmo que quisessem ser ramos frutíferos da árvore do paraíso, querem também reter em si os parasitas selvagens do antigo inimigo; isto é, afetos mundanos, amor próprio, orgulho, avareza e coisas semelhantes. Mas esses vergonhosos ramos, que mesmo diante do precioso enxerto permanecem selvagens e estéreis, no fim não serão rejeitados e lançados ao fogo?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito, se eu considero que também na minha alma realizas aquele enxerto salutar pelo qual esta mesma alma deveria produzir frutos de vida eterna, reflito na minha deplorável instabilidade, libero um amargo suspiro do meu coração… Onde estão aqueles frutos que eu, como ramo de uma árvore divina deveria produzir; aqueles frutos que deveriam estar maduros pelos ardores celestes do Espírito Santo? Quantos são? São perfeitos? Um outro amargo suspiro é a resposta! Mas de quem é a culpa desta vergonhosa esterilidade?

Senhor, eu me acuso diante dos Vossos pés: A culpa é minha, é toda minha! Eu não quis que pela Vossa Mão benéfica, fosse tirado de minha volta as ervas daninhas das paixões e dos vícios; e recusei o ferro saltar da mortificação cristã; a acídia se opôs em mim às santas obras; a frieza e a inconstância apagaram meu fervor; não correspondi fielmente às vossas graças, ó Divino Espírito. Sou semelhante a uma planta estéril e inútil, não estando apta senão a ser lançada ao fogo.

Meu Deus! Para o fogo do Inferno não quero ir. Lança-me mais ainda no Fogo do Vosso Amor, que purifica as almas e torna-as fecundas dos santos Frutos.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

6º dia

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

O Espírito Santo é nosso Advogado

Os fracos, os órfãos, e os sem direitos, têm necessidade de um defensor, de um advogado, que tenha no coração os interesses deles e trabalhe para fazer-lhes o bem. Aos cristãos, não falta este Advogado. Foi o Amante Salvador que nos prometeu e nos deu; e é o seu mesmo Amor: O Espírito Santo. Mas quem poderá nos dizer todo bem que nos faz este divino Advogado; aquele Amor Eterno cujas obras, palavras e relações com as almas são todas amor?

E este Amor, como sabemos por meio de São Paulo, está especialmente conosco e vem em auxílio da nossa fraqueza quando rezamos. A nossa miséria é tão grande, que não sabemos rezar como convém; a nossa cegueira é tamanha que nem mesmo sabemos o que pedir. Mas é aqui que nos ajuda o Espírito Santo, que dentro de nós ora e suplica com gemidos inenarráveis; e porque Aquele que perscruta o nosso coração bem sabe aquilo que pedimos com tais gemidos inspirados pelo Espírito Santo, e nos dá a consoladora certeza de sermos ouvidos.

Portanto, Deus mesmo ora em mim! O Eterno Amor vem em nós suscitar santos gemidos e acende muitos afetos em nosso coração, dessa forma, nos ajuda a invocar a divina Misericórdia. O Espírito Santo reza em mim e eleva a minha alma às fontes da Vida Eterna para enriquecê-la de todo bem! O Espírito Santo ora em mim e me dá tanta eficácia nas minhas pobres forças, que preciso honrar e agradecer dignamente ao Altíssimo. O Espírito Santo ora em mim e os tesouros da graça divina se abrem diante de mim e a meu favor e também para todos aqueles por quem eu rezo.

O que pode ser negado para aquele cuja oração sobe ao céu unida aos gemidos inenarráveis do divino Amor? E mesmo se este fosse o único bem alcançado pela devoção ao Espírito Santo, já seríamos felizes o bastante.

O Espírito Santo rezará também naqueles que o esqueceram?

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Advogado das almas, que sois todo Amor, sempre Amor, perfeito Amor, eu exulto e me alegro em saber que sois assim tão bom e que Vos dignastes morar dentro de nós, orar em nós e enviar ao Coração do Pai Celeste aqueles preciosos e inefáveis gemidos, que O movem a nos conceder toda graça. Como me arrependo agora, ó Espírito Santo, por ter Vos conhecido tão pouco e apreciado tão limitadamente Vosso infinito poder de intercessão e de oração dentro de mim!

Se a minha oração foi até agora distraída e ineficaz, isto aconteceu porque eu não pensava em Ti, meu divino Advogado, porque seguindo a confusão destes nossos tempos, eu não procurei a instrução religiosa e não cultivei a devoção para Convosco, meu Mestre, Consolador e Santificador da minha alma. Mas, a partir de agora, não será mais assim. Peço-Vos perdão, ó Espírito Santo, e prometo não Vos esquecer mais e Vos proclamar para os outros com as verdades católicas, que são luz para a mente e alegria para o coração.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

7º dia

 

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

 

Oh, Divino Paráclito! És o Santificador das almas

 

Se o Criador não quisesse elevar a alma humana à vida sobrenatural, renovando a sua imagem e soprando sobre ela o Hálito Divino, estaríamos perdidos. Quando Deus se comunica com a criatura, soprando sobre ela, dá-lhe sempre espírito, vida, graça, amor, melhor dizendo, dá-lhe a Si mesmo. Uma criatura que possui o Espírito de Deus, certamente não pode viver apenas segundo as razões da natureza terrena, que quase sempre se opõem à graça divina que deseja nos elevar à participação da natureza divina.

 

Mas quem dará a uma criatura da terra, ajuda e força para viver segundo a sublime vocação de um ser divinizado? Este milagre é obra do Divino Espírito Santo, que é o Santificador das almas; o qual com força e suavidade conduz as almas ao santo viver, a que nós chamamos vida sobrenatural, que consiste não só em observar os mandamentos da lei de Deus, mas em dirigir a Ele sempre, todo o nosso ser, nosso querer, nosso fazer e sofrer, vivendo assim, unicamente para Ele.

 

O nome do Santificador das almas é dado ao Espírito Santo na Divina Escritura, para indicar que Ele é princípio e fonte de toda santidade, dEle vem as graças, as luzes, os confortos, e ajuda para nossa santificação. É de fato Ele que ilumina o pecador no seu estado de perigo, acorda-o do sono da morte, inspira-o no desejo de voltar para Deus, ajuda-o a curar o próprio coração daquele tríplice germe do mal, que consiste no orgulho, na sensualidade e na avareza. É Ele quem o faz olhar a doçura da virtude, a felicidade da paz e as consolações do divino amor. Reforma nosso interior, reprime cativas inspirações, mostrando a preciosidade dos sofrimentos e o prêmio das boas obras; Ele completa em nós a obra admirável de Deus, comunicando virtudes santificadoras as nossas ações.

 

Na verdade, o Divino Espírito, cumpre para conosco aquela promessa da Sagrada Escritura: Vos darei um coração novo e um espírito novo. Vos tirarei da vossa sepultura, (isto é, do mortífero estado da culpa), vos darei o meu Espírito e viverei. Eu disse, eu farei (Ez 37). Que mais poderia prometer o Senhor de tão consolador?

 

Momento para meditação pessoal

Oração

 

Ó meu Deus, considerando todas as obras do Vosso Amor, me dou conta que sempre são mais admiráveis do que todos os prodígios. O homem criado por Vós, vem elevado a um estado de excelência quase divina e pouco menor do que os anjos. Ó Deus, o homem pecou, perdeu o Espírito Santo, e se fez escravo de Lúcifer. Mas Vossa mão veio sobre o homem caído e o levantou do antigo terror. Para levantar o homem, o Divino Verbo se abaixou, até vestir a nossa natureza. Fostes ao patíbulo, e roubastes e satanás o poderio sobre os homens, que foram resgatados pelo sangue de Deus, feitos homens novos pelo Espírito Santo, que os enriquece de dons e graças, santifica-os abraça-os… Meu Deus!

E saber que esta maravilha de amor realizastes por nós e em nós, também por mim e em mim. Como farei para amar-Vos e não pensar senão em Vós, Ó Espírito Santo de Amor. Perdoai a mim, perdoai a todos os cristãos pela ingratidão de Vos termos esquecido e de agora em diante, Ó Divino Espírito, nos unirmos para glorificar-Vos e honrar-Vos, não como mereceis, porque é impossível, mas da melhor maneira que pudermos fazer.

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

8º dia

 

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

 

Nosso deveres para com o Espírito Santo

 

O Espírito Santo, como Deus, possui também todo o direito de adoração, submissão e amor, assim como devemos render ao Pai e ao Filho. Como Ele em participar, é o Santificador de nossas almas, e que em nós reside substancialmente, a Ele devemos o obséquio de uma humilde e confiante oração, para lhe pedir força, para vencer as tentações, luz para conhecer melhor os nossos deveres e a graça para santificar todas as nossas ações, a fim de que sejam agradáveis a Ele. Além do mais, devemos-lhe docilidade às suas inspirações e reconhecimento pelos seus incessantes benefícios.

 

Mas, como o Espírito Santo é Amor, e o Amor deve ser amado, entre todos esses deveres, o que deve reinar é a primazia do Amor. E porque nós, miseráveis criaturas, não poderemos jamais amar adequadamente o Amor Infinito, amemos ao menos como podemos, e procuremos que Ele seja também mais conhecido e mais amado pelos outros.

 

Mas como cumpriremos os nossos deveres para com o Espírito Santo, se rara e friamente nos recordamos dEle? O esquecimento é adoração? O esquecimento é gratidão? É amor? Não, ao contrário: é ingratidão, desamor e desprezo.

 

Para nós, que conscientemente vivemos no sobrenatural, existiria maior vergonha que viver toda a jornada como se o Espírito Santo não existisse, como se Ele não habitasse pessoalmente dentro de nós? Portanto, ó cristão, se quiseres cumprir todos os seus deveres para com o Espírito Santo comece a tê-Lo presente no seu pensamento, recorde várias vezes o Seu amor, os Seus benefícios, e entre todas as suas devoções não falte, ou melhor, abundem obséquios e orações em Sua honra.

 

Momento para meditação pessoal

Oração

Ó Divino Espírito Santo, como eu me enganava pensando que fosse somente com os meus pecados que te contristaria! Agora sei que te contristei mais ainda quando te esqueci. Mas Quem é também o mais esquecido entre os fiéis? E se nem mesmo O recordamos ó Eterno Amor, como poderemos cumprir nossos deveres para Convosco?

 

Devemos gemer sobre a nossa ingratidão e pedi perdão. E ao Te perdirmos perdão, ó Espírito Santo, devemos acrescentar a promessa de honrar-Vos no futuro com atos de especial adoração e de verdadeiro reconhecimento. Sois autor e doador da graça, Santificador e Doce Hóspede da alma, por tudo isto com total devoção devemos voltar para Vós todos os nossos pensamentos.

 

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

9º dia

 

Oração inicial

Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!
Oremos: Deus que instruístes os corações dos Vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de Suas consolações, por Cristo Senhor Nosso. Amém.

Oração antes da meditação

Ó Divino Espírito, que pela Igreja sois chamado Criador, não somente porque és em relação a nós, criaturas; mas também, porque movendo nas nossas almas, santos pensamentos e afetos, criais em nós aquela santidade que é obra Vossa! Venha também sobre nós a Vossa benéfica virtude, e enquanto nós Vos honrarmos com este devoto exercício, digne-se a visitar com a Tua Divina Luz a nossa mente, e com Tua Suprema Graça o nosso coração, para que as nossas orações subam agradáveis a Vós, e do Céu, desça sobre nós a abundância de Vossas divinas misericórdias. Amém.

Meditações

 

Os benefícios do Espírito Santo

 

Sem dúvida, os benefícios revelam o Benfeitor, e quanto mais excelentes e múltiplos são os benefícios, tanto indicam ser mais excelente e mais amoroso o Benfeitor. Nós nunca poderemos chegar a conhecer todos os benefícios que recebemos do Espírito Santo. A Igreja, por outro lado, com os nomes que O concede, nos mostra grande parte de suas graças: Chamando-O de Luz dos Corações, a Igreja nos revela a bela graça que Ele, o Espírito Santo, compartilha conosco através das explicações Divinas. Chamando-O de Fogo, nos recorda como por meio dEle vem ao nosso coração as chamas do Divino Amor. Como Doce Hóspede da alma, nos assegura a sua presença em nós. E ainda como Pai dos Pobres, Dispensador de Dons, Fonte Viva, Consolador Perfeito nos acrescenta múltiplos benefícios que recebemos incessantemente por Ele!

 

Pelas simbólicas formas que quis assumir para dirigir-se aos mortais, se conhece como melhor via, os benefícios do Paráclito.

 

No Batismo do Salvador, o Espírito Santo assume a forma de uma cândida Pomba. No Mistério da Transfiguração de Nosso Senhor, S. Ambrósio, S. Tomás e outros, reconhecem o Espírito Santo na fúlgida nuvem que aparece sobre o Tabor, simbolizando a amorosa proteção do Paráclito sobre nós, e ao mesmo tempo o princípio daquela sobrenatural fecundidade, que o próprio Espírito Santo infunde nas almas. Quando depois, aparece no Cenáculo como Celeste Fogo, distribui muitos dos seus benefícios, e principalmente aquele de esclarecer e de inflamar as almas de santos ardores; de comunicá-las a admirável atitude de fazer o bem e de conduzi-las a agir, não mais humanamente e segundo a natureza, mas divinamente e segundo a graça. E como o fogo converte em fogo aquilo que nele é imerso, assim o Divino Fogo do Espírito Santo se não pode fazer-nos divinos por natureza, torna-nos pela graça.

 

Admira, ó alma fiel, estas maravilhas de amor, e diz se não serão para ti grandes vantagens. Como devotos do Espírito Santo, seguramente possuiremos seus benefícios.

 

Momento para meditação pessoal

Oração

 

Ó Divino Espírito, entre todos os Vossos dons, existe um infinitamente mais precioso que os outros; Dom que não tem nome particular, porque sois Vós mesmo que verdadeiramente Vos doais às almas justas. Mas porque eu disse que Aquele Dom não tem nome? É claro que tem, dado por Vós, que o chamou Dom Altíssimo de Deus, e não existe outro nome que melhor O convenha. O que farão as nossas almas no fim desta Novena, ó Espírito Santo? Pediremos o Dom do Altíssimo Deus, Vós mesmo! E para obtê-Lo, deixaremos lugar no nosso coração, tirando todo afeto que não Vos agrada. E vós, Eterno Amor, o que fareis? Ah, fazei tudo o que fizeste no Cenáculo!

 

Vem! Vem! Vem! Visitai as mentes dos Vossos servos e enchei os corações de abundantes graças. Vem! E com as Vossas chamas, erradicai de nós o velho Adão. Vem! E se apossando das potências da minha alma e dos meus sentidos, regulai e dirigi todos os meus atos para Vós. Estendei todos os Vossos benefícios a todos os crentes, e assim obteremos mais rapidamente a renovação da face da Terra.

 

Oração Final

Ó prometido e suspirado Consolador, Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, que escutando a unânime oração dos discípulos do Salvador, fraternalmente reunidos no Cenáculo, descestes para consolar e santificar a Igreja nascente; Sede propício às nossas súplicas, reacendei o Vosso Divino Fogo nos corações dos homens. Fazei resplandecer a Vossa luz até os confins da Terra; chamai novamente ao seio da Mãe Igreja Romana todas as Igrejas separadas.

Ó Espírito Santo, que sois o Amor, piedade de tanta mediocridade e de tantas almas que se perdem! Fazei com que rapidamente aconteça aquilo que Davi profetizava dizendo: “Mandai o Teu Espírito”. Fazei-nos novas criaturas, e assim renovareis a face da Terra. A partir desta consoladora profecia, unidos em oração, como nos ensina a Igreja, com plena confiança repitamos: Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra!

Rezar as seguintes orações:

Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai
Canto do Espiríto Santo

Nesta Novena, a Beata recomenda que seja cantando o Veni Creator (Acesse aqui o hino).

Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Amém.

Você merece mais do que migalhas – Shalom Catholic Community

0

Estamos acostumados a ver casais de namorados que se ferem, terminam e reatam da noite para o dia. Estamos acostumados a ver pessoas que engatam um namoro atrás do outro. Gente que sai à caça nas baladas e nos aplicativos de relacionamento.  Quem aceita receber muito menos do que sabe que merece. É. O problema é este: Acostumamos demais.

No descompasso da vida, as frustrações acumuladas fazem com que muitos se tornem susceptíveis a aceitarem qualquer coisa. O interessante é que nos questionamos diariamente onde está o amor de verdade. Quando foi a última vez que recebemos flores? Um cartão com frases que não foram copiadas da internet? Um gesto de delicadeza mínimo e singular? Do tipo sem preço e elaborado sem pressa.

Endurecemos tanto assim?

Há também quem fique presa ao tipo que vive em cima do muro. Aquele homem que não se decide. A questão é: não se brinca com sentimentos alheios, e quem não é capaz de tomar uma decisão, já está tomando uma. Relacionamento de verdade inclui esforço, escolhas e renúncias, e quem não sabe que rumo tomar, precisa ter o mínimo de respeito e consideração para não empacar a vida da outra pessoa. É necessário atitude e delicadeza para deixar tudo em pratos limpos. O amor inclui esperas, sim, mas não queremos esperar eternamente. Não devemos.

Lindo mesmo é olhar para o lado e encontrar alguém que escolheu ficar. Alguém para quem valha a pena doar seu tempo e seu afeto.  A quem você não tenha que se esforçar demais para caber no mundo dele. Em uma parceria de verdade, ganhamos flores e aconchego. É justo que seja assim. Com manifestações concretas de carinho.

Amor não se implora. Existem os conflitos, é claro, e existem todas as alegrias e frustrações de uma vida a dois. Vem no pacote. Por isso mesmo, tem que colocar terra no vaso e regar todo dia. Os dois. É assim: É aprendizado, ninguém chega pronto. O que não dá é pra ficar economizando mimos, ter medo de expressar sentimentos, ou viver em uma eterna espera, que te anula, que te fere. Não. Temos que viver o relacionamento com o outro em toda a sua imensidão. Tão humana. Tão divina.

Sabe o que? Seja a pessoa que Deus te chama a ser. Só aceite o amor se ele vir do tamanho que você merece.  E nunca mais se contente com migalhas.

** Marília Saveri (Redação, Shalom São Paulo).
Fonte: http://www.comshalom.org

Os 7 dons do Espírito Santo, numa explicação fácil de entender

0

Creative Commons

FORTALEZA

Com o dom da fortaleza, Deus nos dá a coragem necessária para enfrentarmos as circunstâncias desafiadoras da vida e a firmeza de caráter para suportarmos as perseguições e tribulações decorrentes do nosso testemunho cristão, rejeitado e combatido pelo mundo. Foi graças ao dom da fortaleza que os santos recusaram as falsas promessas e enfrentaram as ameaças da mundanidade, muitos com o sacrifício da própria vida.

SABEDORIA

O dom da sabedoria nos leva a distinguir entre o que é essencial e o que não é; entre o que realmente importa e o que é meramente secundário. Ser sábio é saber escolher e apreciar o bem em meio às muitas alternativas sedutoras que se colocam diante do nosso livre arbítrio, confundindo o nosso julgamento com aparências que precisam ser desmascaradas. A sabedoria não necessariamente envolve inteligência, cultura e entendimento: é outro tipo de conhecimento; é a capacidade singela de enxergar ou intuir o bom, o belo e o verdadeiro a partir da referência do Absoluto, não do relativo. É o dom de “saber viver” em Deus, na bondade, na verdade e na beleza, ainda que não se entendam muitas coisas no sentido intelectual do termo “entender” – aliás, o entendimento é outro dom divino, que veremos em seguida.

ENTENDIMENTO

Este dom torna a nossa inteligência capaz de compreender e assimilar os conteúdos das verdades reveladas, auxiliando-se também da ciência, que ilumina a razão a fim de conhecermos melhor a criação e chegarmos assim ao Criador. Pode parecer um tanto confuso, à primeira vista, distinguir entre a sabedoria, o entendimento e a ciência. De fato, são dons complementares entre si, mas há distinção entre eles. Expliquemos dando um exemplo: há pessoas simples que, mesmo sem entenderem o vasto significado da liturgia, dos dogmas e das orações, sabem apreciar o sabor das coisas de Deus e dão testemunho de intensa devoção e piedade, sendo capazes de inspirar e ajudar os outros a viverem uma vida espiritual mais profunda, ainda que esses outros tenham maiores talentos intelectuais. Essas pessoas simples possuem o dom da sabedoria, mas lhes falta o entendimento – que é o dom de compreender o sentido das coisas de Deus. Com o dom do entendimento, o cristão contempla com mais lucidez e consciência o mistério da Santíssima Trindade, o amor de Cristo pela humanidade, o significado da Sagrada Eucaristia, dos sacramentos, dos ritos litúrgicos, da moral católica etc. E onde é que entra o dom da ciência? A ciência nos ajuda nessa compreensão fornecendo-nos um tesouro crescente de informações sobre a criação como precisamente isso: criação, obra do Criador.

CIÊNCIA

É o dom divino que aperfeiçoa as nossas faculdades intelectivas e nos ajuda a compreender a realidade como obra do Criador, iluminados, simultânea e harmoniosamente, pela fé e pela razão – “as duas asas que elevam o espírito humano à contemplação da Verdade”, conforme a bela descrição apresentada pela encíclica “Fides et Ratio”, do Papa São João Paulo II. O dom da ciência, portanto, nos abre à contemplação do Criador mediante o conhecimento da criação. É importante observar que se trata do dom da ciência de Deus, não da ciência das coisas do mundo; ele envolve o reconhecimento da criação como meio para a contemplação de Deus. Graças ao dom da ciência, os santos, por exemplo, souberam ver Deus atrás das criaturas como que através de um espelho. São Francisco de Assis compôs o “cântico das criaturas” ao Senhor porque todos os seres criados, desde as flores até as aves, desde a água até o fogo e o sol, lhe eram ocasião para contemplar e amar a Deus, Criador de tudo o que há. O dom da verdadeira ciência nos leva, mediante o reto conhecimento e reconhecimento das criaturas como criaturas, a vislumbrar o Criador. Entre as criaturas não se incluem apenas os demais seres tangíveis, mas também as próprias ações e comportamentos humanos, que fazem parte do mundo criado: o dom da ciência, portanto, nos ajuda ainda a saber como agir – e, neste sentido, evoca o dom do conselho.

CONSELHO

É o dom que permite à alma o reto discernimento sobre como responder às circunstâncias da existência, tanto no tocante às próprias decisões quanto na hora de orientar os irmãos a trilharem o caminho do bem.

PIEDADE

É a graça de Deus na alma que proporciona o relacionamento filial e profundo com Deus, mediante a oração e as práticas piedosas ensinadas pela Igreja. É o dom da devoção, do fervor, da experiência de viver em comunhão permanente com Deus.

TEMOR DE DEUS

O nome deste dom pode causar estranheza e confusão, pois muitos o entendem em sentido negativo, como se devêssemos ter medo de Deus. Na verdade, trata-se do dom divino que nos leva a “temer” por Deus no sentido de não querer que Ele seja desprezado e deixado de lado, nem pelos outros, nem por nós mesmos. É o santo temor de que Deus seja ofendido; ao mesmo tempo, é o sadio temor das consequências do afastamento de Deus – consequências que não consistem num castigo imposto por Deus, mas sim na decorrência natural da nossa própria possibilidade de optar por viver longe d’Ele: Deus respeita a nossa liberdade a tal ponto que não nos impede de odiá-lo se assim escolhermos; por isso mesmo, Ele tampouco impede as consequências desse ódio voluntário, que se resumem no afastamento eterno de Deus decretado por nós próprios com a nossa liberdade e arbítrio. O dom do santo temor de Deus nos ajuda, assim, a evitar tudo o que nos afasta d’Ele – ou seja, o pecado; e não por medo de castigo, mas pela justa consciência de que, ao nos afastarmos d’Ele, nós próprios O perdemos voluntariamente.

__________

Imagens ilustrativas via blog

Fonte: http://pt.aleteia.org

É preciso ir além

0

O Espírito Santo nos faz ir além

A primeira leitura é maravilhosa, Felipe foi além, deixou Jerusalém e foi para a Samaria, onde judeus e samaritanos nunca se deram, mas mesmo assim ele foi para anunciar o Cristo. E os samaritanos aceitaram a pregação de Felipe, principalmente porque Felipe manifestava grandes prodígios e milagres diante deles. Felipe teve a ousadia de batizá-los. Pedro e João foram ver o que estava acontecendo e impuseram as mãos sobre os samaritanos e eles receberam o Espírito Santo.

A Renovação Carismática Católica está completando . Infelizmente, nos inícios, a RCC não foi aceita e, muitas vezes, proibida. Porém, se leigos, padres e bispos conhecessem a RCC como ela é, participassem e experimentassem da RCC, o Brasil seria diferente. A Renovação é uma corrente de graça para o Brasil e o mundo.

Em 1971 fui e já comecei a trabalhar ativamente para o Senhor e não parei. Os que eram jovens e que participavam das Experiências de Oração hoje seriam os homens que estam à frente da nação, das empresas. Infelizmente eles não foram além, se fosse assim, O Brasil não estaria na sujeira que está.

Ninguém imaginava que Jorge Bergolio seria papa, todos pensavam em outros nomes. Hoje, nós temos um papa cheio do . E Papa Francisco foi além. Quem tomou a iniciativa de celebrar os foi o próprio papa, pois ele foi batizado no Espírito Santo e não se envergonha disso.

O Brasil está vivendo uma turbulência, um verdadeiro terremoto. Em 2007, em uma pregação,  eu falei que iríamos passar por isso, falei sobre a corrupção e como consequência da corrupção, muitos estão tirando “remédio da boca de doentes”, o nosso povo está morrendo por causa disso. Falei das consequências na saúde, na educação e do mar de lama que viveríamos, e tudo está aí, diante dos nossos olhos. O que fazer diante disso? Livrai-nos do Mal, Senhor!

Assim como aconteceu com Felipe, você precisa ir além e impôr as mãos para que as pessoas sejam batizadas no Espírito Santo. A nossa salvação está no Batismo no Espírito Santo. Há muita gente que precisa ser batizada, é preciso ir além.

Transcrito e adaptado por Renata Santiago

Fonte: http://eventos.cancaonova.com

Deus tem um lugar para você no céu

0

A Palavra de Deus é sempre linda, mesmo quando precisa ser severa. Veja que beleza deste Evangelho: “Não se perturbe o vosso coração, tendes fé em Deus, tendes fé em mim também” (Jo 14,1). Humanamente falando, seria uma ousadia para aqueles que viam Jesus como um homem ter fé também n’Ele. O Senhor estava lhes mostrando, continuamente, quem Ele era. No entanto, Ele não era o Messias esperado pelo povo judeu. Eles esperavam alguém que “virasse a mesa” e os fizesse soberanos de todos os povos. Porém, Jesus era um Messias totalmente diferente.

Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Ele era o próprio Filho de Deus enviado por seu Pai, por isso pôde dizer: “Tendes fé em Deus e também em mim”. O Senhor está nos chamando a acreditar no que Ele diz: “Na casa de meu Pai, há muitas moradas. Se assim não fosse, eu vos teria dito. Vou preparar um lugar para vós” (Jo 14,2). Nessa passagem, você vai perceber que o Evangelho já está nas últimas palavras ditas por Jesus aos apóstolos na Última Ceia.

Ele fala a eles com todo o coração e continua dizendo: “E quando eu tiver ido preparar-vos um lugar, voltarei e vos levarei comigo, a fim de que onde eu estiver estejais também vós. E para onde eu vou, vós conheceis o caminho” (Jo 14,3). Essa Palavra é também para cada um de nós. Ela foi dita para os que estavam lá na Última Ceia, para aqueles que foram os escolhidos do Senhor, mas o Evangelho também é dirigido para todos os tempos; é para o agora.

Meu filho, minha filha, Jesus foi à frente, pois só Ele poderia abrir o caminho para nós e para cada um dos nossos. Aí está a nossa responsabilidade. Há uma morada no céu para nós e para nossos pais, para cada um de nossos filhos, sobrinhos. Não apenas para aqueles que convivem conosco no âmbito familiar, embora seja por eles que temos mais responsabilidades. Você vai querer estar casa do Pai, morando sozinho, enquanto seu marido ou sua esposa está morando em outro lugar? Claro que não! É por isso que Deus casou vocês.

Talvez você possa me dizer: “Se o senhor soubesse como é o meu marido… Se o senhor soubesse como é a minha esposa… É dose, padre!”. Eu, no entanto, digo-lhe: “É a dose certa para você”. E mesmo que seus filhos estejam lhe dando muito trabalho e você guarde algum rancor deles ou de alguma outra pessoa de sua família, não conserve isso no seu coração, pois Deus também tem um lugar para eles no céu. Não só você é responsável pelos seus como eles são responsáveis por você.

Onde queremos passar a eternidade? É por isso que Nosso Senhor Jesus Cristo tem preparado um lugar para cada um de nós, mas é preciso que Ele seja o centro da nossa família. Sei que é uma luta tê-Lo [Jesus] como centro da nossa vida, mas Ele é o caminho, a verdade e a vida.

Se você está com Jesus, entrega-se a Ele e faz-se um com Ele, você está com tudo, por isso precisa estar com Jesus. Você está num período de luta, e é preciso mesmo lutar, porque o príncipe deste mundo não quer que ninguém vá para o lugar que Jesus nos preparou. Enquanto estivermos nesta vida, até a morte, estaremos lutando.

Morrer em Cristo é uma vitória, pois a morte não é uma coisa cruel; é uma porta aberta e linda que nos faz entrar na vida eterna. Lá está Jesus, que vai nos receber com o Pai e o Espírito Santo, a Trindade Santa.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Artigos

Fonte: http://padrejonas.cancaonova.com

O dom do temor de Deus

0

Por meio do dom do temor de Deus, a vitória é rápida e perfeita

Para entender o significado deste dom, distingamos diversos tipos de temor: a) o temor covarde ou da covardia; b) o temor servil ou do castigo, do escravo que teme o chicote; e c) o temor filial. O amor do filho para com o Pai consiste na repugnância que o cristão experimenta diante da perspectiva de poder se afastar de Deus. Não se concebe o amor sem esse tipo de temor.

As virtudes afastam o cristão do pecado, ajudam-no a vencer as tentações. Isso, porém, acontece por meio de lutas, hesitações e deficiências. Pelo dom do temor de Deus a vitória é rápida e perfeita, pois é o Espírito que move o cristão a dizer ‘não’ à tentação.

É muito bom contemplarmos a Deus com olhos de amor, confiança e terna reverência, mas é também muito bom nunca esquecer que Ele é o Juiz de justiça infinita, diante de quem um dia teremos que responder pelas graças que nos concedeu. Essa lembrança dá-nos também um santo temor de ofendê-lo pelo pecado.

O dom do temor de Deus se prende à virtude da humildade. Essa nos faz conhecer nossa miséria; impede a presunção e a vanglória, e assim nos torna conscientes de que podemos ofender a Deus; daí surge o santo temor do Senhor. O mesmo dom também se liga à virtude da temperança; esta modera a concupiscência e os impulsos desordenados do coração, as paixões da alma; com ela converge o temor de Deus, que modera os apetites que poderiam ofender o Pai.

Os santos deram provas sensíveis de santo temor de Deus. São Luís de Gonzaga, conforme é narrado, derramou copiosas lágrimas, certa vez, quando teve de confessar suas faltas… as quais, na verdade, dificilmente poderiam ser tidas como pecados. Para o santo, essas pequeninas faltas eram sinais do perigo de poder, um dia, afastar-se de Deus. Para quem ama, qualquer perigo desse tipo tem importância.

Verdadeiramente teme a Deus quem procura praticar  os seus mandamentos com sinceridade de coração.  Como nos diz as Escritura, devemos buscar, em primeiro lugar, o Reino de Deus; o resto nos será dado por acréscimo.  O mundo, muitas vezes, sufoca e obscurece nosso coração. Todas as vezes que  cedemos às tentações, com certeza desprezamos a Deus Nosso Senhor. Quantas vezes  preferimos  os bens miseráveis deste mundo e esquecemo-nos de Deus! Quantas vezes tememos mais a justiça dos homens do que a justiça divina, a única realmente que nos salva! Santo Anastácio a esse respeito dizia: “A quem devo temer mais, a um homem mortal ou a Deus, por quem foram criadas todas as coisas?”

Como consequência, o dom do temor de Deus nos leva a fugir do pecado. São Agostinho disse: “Eu pecava, porque em vez de procurar em Deus os prazeres, as grandezas e as verdades, procurava-os nas suas criaturas: em mim e nos outros. Por isso, precipitava-me na dor, na confusão e no erro”. “O que ama a iniquidade odeia a sua alma” (Sl 10,6). Daí provém o motivo de a alma tornar-se enferma e encontrar tormentos em seu corpo mortal”. “Quanto mais for destruído o reino da concupiscência, tanto mais aumentará o da caridade”.

Não esqueçamos, portanto, de pedir ao Espírito Santo a graça de estarmos em sintonia diária com os preceitos do Criador.

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

O dom da fortaleza

0

Com o dom da fortaleza podemos enfrentar as tentações do mal que nos leva a pecar 

A vida cristã encontra obstáculos numerosos, alguns provenientes de fora do cristão; outros, do seu íntimo ou das suas paixões desordenadas. Por isso diz o Senhor que “o Reino dos céus sofre violência dos que querem entrar, e violentos se apoderam dele” (Mt 11, 12).

Uma vida cristã tem de ser necessariamente, em algum grau, uma vida heroica; é o heroísmo da vitória sobre os nossos próprios defeitos. Mais do que conquistar o mundo, o cristão tem de aprender a dominar-se a si mesmo. Às vezes, a vida cristã exige um heroísmo ainda maior: quando fazer a vontade de Deus impõe o risco de perder amigos, bens ou saúde; há o heroísmo mais alto dos mártires, que santificaram a própria vida por amor a Deus. Não é em vão que Deus vem em ajuda de nossa fraqueza com o seu dom de fortaleza.

Até mesmo São Paulo gemia sob o peso da fraqueza humana. Na carta aos romanos ele diz: “Não entendo, absolutamente, o que faço, pois não faço o que quero; faço o que aborreço. Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita o bem, porque querer o bem está em mim, mas não sou capaz de efetuá-lo. Não faço o bem que quereria, mas o mal que não quero. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu que faço, mas sim o pecado que em mim habita” (Rom 7,15-20).

Sabemos que Cristo nos libertou do pecado e da morte por Sua morte e ressurreição, mas as sequelas do pecado original continuam em nossa natureza; então, temos de lutar com Sua graça para vencer o pecado. O Catecismo da Igreja diz que: “Aos olhos da fé, nenhum mal é mais grave que o pecado, e nada tem consequência pior para o próprio pecador e para a Igreja e para o mundo inteiro” (n.1489). É para podermos enfrentar as tentações do mal que nos levam a pecar que o Espírito Santo nos fortalece com o dom da fortaleza.

É em vista da necessidade de coragem e grandeza de alma que se exige do cristão, que o Espírito lhe dá o dom da fortaleza. Esta nem sempre consiste em realizar grandes feitos admirados pelo público, mas implica paciência, perseverança, coragem, renúncia, sacrifício etc. Pelo dom da fortaleza, o Espírito Santo dá ao cristão não apenas o que as forças humanas podem alcançar, mas também a força divina. É essa força de Deus que pode transformar os obstáculos em meios; é ela que dá tranquilidade e paz mesmo nas horas mais difíceis. Foi ela que inspirou a São Francisco de Assis palavras tão significativas quanto essas: “Irmão Leão, a perfeita alegria consiste em padecer por Cristo, que tanto quis padecer por nós”.

Por essa virtude, Deus nos dá a coragem necessária para enfrentar as tentações, as circunstâncias difíceis da vida e também firmeza nas  perseguições e tribulações causadas por nosso testemunho cristão diante do mundo. Foi com muita coragem, com o dom da fortaleza, com muito heroísmo, que os santos mártires desprezaram as promessas e ameaças do mundo. Com serenidade, foram ao encontro da morte. Que luta gloriosa não sustentaram! Agora, gozam de perfeita paz, em união íntima com Jesus, de cuja glória participam.

Também nós temos de “combater o bom combate” (2 Tm 2,6) para alcançar a coroa eterna.  Vivemos num mundo cheio de perigos e tentações, bem como de um relativismo moral e religioso, que é contrário às verdades eternas. A alma acha-se constantemente  envolta nas tempestades de paixões revoltadas. Maus exemplos estão em toda parte e as inclinações do coração são sempre dirigidas para o mal. Resistir a tudo isso requer força de vontade, combate resoluto sem tréguas.

As provações nos fortalecem para o combate espiritual; por isso Deus as permite, os apóstolos sempre estimularam os fiéis a enfrentá-las com coragem. São Pedro diz: “Caríssimos, não vos perturbeis no fogo da provação, como se vos acontecesse alguma coisa extraordinária. Pelo contrário, alegrai-vos em ser participantes dos sofrimentos de Cristo” (1 Pe 4,12). Ensinando-nos que essas dificuldades nos levarão à perfeição: “O Deus de toda graça, que vos chamou em Cristo à sua eterna glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vós fortificará” (1 Pe 5,10).

O mesmo apóstolo ensina-nos que a provação nos aperfeiçoará e nos tornará inabaláveis. É importante não se deixar perturbar no fogo da provação. Não se exasperar, não perder a paz e a calma, pois é exatamente isso que o tentador deseja. O remédio da fé contra tudo isso é a humilde aceitação da vontade de Deus no exato momento em que algo desagradável nos ocorre, dando, de imediato, glória a Deus, como São Paulo ensina: “Em todas as circunstâncias, dai graças, pois esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus” (1 Tes 5,16).

É preciso fazer esse grande e difícil exercício de dar glória a Deus na adversidade. Nesses momentos, gosto de glorificar a Deus, rezar muitas vezes o “Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo”, até que minha alma se acalme e se abandone aos cuidados do Senhor. Essa atitude muito agrada ao Senhor, pois é a expressão da fé pura de quem se abandona aos Seus cuidados. É como a fé de Maria e de Abraão que “esperaram contra toda a esperança” (cf. Hb11,17-19), e assim, agradaram a Deus sobremaneira.

Mas não temos forças humanas para isso; então, o Espírito Santo nos socorre com o dom da fortaleza. Roguemos  a Deus para que esse dom seja nosso companheiro inseparável, para que possamos testemunhar nosso amor ao Senhor por palavras e obras. Assim, viveremos na fé e pela fé, certos de que seremos felizes aqui e na eternidade.

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

O dom da sabedoria

0

Deus distribui seus dons conforme seus desígnios para a salvação dos homens

Para alcançar a vida eterna devemos buscar uma vida santa, de acordo com os mandamentos da lei de Deus e da Santa Mãe Igreja. Nisso reside a verdadeira sabedoria, que não é um dom que brota de baixo para cima, e que não basta o nosso esforço próprio.  É um dom que vem do alto, que vem da graça de Deus e flui por meio do Espírito Santo que conduz, inspira e assiste a Igreja de Deus sobre a terra.

O Espírito Santo dá a certos fiéis dons de sabedoria, de fé e de discernimento em vista do bem comum, especialmente para a direção espiritual dos fiéis. Os santos destacaram muito o valor desta direção. São João da Cruz, doutor da Igreja, por exemplo, falava da importância da direção espiritual: “Por isso, se a alma deseja avançar na perfeição, deve considerar bem em que mãos se entrega, pois, conforme o mestre, assim será o discípulo; conforme o pai, assim será o filho”. E ainda: “O diretor deve não somente ser sábio e prudente, mas também experimentado. Se o guia espiritual não tem a experiência da vida espiritual, é incapaz de nela conduzir as almas que Deus chama, nem sequer as compreenderá” (Chama, 3). Santa Teresa dizia que o diretor espiritual deve ser sábio, douto e santo.

O dom da sabedoria nos concede o sentido adequado para sabermos apreciar as coisas de Deus; dando ao bem e à virtude o seu verdadeiro valor, e encarando os bens do mundo como degraus para a santidade não como fins em si. Por exemplo, a pessoa que gasta o seu fim de semana para participar de um retiro espiritual, foi conduzido pelo dom da sabedoria, mesmo que não o saiba.

Na ordem natural do conhecimento, a inteligência humana procura fazer uma síntese das suas concepções, de modo a ter uma visão harmoniosa. A mente humana procura atingir os primeiros princípios e as causas supremas de toda a realidade que ela conhece.

A mesma busca harmoniosa ocorre também na ordem sobrenatural. O dom da ciência e do entendimento nos dão uma penetração profunda no significado de cada criatura e de cada verdade revelada respectivamente; oferecem também uma certa síntese dos objetos contemplados, relacionando-os com Deus. Todavia, o dom que, por excelência, efetua essa síntese harmoniosa e unitária, é o da sabedoria. Ela abrange todos os conhecimentos do cristão e os põe diretamente sob a luz de Deus, mostrando a grandeza do plano do Criador e o Seu mistério insondável.

O dom da sabedoria não realiza a síntese dos conhecimentos da fé em termos meramente intelectuais. Ele oferece um conhecimento agradável da verdade, porque é fruto da experiência do próprio Deus feita pelo cristão ou da afinidade que o cristão adquire com o Senhor pelo fato de amar a Deus.

Uma comparação ajuda a compreender isso: para conhecer o sabor de uma laranja, posso consultar, intelectual e cientificamente, os tratados de Botânica; terei assim uma noção aproximada do que seja esse sabor. Mas a melhor maneira para conhecer o gosto da laranja será chupá-la. Os resultados do estudo meramente intelectual são frios e abstratos, ao passo que as vantagens da experiência são concretas.

Os dons da ciência e do entendimento fazem-nos conhecer principalmente pelo amor e afinidade com Deus. É o dom da sabedoria que resulta dessa familiaridade com o Senhor. Ele acontece na medida da íntima união que o cristão tenha com o Senhor Deus. É fruto daquilo que Jesus disse: “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer ” (João 15,4-5).

Dizia um grande místico que “o dom da sabedoria faz-nos ver com os olhos do Bem-amado; a partir da excelsa atalaia que é o próprio Deus, contemplamos todas as coisas quando usamos o dom da sabedoria”.

Essas verdades nos fazem entender quanto nesta vida é importante o amor de Deus. É este que propicia o conhecimento mais perspicaz e saboroso do mesmo Deus. Os teólogos nos ensinam que veremos Deus face a face por toda a eternidade na proporção do amor com que o tivermos amado nesta vida. O grau do nosso amor, na hora da morte, será o grau da nossa visão de Deus na vida eterna ou por todo o sempre. É por isso que se diz que o amor é o vínculo da perfeição (cf. Cl 3, 14). “No ocaso de sua vida, cada um de nós será julgado na base do amor”, diz São João da Cruz.

Mas isso não quer dizer que se possa menosprezar o estudo, pois, se o Criador nos deu a inteligência, foi para que a apliquemos à verdade por excelência, que é Deus. João Paulo II disse que “a fé e a razão são as duas asas com as quais o espírito humano alça voo para contemplar a verdade” (Fé e razão, n. 1).

Falando do dom da sabedoria, em 14/04/2014, o Papa Francisco disse que “a sabedoria é uma graça que nos permite ver as coisas com os olhos de Deus, a sentir como Deus e a falar com suas palavras; nós temos dentro de nós, no nosso coração, o Espírito Santo; podemos escutá-Lo. Se nós escutamos o Espírito Santo, Ele nos ensina esta via da sabedoria, presenteia-nos com a sabedoria que é ver com os olhos de Deus, ouvir com os ouvidos d’Ele, amar com o coração do senhor, julgar as coisas com o juízo divino. Esta é a sabedoria que nos dá o Espírito Santo e todos nós podemos tê-la. Somente devemos pedi-la ao Espírito Santo”.

“Depois, no matrimônio, por exemplo, os dois esposos – o esposo e a esposa – brigam e depois não se olham ou se o fazem é com a cara amarrada: isto é sabedoria de Deus? Não! Em vez disso, se diz: ‘Bem, a tempestade passou, façamos as pazes’, e recomeçam a seguir adiante em paz: isto é sabedoria? [o povo: Sim!] Sim, este é o dom da sabedoria. Que esteja casa, que esteja com as crianças, que esteja com todos nós!”.

O Papa disse deste modo que não é sabedoria quando “nós vemos as coisas segundo o nosso prazer ou segundo a situação do nosso coração, com amor ou com ódio, com inveja… Não, estes não são os olhos de Deus”. “E obviamente isso deriva da intimidade com Deus, da relação íntima que nós temos com Deus, da relação de filhos com o Pai. E o Espírito Santo, quando nós temos esta relação, nos dá o dom da sabedoria. Quando estamos em comunhão com o Senhor, é como se o Espírito Santo transfigurasse o nosso coração e o fizesse perceber todo o seu calor e a sua predileção.

O Papa Francisco ressaltou que “o coração do homem sábio neste sentido tem o gosto e o sabor de Deus. E quão importante é que nas nossas comunidades haja cristãos assim! Tudo neles fala de Deus e se torna um sinal belo e vivo da sua presença e do seu amor. E isto é uma coisa que não podemos improvisar, que não podemos procurar por nós mesmos: é um dom que o Senhor faz àqueles que se tornam dóceis ao Espírito Santo”.

Santo Agostinho disse que: “A sabedoria é a medida do homem. Uma medida pela qual o homem se mantém em equilíbrio. Sem tentar o impossível nem contentar-se com o insuficiente”. “Não há lugar para a sabedoria onde não há paciência”. Santo Afonso de Ligório disse que: “A verdadeira sabedoria é a sabedoria dos santos: saber amar a Jesus Cristo”. São João da Cruz disse que: “Adquire-se a sabedoria pelo amor, do silêncio e da mortificação; grande sabedoria é saber calar e não se inserir em ditos ou fatos e na vida alheia”.

::

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

Entregue suas preocupações a estes 3 santos

0

Rafael Arnáiz-Padre Pío-Teresa de Lisieux

Os escritos destes três santos sempre são um consolo e uma fonte de esperança para mim naqueles momentos em que necessito que meu espírito tome um pouco de força e volte a recuperar a fé e a confiança. Tenho que dizer que deixar tudo nas mãos de Deus, que às vezes é difícil de entender, não é nada fácil (todos sabemos), mas ler e nos alimentar do testemunho destes santos – que foram homens como nós e não tiveram uma vida fácil – nos enche de ânimo e de vontade de continuar adiante, com a certeza de que, com Deus ao nosso lado, não precisamos ter medo.

Como eles têm me ajudado (e são meus grandes amigos), apresento-os a vocês também, para que vocês possam se encontrar com eles e possam absorver um pouco das virtudes que eles têm e o amor deles para com Deus.

1.      Santa Teresinha do Menino Jesus

“Sou uma alma muito pequena, que só pode oferecer coisas muito pequenas ao Nosso Senhor”

Santa Teresinha é uma santa pequena, muito pequena, mas com um espírito enorme. No Carmelo, viveu dois mistérios: a infância de Jesus e sua paixão. Por isso, quis ser chama de Irmã Teresa do Menino Jesus.

“Sempre quis ser santa, mas, infelizmente, sempre constatei que entre os santos e eu havia a mesma diferença que existe entre uma montanha, cujo cume se perde no céu, e o grão de areia pisoteado. Ao invés de desanimar, disse para mim mesma: o bom Deus não pode inspirar desejos que não podem ser realizados, por isso eu posso, apesar de minha pequenez, aspirar à santidade; ser maior, para mim, é impossível, terei de me suportar tal como sou, com todas as minhas imperfeições. No entanto, quero buscar o meio para ir ao Céu por um caminho reto, muito breve, um pequeno caminho completamente novo. Quisera eu também encontrar um ascensorista para elevar-me até Jesus, porque sou demasiadamente pequena para subir a dura escada da perfeição”, disse a religiosa.

Aos 23 anos, ela teve tuberculose. Morreu um ano depois em seu amado Carmelo. Nos últimos momentos de sua vida, trocou correspondências com padres missionários e os acompanhou constantemente em suas orações. Por isso, Pio XII quis associá-la, em 1927, a São Francisco Xavier, como padroeira das missões.

2.     Padre Pio

“Quero ser apenas um frade que reza…”

O Padre Pio é um dos maiores místicos de nosso tempo; é amado no mundo inteiro. Ele nos ensinou a viver um amor radical ao coração de Jesus e à sua Igreja. A vida dele era de oração, sacrifício e pobreza.

Padre Pio conseguiu uma profunda união com Deus, em meio à dor e à alegria – duas experiências que sempre marcaram sua vida e que o ajudaram a compreender que o melhor era colocar sua vida nas amorosas mãos de Deus.

 “Reze, espere e não se preocupe. A preocupação é inútil. Deus é misericordioso e ouvirá sua oração… A oração é a melhor arma que temos, é a chave do coração de Deus. Você deve falar com Jesus, não somente com seus lábios, mas também com o coração. Na verdade, em umas ocasiões, deve falar somente com o coração”, expressou o padre certa vez.

Padre Pio teve uma saúde frágil, foi caluniado e exposto a grandes humilhações por causa de Cristo. Mas sempre se manteve fiel em seu amor a Deus, apesar de tudo. Foi um confessor e um conselheiro incansável, amou profundamente a Virgem e seus irmãos.

“Não atormenteis vossos corações; crede em Deus.” O beato sempre recorria a esta exortação de Cristo, e costumava repetir: “Entregai-vos plenamente ao Coração Divino de Cristo, como uma criança aos braços de sua mãe”. Que este convite penetre também em nosso espírito como fonte de paz, serenidade e alegria. Por que ter medo, se Cristo é para nós o caminho, a verdade e a vida? Por que não confiar em Deus, que é Nosso Pai? (Homilia de São João Paulo II na beatificação de Padre Pio)

3. São Rafael Arnaiz Barón

“Sou um homem feito para amar, mas não as criaturas, e, sim, a Ti, meu Deus, e a ellas em Ti”

São Rafael é um santo jovem e ainda pouco conhecido. Seu coração, desde a juventude, esteve bem disposto a ouvir Deus, que o convidada a uma consagração especial à vida contemplativa. Ele tinha conhecido a ordem religiosa de San Isidro de Dueñas e se sentiu atraído, porque achou que tinha encontrado o lugar que correspondia aos seus íntimos desejos. Assim, em 1933, interrompeu seus cursos na universidade e entrou no mosteiro de San Isidro.

Depois dos primeiros meses como noviço e da primeira Quaresma vividos com muito entusiasmo diante da austeridade da ordem, Deus quis prová-lo misteriosamente com uma diabetes aguda, que o obrigou a abandonar o mosteiro e a voltar à casa de seus pais para ser cuidado adequadamente. Ele tentou voltar várias vezes ao mosteiro, mas a doença o impedia.

Rafael foi santificado na heroica fidelidade à sua vocação, pela aceitação amorosa dos planos de Deus, do mistério da cruz, da busca pelo rosto de Deus. Ele era fascinado pela contemplação ao Absoluto, tinha terna devoção à Virgem Maria – à “Senhora”, como ele gostava de chamá-la. Faleceu na madrugada de 26 de abril de 1938, com 27 anos. Foi sepultado no cemitério do mosteiro e depois transferido para a abadia.

Você conhece outros santos que falem sobre este tema? Compartilhe conosco.

Por Luisa Restrepo
publicado por Catholic Link, traduzido e adaptado ao português

Fonte: http://pt.aleteia.org

O dom de ciência

0

O dom da ciência leva o homem a compreender a marca de Deus que há em cada ser criado

O Papa Francisco, falando dos dons do Espírito Santo, disse que “o dom de ciência faz com que o cristão penetre na realidade deste mundo sob a luz de Deus; que ele veja cada criatura como reflexo da sabedoria do Criador. O dom de ciência leva o homem a compreender o vestígio de Deus que há em cada ser criado. O homem foi feito para Deus e só n’Ele pode descansar, como disse Santo Agostinho. Com esse dom, o cristão reconhece o sentido do sofrimento e das humilhações no plano de Deus, que liberta e purifica o homem”.

O dom da ciência comunica-nos a faculdade de “saber fazer”, a destreza espiritual. Torna-nos aptos para reconhecer o que nos é espiritualmente útil ou prejudicial. Está intimamente unido ao dom de conselho. Este, move-nos a escolher o útil e a repelir o nocivo, mas, para escolher, devemos antes conhecê-lo. Por exemplo, se percebo que excessivas leituras frívolas estragam o meu gosto pelas coisas espirituais, o dom da ciência induz-me a deixar de comprar publicações desse tipo e inspira-me a começar uma leitura espiritual regular.

Tudo o que temos, somos e sabemos, recebemos de Deus. Diz São Tiago que “Toda dádiva boa e todo dom perfeito vem de cima: descem do Pai das luzes” (Tg 1,17). Se possuímos talentos, não devemos nos orgulhar nem buscar a glória dos homens por causa deles, porque de Deus é que os recebemos gratuitamente. Se o mundo nos admira, bate palmas aos nossos trabalhos, a Deus é que pertence essa glória, é Ele o doador de todos os  bens. Como disse Santa Catarina de Sena: “Não sejamos ladrões da glória de Deus”.

Os santos souberam ver Deus atrás das criaturas, como que através de um espelho. São Francisco de Assis compôs o “canto das criaturas” ao Senhor. As flores, as aves, a água, o fogo, o sol… tudo lhe era ocasião de contemplar e amar a Deus. Tudo para ele era “irmão”; por ter saído das mãos do mesmo Deus que o criou.

O dom da ciência nos faz entender também que toda criatura, por mais bela que seja, é sempre insuficiente para satisfazer o coração do homem. Ele sente que foi criado para o infinito e só em Deus pode ter descanso. Santo Agostinho disse, nas suas confissões, que seu coração estava inquieto e que só encontraria repouso em Deus. Por isso, muitos homens e mulheres, que, como Santo Agostinho, viveram uma vida dissoluta, sem Deus, converteram-se ao Senhor depois que experimentaram o vazio de uma vida sem Ele. Tal foi o caso de São Francisco Borja († 1572), que ao contemplar o cadáver da rainha Isabel, exclamou: “Não voltarei a servir a um senhor que possa morrer!”.

Esse dom também nos ensina a reconhecer melhor o significado do sofrimento e das humilhações que enfrentamos na vida, de modo a compreender que Deus tem um desígnio de salvação também por trás deles, e que “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus” (Rom 8,28). Este dom nos leva a entender o sofrimento como uma escola que nos liberta e purifica, que nos configura com Jesus Cristo, conforme disse São Paulo: “Deus nos predestinou para sermos conforme a imagem de Seu Filho” (Rom 8,29). Se não fora o sofrimento, muitos e muitos homens não sairiam de sua estatura anã e mesquinha… nunca atingiriam a plenitude do seu desenvolvimento espiritual.

O dom da ciência infusa nos imuniza de ignorância das coisas de Deus. Adão, no paraíso, conhecia as verdades de ordem religiosa e filosófica para que orientasse a sua conduta e educasse devidamente os seus filhos (cf. Eclo 17,1-8). Santo Agostinho e São Tomás de Aquino julgam que ao dom da ciência infusa de Adão estava associado o dom da imunidade de erro (cf. S. Tomas, S. Teol. 194,4; De verit. 18,6); e erro é, sim, o mal da inteligência.

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

Não se perturbe o vosso coração!

0

No momento em que vc perde o chão, que as coisas não fazem muito sentido e só te resta entregar a Deus as suas lágrimas em forma de oração, é hora de confiar.

“Não se perturbe o vosso coração. Tendes fé em Deus, tende fé em mim também.” Jo 14,1

E fé é isso: confiar sem ver, numa luta diária entre o que diz o nosso humano versus as promessas de Deus.

Muitos amigos sabem o que eu e meu esposo temos vivido nesses últimos dias. Dias intensos de luta interior mas cremos que Deus está no controle de tudo, que é Dele a última Palavra e que, acima de qualquer coisa, Ele nos ama infinitamente. Ele sofre nossas angústias, chora nossas dores e nos dá a graça de suportar os dias maus. Ele está conosco e nos ouve.

E Deus tem falado. Fala na Palavra, diariamente. Fala através dos testemunhos que têm chegados aos nossos celulares de pessoas que nem conhecemos e que confiaram em Deus diante da dificuldade, testemunhos de verdadeiros milagres! Fala através do ombro acolhedor de quem está perto ou longe, na manifestação concreta de amor dos amigos em forma de oração. Fala nas revelações por sonho ou durante momentos de oração que chegam via redes sociais, ligações, mensagens. 

Deus fala e Deus ouve a nossa oração, como nos disse no último sábado, 13/05, no centenário de Nsa Senhora de Fátima:

 “Esperei no Senhor com toda a confiança. Ele se inclinou para mim, ouviu meus brados.” Salmo 39 (40), 2

E nós cremos nisso, cremos que Deus se inclina para ouvir a oração do seu povo! E que a Santíssima Virgem Maria intercede por cada um de nós! Assim como se compadeceu dos noivos nas bodas de Caná quando faltou o vinho, símbolo da alegria, e intercedeu para Jesus realizar o milagre, ela intercede por nós, se compadece das nossas necessidades e intermedia para as graças de Jesus cheguem até nós!

Portanto, seja o que você estiver vivendo, clame a Jesus e recorra à intercessão da Santíssima Virgem Maria! Recorra aos amigos em Deus, sobre seus joelho e Deus certamente vai se inclinar para ouvir seu clamor e realizará o milagre na sua vida! Porque a última palavra é Dele. Sempre é!Por Cintia Almeida 

Fonte: http://sonhodedeussite.wordpress.com

O dom do conselho

0

O dom de conselho nos ajuda a percebermos e escolhermos a melhor decisão para o nosso bem espiritual

Deus destinou o homem e a mulher para fins superiores, para a santidade e para a coerência entre fé e vida quotidiana. “Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos escolheu Nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante de seus olhos” (Ef 1,4). Cada um de nós deve ajudar os outros a atingir essa meta, que é vontade de Deus.

Para que  possamos auxiliar o próximo com pureza e sinceridade de coração, devemos pedir a Deus esse precioso dom, com o qual O glorificaremos aos mostrarmos ao irmão o caminho da salvação e da santidade. É sob a influência desse ideal que a mãe ensina o filho a rezar, a praticar os  primeiros atos das virtudes cristãs, da caridade, da obediência, da penitência e do amor ao próximo.

O dom de conselho aguça o nosso juízo. Com a sua ajuda, percebemos e escolhemos a decisão que será para maior glória de Deus e nosso bem espiritual. Não é fácil tomar uma decisão de importância, quer seja sobre a vocação, a profissão, os problemas familiares ou sobre qualquer outra matéria das que devemos enfrentar continuamente. Sem o dom de conselho, o juízo humano é demasiado falho.

Afirmam os teólogos que Deus não deixa faltar às suas criaturas o que lhes é necessário, e “tudo faz com número, peso e medida” (cf. Sb 11, 20). Em tudo resplandece a sua sabedoria. Por isso é que Deus é providente, providencia os meios para que cada criatura chegue retamente ao seu fim devido.

Mas para realizarmos determinada atividade, exercemos um processo mental que tem por objetivo examinar cuidadosamente não só a conveniência dessa atividade, mas também todas as circunstâncias em que ela se deve desenrolar. Muitas vezes, esse processo se efetua sem que dele tomemos plena consciência. Quando nos vemos diante de uma tarefa mais exigente do que as de rotina, a decisão é mais difícil e, por isso, torna-se mais consciente; a mente tem que se esforçar mais para fazer a opção mais adequada, e a decisão não é tão rápida. Muitas vezes, será necessário recorrer ao conselho de outra pessoa mais experimentada.

É por meio da virtude da prudência que cada cristão delibera sobre o que deve e não deve fazer. É a prudência que avalia os meios em vista do respectivo fim. Em correspondência à virtude da prudência, existe o dom do conselho, que permite ao cristão tomar as decisões oportunas sem a fadiga e a insegurança que, muitas vezes, caracterizam as decisões da virtude da prudência. Essa por si não basta para que o cristão se comporte à altura da sua vocação de filho de Deus, vocação esta que exige simultaneamente grande cautela e coragem.

Nem sempre a virtude humana vê nitidamente o modo de proceder corretamente. É preciso, pois, que o Espírito Santo lhe inspire a reta maneira de agir no momento oportuno.
Assim o dom do Conselho aparece como um regente de orquestra que coordena divinamente todas as faculdades do cristão para que tenha uma atividade harmoniosa e equilibrada.

Diz a Escritura que há um tempo exato para cada atividade (Ecl 3,1-8); fora desse momento preciso, o que é oportuno pode tornar-se inoportuno. Ora, nem sempre é fácil discernir se é oportuno falar ou calar, ficar ou partir, dizer ‘sim’ ou ‘não’. Nem as pessoas prudentes, após muito refletir, conseguem definir com segurança o que convém fazer. Ora é precisamente para superar tal dificuldade que o Espírito move o cristão mediante o dom do conselho.

“Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus: tempo para nascer e tempos para morrer; tempo para plantar e tempo para arrancar o que foi plantado; tempo para matar e tempo para curar; tempo para demolir e tempo para construir.”

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

Por quanto tempo Jesus fica presente na Eucaristia após recebermos a Comunhão?

0

O grande tesouro da Igreja Católica é a Eucaristia – o próprio Jesus disfarçado sob as aparências do pão e do vinho. Cremos que, como diz o Catecismo, “No santíssimo sacramento da Eucaristia estão ‘contidos verdadeiramente, realmente e substancialmente o Corpo e o Sangue juntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, o Cristo todo’”(CCC 1374).

Além disso, esta presença real de Cristo na Eucaristia não termina imediatamente quando o recebemos na hora da Comunhão. O Catecismo prossegue explicando como “a presença eucarística de Cristo começa no momento da consagração e perdura enquanto a espécie eucarística subsistir” (CCC 1377).

Mas o que significa quando recebemos a Comunhão em nossas bocas? Quanto tempo permanece a Presença Real de Jesus em nossos corpos?

Há uma história famosa da vida de São Filipe Néri que ajuda a responder a essa pergunta. Um dia, enquanto celebrava a Missa, um homem recebeu a Sagrada Comunhão e deixou a igreja mais cedo. O homem parecia não ter respeito pela Presença dentro dele e, assim, Filipe Néri decidiu usar esta oportunidade como um momento de ensino. Ele enviou dois coroinhas com velas acesas para seguir o homem fora da igreja.

Depois de um tempo andando pelas ruas de Roma, o homem se virou para ver os coroinhas que ainda o seguiam. Confuso, o homem voltou à igreja e perguntou a Filipe Néri por que ele tinha mandado os coroinhas atrás dele. São Filipe Néri respondeu dizendo: “Temos que prestar o devido respeito a Nosso Senhor, que você está levando com você. Como você se recusou a adorá-lo, mandei os dois acólitos para fazer isso”. O homem ficou atordoado com a resposta e resolveu, das próximas vezes, ficar mais consciente sobre presença de Deus dentro dele.

Considera-se que a espécie eucarística do pão permanece por cerca de 15 minutos em nós, após recebermos a Comunhão. Isso se baseia na biologia simples e reflete a afirmação do Catecismo de que a presença de Cristo “permanece enquanto persistir a espécie eucarística”.

É por isso que muitos santos recomendaram oferecer 15 minutos de oração depois de receber a Eucaristia, como uma ação de graças a Deus. Isso permite que a nossa alma saboreie a presença de Deus, e que nós tenhamos um verdadeiro encontro de “coração para coração” com Jesus.

Em nosso mundo corrido, muitas vezes é difícil permanecer na Igreja muito tempo depois da Missa. Mas isso não significa que não possamos pelo menos fazer uma breve oração de agradecimento. O ponto principal é que precisamos nos lembrar de que a presença de Jesus na Eucaristia permanece conosco por vários minutos e nos apresenta um momento especial, quando podemos comungar com o Senhor e sentir seu amor dentro de nós.

Se um dia você se esquecer disso, não se surpreenda se o seu pároco enviar coroinhas para seguir o seu carro quando você sair da Igreja logo depois de receber a Comunhão!

Leia também:

Fonte: http://pt.aleteia.org

Dom do entendimento ou inteligência

0

O dom do entendimento nos faz ver melhor a santidade de Deus e a infinidade do Seu amor

Há pessoas simples que,  mesmo sem entender os dogmas e demais ensinamentos da Santa Igreja, permanecem fiéis aos seus ensinamentos;  possuem  o sabor  pelas coisas de Deus e, mesmo ignorando o vasto significado da liturgia, dos dogmas e das orações, dão testemunho de intensa devoção e piedade.  Estão repletos de sabedoria, mas lhes falta o entendimento, o qual se resume na busca pela compreensão das coisas de Deus, no seu sentido mais profundo.

Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

O dom do entendimento dá-nos a percepção espiritual necessária para entender as verdades da fé em consonância com as nossas necessidades. Sabedoria não é consequência do entendimento ou vice-versa; mas o perfeito complemento da sabedoria. Por serem distintamente preciosos, fazem com que nos aproximemos de Deus com todas as nossas forças, com toda a nossa devoção e inteligência.

A palavra “inteligência” é derivada de intellegere, que significa ler dentro, penetrar a fundo. Na ordem natural, entendemos intelligimus quando captamos a essência de alguma realidade. Na linha da fé, paralelamente, entender é penetrar, ler no íntimo das verdades reveladas por Deus, é ter a intuição do seu significado profundo. Pelo dom do entendimento, o cristão contempla com mais lucidez o mistério da Santíssima Trindade, o amor do Redentor para com os homens, o significado da Sagrada Eucaristia na vida cristã, a importância dos sacramentos, da liturgia, da Palavra de Deus, das mortificações, meditações, orações, da moral católica etc.

A penetração que o dom da inteligência (ou do entendimento) nos dá é diferente daquela que o teólogo adquire pelo o estudo; esta é relativamente penosa e lenta. Além do que, pode ser alcançada por quem tem alcance intelectual, mesmo que não possua grande amor. Ao contrário, o dom da inteligência é eficaz mesmo sem estudo; é dado aos pequeninos e ignorantes, desde que tenham grande amor a Deus. Jesus disse: “Eu te bendigo, Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelastes aos pequeninos” (Mt 11,25)

Conta-se que um irmão leigo franciscano disse certa vez a São Boaventura († 1274), o Doutor Seráfico: “Felizes vós, homens doutos, que podeis amar a Deus muito mais do que nós, os ignorantes!” Respondeu-lhe Boaventura: “Não é a doutrina alcançada nos livros que mede o amor. Uma pobre velha ignorante pode amar Deus mais do que um grande teólogo se estiver unida a Ele”. O irmão compreendeu a lição e saiu gritando pelas ruas: “Velhinha ignorante, você pode amar Deus mais do que o mestre Frei Boaventura!”.

Na ordem natural, é compreensível que o amor brote do conhecimento. Na ordem sobrenatural, porém, pode acontecer o inverso: é o amor que abre os olhos do conhecimento. Os que mais amam a Deus são os que mais profundamente dissertam sobre Ele. Santo Agostinho dizia: “Creio para compreender e compreendo para crer”.

São frutos do dom do entendimento as intuições das verdades da fé que são concedidas a muitos cristãos durante o seu retiro espiritual ou durante uma leitura inspirada pelo amor a Deus. O “renascer da água e do Espírito” (Jo 3,3), a imagem da “videira e dos ramos” (Jo 15,5), o “seguir a Cristo, renunciando a si mesmo e tomando a cruz a cada dia” (Lc 9,26), e muitas outras verdades, tomam então clareza nova e transformam a vida do cristão.

O dom do entendimento mostra também o “horror, a hediondez do pecado” e a grandeza da miséria humana. Os santos, quanto mais se aproximaram de Deus, quanto mais foram santos, tanto mais tiveram consciência do seu pecado ou da sua distância em relação Àquele que é três vezes Santo.

Em suma, o dom do entendimento nos faz ver melhor a santidade de Deus, a infinidade do Seu amor, o significado dos Seus apelos e também a pobreza da criatura que se compraz em si mesma, em vez de aderir corajosamente ao Criador.

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

O dom da piedade

0

O dom de piedade torna o cristão consciente de sua participação na família dos filhos de Deus

No mundo materialista, hedonista e distante de Deus, em que hoje vivemos, não são muitas as pessoas que vivem uma intimidade com Ele e que pautam sua vida segundo as santas leis do Senhor; não são muitas as pessoas fervorosas no cumprimento das Escrituras, da vontade de Deus e na busca dos valores eternos.

O dom de piedade nos leva a amar Deus profundamente e viver em comunhão com Ele, desejando sempre fazer a Sua vontade. Às vezes, esse dom é mal entendido pelos que a representam de mãos juntas, olhos baixos e orações intermináveis.

O dom da piedade nos leva a amar e reverenciar tudo que é de Deus: a oração individual, a oração litúrgica, a vida sacramental, a adoração ao Santíssimo Sacramento, a reza do santo terço, o desejo de pregar a Palavra de Deus, a meditação da Palavra, a leitura de bons livros, o zelo pelas coisas sagradas etc.

Esse dom nos faz devotos. A devoção é a rainha das virtudes. A prática da devoção tem de atender a nossa saúde, as nossas ocupações e deveres particulares. A verdadeira devoção nada destrói; ao contrário, tudo aperfeiçoa. Se tens uma vontade sincera de entrar nas veredas da devoção, procura um guia sábio e prático que te conduza”, disse São Francisco de Sales.

A palavra “piedade”, no seu sentido original, diz respeito à atitude de uma criança para com seus pais: uma combinação de amor, confiança e reverência. Se essa é a nossa disposição habitual para com o nosso Pai, estamos vivendo o dom de piedade.

Esse dom do Espírito Santo leva-nos a praticar a virtude, a manter uma atitude de confiante intimidade e familiaridade com Deus. Leva-nos a conversar com Ele como um filho conversa com seu pai ou com sua mãe, com naturalidade, espontaneidade, confiança e amor.

O dom do Espírito nos orienta divinamente em todas as relações que temos com Deus e com o próximo, tornando-as mais profundas e perfeitas. São Paulo se refere a este dom quando escreve: “Recebestes o espírito de adoção filial, pelo qual bradamos: “Abbá, ó Pai” (Rm 8, 15). O Espírito Santo, mediante o dom da piedade, faz-nos, como filhos adotivos, reconhecer Deus como Pai.

E pelo fato de reconhecermos Deus como Pai, consideramos as criaturas com olhar novo, inspirado pelo mesmo dom, o qual nos leva a não considerar tanto os benefícios recebidos da parte de Deus, mas, muito mais, o fato de que Ele é sumamente santo e sábio: “Nós vos damos graças por vossa grande glória”, diz a Igreja no hino da liturgia eucarística; é, sim, próprio de um filho olhar a honra e a glória de seu pai sem levar em conta os benefícios que ele possa receber do mesmo.

É o dom da piedade que leva os santos a desejar, acima de tudo, a honra e a glória de Deus, “… para que em tudo seja Deus glorificado”, diz São Bento; ao passo que Santo Inácio de Loiola exclama: “… para a maior glória de Deus”.

É também o dom da piedade que desperta no cristão viva e inabalável confiança em Deus Pai, confiança e entrega como, por exemplo, dá testemunho Santa Teresinha de Lisieux na sua doutrina sobre a infância espiritual.

O dom de piedade não estimula os cristãos apenas a cumprir seus deveres para com Deus de maneira filial, mas os leva também a experimentar interesse fraterno para com todos os seus semelhantes. Típico exemplo desse sentimento encontra-se na vida de São Francisco de Assis: quando este, certo dia, sonhando com as glórias de um cavaleiro medieval, avistou um leproso, sentiu-se movido a superar qualquer repugnância e a dar-lhe o beijo que exprimia a fraternidade de todos os homens entre si.

O dom de piedade, tornando o cristão consciente de sua participação na família dos filhos de Deus, move-o a ultrapassar as categorias do direito e do dever, a fim de testemunhar uma generosidade que não regateia nem mede esforços desde que sirva aos irmãos. É o que manifesta o apóstolo ao escrever: “Quanto a mim, de bom grado me despenderei, e me despenderei todo inteiro, em vosso favor” (2Cor 12, 15).

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor:  Twitter: @pfelipeaquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com

Lancemos sobre o Senhor toda a nossa preocupação

0

“Felizes os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (Sl 48). Meus irmãos, esta é a primeira bem-aventurança. Os pobres de espírito são o oposto dos soberbos e arrogantes, porque são humildes e penetram na realidade do Reino de Deus.

Percebemos, irmãos, o quanto precisamos de mudança, de transformação. O próprio João, que foi o discípulo amado, tinha no coração uma “riqueza” de espírito, chegando a fazer um grupinho com os outros apóstolos, como se eles fossem “os queridinhos” de Jesus. Mas ele foi mudando, a ponto de se tornar o discípulo do amor. João tornou-se amor nas suas palavras, nos seus gestos, naquilo que era e fazia. Se João precisou de toda essa mudança, imagine como nós também precisamos! Como o nosso coração precisa ser mudado, possuído pela primeira bem-aventurança!

Foto: Wesley Almeida/cancaonova

Quando Jesus fala em Reino dos Céus, Ele não se refere ao Reino depois da morte, mas neste de agora. Se temos um coração humilde, precisamos viver no Reino de Deus já agora, precisamos dizer: “Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao vosso”.

O Senhor tem paciência conosco, pois Ele sabe que não mudamos de uma hora para outra. O bem está em nós, mas precisa ser lapidado, e isso vai tirar “pedaços”, vai doer. Para mudarmos, o Senhor permite que aconteçam situações de humilhação para nós. No fundo, precisamos do nosso próprio esforço e também que Cristo permita a nossa humilhação, para que tenhamos um coração novo, humilde como o d’Ele.

“Caríssimos, e agora, vós que dizeis: ‘Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, passaremos ali um ano, negociando e ganhando dinheiro’. No entanto, não sabeis nem mesmo o que será da vossa vida amanhã! Com efeito, não passais de uma neblina que se vê por um instante e logo desaparece. Em vez de dizer: ‘Se o Senhor quiser, estaremos vivos e faremos isto ou aquilo’, vós vos gloriais de vossas fanfarronadas. Ora, toda a arrogância deste tipo é um mal” (Tg 4,13-16).

A Palavra de Deus está nos dizendo que somos dependentes d’Ele em tudo, até para viver; e a nossa dependência é total. Portanto, se somos dependentes do Senhor, temos de pôr a nossa confiança n’Ele.

São Pedro diz: “Lançai sobre Ele toda a vossa preocupação, pois ele tem cuidado de vós” (1Pd 5,7). Os humildes de espírito são confiantes, entregam os próprios problemas a Deus e conseguem ter paz. Isso só é possível, porque eles confiam no Senhor.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Artigos

Fonte: http://padrejonas.cancaonova.com

Sobre este Blog
mm
Jovens Sarados, a academia para sua alma.