A Paixão de Cristo: o verdadeiro ÁGAPE

1001
0

 

A Paixão de Cristo: o verdadeiro ÁGAPE

“Tendo amado os Seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13, 1).

Com estas belas palavras São João resume perfeitamente todos os acontecimentos que precederam e culminaram na Paixão e Morte de Cristo nosso Salvador. Você já parou para pensar no amor que Cristo sente por você? Um amor que tudo supera, tudo doa, tudo perdoa, capaz de dar a sua própria vida por você?

Ao nos amar incondicionalmente até o seu último suspiro Jesus toma para si a responsabilidade de cumprir à risca as Sagradas Escrituras e passar por todos os sofrimentos humanos possíveis, desde a alegria da exaltação e reconhecimento pelo povo ao entrar em Jerusalém na celebração do Domingo de Ramos, passando pela angústia e agonia da proximidade da hora da traição no Horto das Oliveiras até a dor e humilhação da flagelação e crucificação na sua Paixão e Morte.

Jesus, mesmo sendo Deus, em nenhum momento hesitou em passar pela dor para nos salvar ainda que miseráveis como somos, não merecêssemos. Ele nos amou ao extremo. Nada foi capaz de restringir o seu amor por seus filhos tão amados.

A linguagem da Cruz nos leva a refletir como nós não damos o real valor que ela merece. Nós, humanamente imperfeitos, sempre reclamamos da nossa cruz. Cristo, porém, carregou a sua cruz sem hesitar, pois, sabia que ela seria o instrumento da salvação dos seus filhos amados.

A Cruz é o maior sinal do amor de Deus por nós, foi por meio dela que seu Filho se imolou por amor a nós. Ela nos liberta do pecado, da morte e do inferno. Ela é símbolo da vitória de Cristo e do reino de Deus. Por isso, ela merece todo o nosso amor e respeito.

Cientes que Deus nos ama sabemos que jamais Ele nos daria uma Cruz com o peso maior que pudéssemos carregar e misericordioso e bondoso como Ele é, sempre nos dá um bom Cirineu para nos ajudar a carregá-la.

Assim como Cristo, não devemos reclamar do peso da nossa Cruz, mas abraça-la e amá-la, afinal ela é nosso instrumento de santificação. A partir desta visão convido a você que agora ler este artigo a adorar com as suas próprias palavras a Cristo pela Cruz que lhe deste!

Ao nos depararmos com tamanho amor de Cristo por nós leva-nos a meditar se também estamos tendo um amor equivalente por Ele. Estamos também O amando acima de todas as coisas, de todas as dores, de todos os sofrimentos? Estamos também dando a nossa vida, gastando nossos dias para glorificá-lo, adorá-lo e levar a tua Palavra a todos os povos e nações? Estamos sendo fieis aos seus preceitos e vivendo segundo os seus desígnios?

Que possamos viver uma Sexta-feira realmente Santa e meditarmos acerca dos nossos comportamentos cristãos, desapegar das coisas mundanas para nos apegar somente aquilo que nos aproxima de Cristo. Que verdadeiramente possamos permitir que morra dentro de nós tudo o que nos afasta de Deus para junto com a Páscoa de Cristo renasça um novo homem ou uma nova mulher de fato a imagem e semelhança de Deus.

Uma feliz e Santa Sexta-feira da Paixão a todos!

 

Por Sarah Cebelly A. Gomes, serva da missão Frei Paulo.