A amizade segundo São Francisco de Sales

1816
0

Os amigos são importantes em nossa vida. Eles nos ajudam a construir nossa história, a conquistar nossos sonhos e fazem parte dos momentos mais significativos da nossa existência, bem como daqueles que consideramos triviais. Amigos são pessoas que parecem da família porque nos identificamos com eles e partilhamos nossa caminhada na mútua e recíproca confiança, fidelidade e liberdade.

São Francisco de Sales foi uma pessoa de grandes amizades. Sua mansidão, sabedoria e zelo para com as pessoas as atraiam para mais próximo dele. Francisco relacionava-se com muita gente, encontrando-as e escrevendo a elas. Fazia-se amigo de todos para conduzir à amizade com Deus. E também buscava pessoas com as quais pudesse compartilhar as coisas de sua vida, de seu coração.

Para ele a amizade é um caminho de santidade. Ensinava que os amigos podem mutuamente se animarem e conservarem os santos exercícios da fé. Em meio às dificuldades que temos que vencer, os amigos “se parecem com os viajantes que andam por caminhos difíceis, escabrosos e escorregadiços, precisando sustentar-se uns nos outros para caminhar com mais segurança” (IVD, III, XIX). Ter amigos é necessário para caminhar dia a dia neste mundo, por isso sempre valorizava o dom da amizade.

Entre seus maiores amigos estão o bispo Pedro Camus, o senador Antônio Favre e Santa Joana de Chantal. Dom Camus foi sagrado bispo por Francisco e desde então cresceu um mútuo respeito e admiração que os fazia corresponderem-se continuamente. Antônio Favre tornou-se seu amigo quando Francisco desempenhava o apostolado no Chablais. Muitas e muitas vezes Francisco aconselhava seu amigo senador, mas também lhe pedia conselhos em questões mais delicadas. Joana de Chantal foi a grande amiga que Deus concedeu a Francisco. E esta amizade é uma das mais belas na história da Igreja. Com ela fundou a Ordem da Visitação. A estimava muito e estava sempre em contato, com um amor todo especial, um amor que ele chamava de “espiritual”.

Ao escrever a Filoteia, o livro para os leigos, Francisco de Sales separou três capítulos da terceira parte para falar sobre a amizade. O santo aconselha a ter um grande amor de caridade para com todos, mas ser amigo apenas daquelas pessoas cujo convívio pode nos ser proveitoso no caminho da fé: “Quanto mais perfeitas forem estas relações, tanto mais perfeita será a tua amizade”, escreveu. Importa é “não ter nenhuma amizade que não seja boa e santa” (IVD, III, XIX).

Ele sabe que os motivos dos laços de amizade não são apenas um. Temos que ser amigos dos vizinhos, dos parentes, das pessoas que fazem parte do nosso cotidiano; podemos ser amigos de quem estuda com a gente; amigos na prática das virtudes; e, o que ele considera mais especial, amigos para viver a fé e melhor amar a Deus. Se é assim, “então tua amizade é preciosíssima. É excelente, porque vem de Deus; excelente, porque Deus é o laço que a une, excelente, enfim, porque durará eternamente em Deus” (IVD, III, XIX). Aqui ele está falando da “amizade espiritual, pela qual duas, três ou mais pessoas se comunicam mutuamente as suas devoções, bons desejos e resoluções por amor de Deus, tornando-se um só coração e uma só alma” (IVD, III, XIX). Com uma bela imagem, ele diz: A amizade que se tem por causa de Deus faz das outras amizades sombras, visto que ela prende os corações por uma corrente toda de ouro (IVD, III, XIX).

Devemos ser amigos de quem nos ajuda no caminho do Evangelho, de quem nos traz verdadeira alegria, que nos leva a sermos pessoas melhores. E afastar-se de toda amizade que nos sugere atitudes e opções contrárias à vivência dos valores do Reino de Deus, contrárias ao nosso bem e ao bem das outras pessoas (IVD, III, XX-XXI). Às vezes nos ensinam que a boa amizade é aquela que nos concede privilégios, mas São Francisco de Sales nos propõe diferente: “Existem amizades que, aos olhos do mundo, parecem insignificantes e vazias, mas, aos olhos de Deus, estão repletas de tudo o que é excelente, porque são formadas só em Deus e para Deus, sem qualquer mistura de nossos interesses próprios” (Conferências Espirituais, 1895, p.132).

Rogamos a Deus por nossos amigos. Que Ele os ajude a ajudar-nos; que nos ajude a ajudá-los! Cuidemos de nossa amizade, pois são um dom precioso do Senhor. E sejamos amigos de Deus, que é tão bom e tão bem nos quer. São Francisco de Sales também é nosso amigo. Seus ensinamentos iluminam nossa estrada e sua intercessão no favorece na jornada. Um abraço a vocês, amigos. Fiquem com Deus!

Fonte: http://nildodemelo.blogspot.com.br/